Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Nova Lei para contratações melhores

Nova Lei para contratações melhores

23/05/2019 Carlos Mingione

Ainda está vivo na memória da maioria dos brasileiros o atraso das obras para a Copa do Mundo de Futebol e das Olimpíadas no Brasil.

Os dois eventos servem de modelo do que pode ocorrer com a falta de planejamento adequado de um governo. As decisões açodadas, adotadas com o intuito de acelerar os processos de implantação da infraestrutura necessária, acarretaram desperdício de dinheiro público com a construção de empreendimentos mal dimensionados, ou concluídos em prazos muito além dos previstos.

Podemos somar a esses prejuízos um grande número de obras inacabadas e desvios bilionários de recursos públicos.

Esses dois eventos internacionais marcaram ainda a introdução da Contratação Integrada para os certames públicos, por meio do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), que tem na sua essência a delegação à construtora vencedora da licitação a prerrogativa de elaborar os projetos do que será construído.

Este é um dos principais problemas da Contratação Integrada – contratar obras sem projetos, com base apenas em um anteprojeto, que é um documento técnico extremamente carente de informações indispensáveis para a adequada especificação de um empreendimento e, consequentemente, para definição dos requisitos a serem atendidos e para a avaliação dos custos envolvidos.

Para alcançar segurança, competitividade e transparência na contratação de obras públicas é preciso ter em mãos projetos detalhados, elaborados por ente independente daquele que executará as obras. Contratar sem projetos é não saber quanto terá que pagar e o que irá receber.

Um projeto detalhado é o único documento eficaz para a definição completa do empreendimento, dos requisitos de desempenho que deverão ser atendidos, para o controle da qualidade do produto que será desenvolvido, do prazo de execução, bem como dos custos envolvidos na implantação, operação e manutenção do bem em questão.

Um bom projeto funciona como uma verdadeira vacina contra a corrupção. É o melhor e mais completo seguro que um empreendimento pode ter. Além de viabilizar a sua implantação conforme planejado, fornece as condições para a adequada utilização ao longo de toda a vida útil do empreendimento. E o mais importante é que seu custo representa um pequeno percentual do custo da obra.

Apesar do assunto ter um forte viés técnico, a população percebe no dia a dia o quanto a falta de infraestrutura, de equipamentos públicos ou uma obra paralisada podem afetar a sua vida. O país tem agora uma grande oportunidade para mudar a forma de contratação dos empreendimentos públicos.

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 12 de março, a urgência para a apreciação do Projeto de Lei 1292/1995 (Nova Lei de Licitações), e algumas adequações no projeto precisam ser realizadas.

O ponto de partida para essa mudança da Nova Lei precisa ser a conscientização sobre a imprescindibilidade do planejamento, dos estudos e projetos, do gerenciamento, supervisão, fiscalização e controle de qualidade e tecnológico de obras.

São atividades técnicas indispensáveis para a definição das necessidades e características dos empreendimentos, bem como para a viabilização e o acompanhamento da implantação e entrega do bem produzido.

E assim como as obras precisam ser bem contratadas, com critérios preponderantemente técnicos, e não apenas com base no preço, sendo este outro aspecto da Nova Lei que precisa ser ajustado.

Outra questão de suma importância, e que ainda precisa ser considerada na Nova Lei de Licitações, é a revisão da Lei das Estatais, que apresenta problemas muito mais graves do que aqueles identificados no Projeto de Lei 1292/1995 e, ao não serem revogadas as disposições em contrário à nova lei, corremos o risco de contar com dois diplomas legais tratando do mesmo tema, e com proposições e conceitos divergentes.

Com a renovação do Congresso, acreditamos encontrar amparo e disposição dos novos deputados e senadores para entender a importância das alterações sugeridas, que visam o equilíbrio dos certames licitatórios e das regras contratuais, para assegurar o uso correto dos recursos públicos e a entrega de empreendimentos de acordo com as reais necessidades da população.

É o momento de fazer história com regras que ofereçam condições de competição equilibradas e que possam garantir empreendimentos de qualidade, no prazo requerido e por preços justos.

* Carlos Mingione é engenheiro e presidente do Sinaenco (Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva). 

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.



Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.


Toyota indenizará por atraso em entrega de veículo

Cliente com câncer usaria o carro para se locomover até a cidade onde fazia tratamento.


Rede de cosméticos é condenada por obrigar consultora a mudar visual

Como ressaltou a magistrada, a aparência dos cabelos não altera a capacidade de trabalho da consultora de beleza.


Cláusula de foro de eleição em tempos de COVID-19

Quando as partes contratantes optam pela inserção de uma cláusula de eleição de foro em seu contrato, classifica-se essa escolha como uma causa de competência relativa.


Guarda compartilhada

Quais são as mudanças na convivência com os filhos durante a pandemia de Covid-19?


Pedidos de recuperação judicial aumentarão exponencialmente no segundo semestre de 2020

Essa renegociação poderá salvar diversas empresas da falência ou de uma recuperação judicial.


O direito à privacidade na pandemia e para além dela

Em meio à crise do Covid-19, muitas questões têm surgido acerca da privacidade e dos limites quanto ao uso de dados pessoais nesse momento de pandemia, ainda que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) não esteja vigente e, até esse momento, não se tenha decidido quando passará a viger.


A ilegalidade da redução dos salários dos jogadores de futebol

Pela primeira vez na história da era moderna, os Jogos Olímpicos foram adiados.


Colocaram um Jabuti nas costas dos artistas

A Medida Provisória é um instrumento em nosso ordenamento jurídico constitucional, reservado ao presidente da República destinado às matérias que sejam consideradas de relevância e urgência pelo Poder Executivo.


Direito do Trabalho em tempos de pandemia de Covid-19

A pandemia da covid-19 atinge o Brasil em um momento de crise no direito do trabalho.