Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Direito do Trabalho e a Covid-19

O Direito do Trabalho e a Covid-19

13/07/2020 Laura Ferreira Diamantino Tostes

O que veio para ficar?

Em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19), foram editadas pelo Governo Federal, as medidas provisórias 927 e 936, respectivamente, de 6 de março e 1º de abril de 2020, dispondo medidas trabalhistas para o enfrentamento do estado de calamidade pública.

A medida provisória 936/2020 após a aprovação nas duas casas do Congresso Nacional e sanção do Presidente da República, foi convertida na Lei nº 14.020, de 6 de julho de 2020.

Trata-se de típica legislação de emergência cujas possibilidades jurídicas podem alterar os parâmetros interpretativos do Direito do Trabalho.

As normas emergenciais e transitórias autorizam a pactuação de acordo individual entre empregado e empregador, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição Federal.

Ressalte-se que, com a vigência da Lei nº 13467/17, chamada de Reforma Trabalhista, foi demarcada a prevalência do negociado coletivamente sobre o legislado.

Com a legislação de crise editada no atual cenário, foram privilegiados acordos individuais, contrariando o que foi estabelecido pela CR/88, pois o artigo 7º, inciso XXVI, conferiu validade aos acordos e convenções coletivas de trabalho.

Instrumentos resultantes da negociação coletiva e que envolvem a necessária participação do sindicato dos empregados.

Por meio dos acordos individuais, a medida provisória (MP) 927/2020, autoriza a instituição do teletrabalho; a antecipação de férias individuais; a concessão de férias coletivas; o aproveitamento e a remarcação de feriados; o uso de banco de horas; a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho – está suspensa a obrigatoriedade de realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceto os demissionais –; o direcionamento do trabalhador para a qualificação; e o diferimento do recolhimento do FGTS relativo às competências de março, abril e maio deste ano.

A Lei 14020/20 (conversão da MP 936/20) possibilita duas medidas que poderão ser objeto de acordo individual.

A primeira delas é a redução proporcional de jornada de trabalho e a diminuição de salários. Já segunda trata da suspensão temporária do contrato.

O artigo 7º, inciso VI, da CR/88, estabelece a irredutibilidade salarial, salvo se a alteração se der por acordo ou convenção coletiva de trabalho.

O Supremo Tribunal Federal, por maioria, em entendimento manifestado na ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 6363 de abril de 2020, assentou a validade dos acordos individuais previstos na MP 936/2020, excluindo a necessidade de anuência dos entes sindicais como condição de validade do instrumento jurídico.

Assim, saltam evidências de que o acordo individual pactuado entre empregado e empregador, pode assumir posição de prevalência sobre a legislação trabalhista – em tese, respeitadas as normas constitucionais –.

Isso pode ocorrer mesmo após o encerramento do estado de calamidade pública, em afronta à função teleológica e progressista do Direito do Trabalho, a qual não feneceu ante aos impactos da pandemia.

* Laura Ferreira Diamantino Tostes é Mestre em Direito, assessora de Desembargadora do TRT3 e professora na Faculdade de Direito Milton Campos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O dilema do reconhecimento da paternidade

O pedido de reconhecimento de paternidade muitas vezes é constrangedor para a mulher e assustador para o homem.


Doença mental adquirida no exercício profissional pode ser considerada acidente de trabalho

Alguns tipos de transtornos mentais podem estar relacionados ao ambiente de trabalho.


Os paradigmas legais da greve dos jogadores do Cruzeiro

Os jogadores do elenco profissional do Cruzeiro anunciaram no dia 13 de outubro que estão em greve por conta do atraso no pagamento dos salários.


Nova Lei de Improbidade Administrativa separa o joio do trigo

Recentemente seguiu para sanção presidencial o projeto de lei, aprovado pelo Congresso Nacional, que modifica substancialmente a Lei 8429/90, conhecida como a Lei de Improbidade Administrativa.


O falso dilema do IRPJ e CSLL sobre a Selic no indébito tributário

O Supremo Tribunal Federal vem adiando sucessivamente o julgamento do RE nº 1.063.187/SC, que em sede de repercussão geral, poderá decidir tema de grande importância para os contribuintes.


Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.