Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O retorno do rol exemplificativo da ANS e a garantia à saúde

O retorno do rol exemplificativo da ANS e a garantia à saúde

13/10/2022 José Santana Junior

No último dia 22 de setembro foi publicada a Lei nº 14.454/2022 no Diário Oficial da União.

A norma visa alterar a Lei n° 9.656/98 que regulamenta a atuação dos planos privados de assistência à saúde, visando combater o posicionamento até então adotado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A nova lei retrata a definição de posicionamento quanto à estipulação do rol exemplificativo de tratamentos e medicamentos em que deve ser dada a cobertura obrigatória pelos planos privados de assistência à saúde, contrariando o posicionamento até então utilizado pela ANS.

Igualmente, resguarda que a relação dos planos privados de assistência à saúde com os respectivos beneficiários e segurados será tutelada pelo Código de Defesa do Consumidor, de modo expresso, conferindo maior proteção ao hipossuficiente.

Desde a implementação da Resolução Normativa n° 465/21 da ANS, o ajuizamento de ações por meio de tutelas era a solução para a problemática estabelecida quanto ao “rol taxativo da ANS”.

Isto porque, em determinados casos urgentes em que não era concedida a cobertura necessária pelo plano de saúde e por seguro de saúde, os segurados precisavam se socorrer ao Poder Judiciário para obtenção da proteção necessária.

O cenário sofreu grande alteração com a entrada em vigor da lei. No momento, a lista estabelecida pela ANS por meio da resolução nº 465/21 se tornou apenas referência para a concessão dos medicamentos e tratamentos.

Deste modo, a cobertura não se limita a lista, possibilitando o fornecimento do procedimento, tratamento ou fármaco mediante prescrição médica, desde que possua a devida comprovação científica da eficácia do medicamento para a doença em que o paciente foi diagnosticado; que seja recomendado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec); ou que ocorra a recomendação da utilização do fármaco por pelo menos um órgão de avaliação de tecnologias em saúde com renome internacional.

O rol de tratamentos, medicamentos e procedimentos estabelecidos como referência básica, possibilitará maior flexibilidade e proteção ao consumidor nos casos em que a nova normativa os protege, garantindo os direitos fundamentais à vida e à saúde.

* José Santana Júnior é advogado especialista em Direito Empresarial e sócio do escritório Mariano Santana Sociedade de Advogados.

Para mais informações sobre rol exemplificativo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



“Pente-fino” do INSS revisará 800 mil benefícios temporários

Advogada explica quem corre risco e como garantir a manutenção dos auxílios.

Autor: Divulgação


O Imposto do Pecado: Quem paga a conta?

Este tributo é visto como uma medida potencialmente transformadora que pode impulsionar significativamente a saúde pública e a sustentabilidade ambiental no Brasil.

Autor: Divulgação


Home care, os planos de saúde e os direitos do paciente

O conceito de home care é uma prática que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário da saúde, especialmente no Brasil.

Autor: José Santana Junior


Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Autor: Divulgação


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco