Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quem não quer tomar vacina ou usar máscara pode ser demitido por justa causa?

Quem não quer tomar vacina ou usar máscara pode ser demitido por justa causa?

22/01/2021 Divulgação

Garantir um ambiente de trabalho seguro é uma obrigação das empresas, que podem colocar a vacinação e uso de máscaras como norma interna.

No último domingo (17/01/2021), em um dia histórico, a Anvisa aprovou o uso emergencial de duas vacinas contra o Covid-19 no Brasil.

Porém, diversos motivos, entre eles o medo da vacina, fazem com que algumas pessoas ainda se recusem a receber a imunização.

Muitos usam o argumento de ser uma decisão pessoal. Mas será que é mesmo? Raphael Garcia, CEO da OCUPPE - Prevenção e Proteção ao Trabalho, explica que apesar de ainda não existir uma Norma Regulamentadora, que obrigue o trabalhador a ser vacinado contra Covid-19, a recusa da vacina pode ser motivo para uma demissão por justa causa.

Raphael Garcia lembra que é obrigação das empresas garantir um ambiente seguro aos seus trabalhadores e, por isso, elas podem incluir em seu PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) tanto o uso de máscaras quanto a vacinação obrigatória.

Dessa forma, a empresa também fica responsável por fornecer as máscaras de proteção, bem como orientações para uso da mesma.

Vacina contra Covid-19

Apesar de os empregadores não poderem solicitar a vacina, eles podem exigir que seu funcionário forneça comprovante de vacinação para trabalhar neste ambiente.

Dessa forma, se um trabalhador não vacinado insistir em ir para o local de trabalho, ele pode estar sujeito a penalidades legais, incluindo advertências, suspensão e demissão por justa causa.

Uma das obrigações da empresa é zelar pelo meio ambiente e pela saúde de seus colaboradores. E é por isso que a demissão por justa causa é possível, já que quem se recusa a tomar a vacina está colocando a saúde de todos os colegas em risco.

Ou seja, se a empresa indicar em seu PCMSO como medida protetiva a vacinação contra Covid-19, e o colaborador se recusar a tomar a vacina, a rescisão por justa causa poderia ser adotada como medida punitiva.

Além disso, primeiramente, a empresa deve dar uma advertência ou suspensão e, só então, se a recusa persistir, a demissão por justa causa.

Sendo assim, é muito importante incluir a imunização em seu PCMSO e fazer dessa uma norma da empresa.

Raphael Garcia lembra que ainda é preciso ter paciência com esse assunto, porque a vacina ainda não está disponível para toda a população.

“Existe um cronograma e um plano de imunização que deve ser seguido. Dessa forma, a empresa só pode exigir a vacinação após ser obrigatório para aquele grupo em específico”, afirma.

Uso de máscara

Seguindo o mesmo pensamento, Raphael Garcia explica que o funcionário que também se recusa a usar máscaras pode ser demitido por justa causa.

As empresas podem adorar em seu PCMSO o uso obrigatório de máscaras de proteção, a fim de garantir mais segurança para seus funcionários. Sendo assim, aqueles que se recusarem a usar a proteção poderão ser demitidos.

“Um funcionário que se recusa a usar máscara ou não a usa corretamente se equipara  aquele que se recusa a usar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI)”, destaca Raphael. Por isso, a empresa pode e deve fiscalizar essa questão para garantir a segurança de todos os seus colaboradores.

Entretanto, quando você equipara o uso da máscara a um EPI, ela acaba sendo classificada dentro da NR6, determinando que cabe ao empregador fornecer e orientar quanto a higienização, guarda e uso do equipamento de proteção individual.

“Como a recomendação é de duas horas com cada máscara, as empresas podem fornecer kits com 8 máscaras para que a pessoa use quatro máscaras por dia, de duas em duas horas e, no dia seguinte, ela use as outras quatro, enquanto as usadas no dia anterior estão sendo higienizadas. Fica como sugestão adotar quatro cores diferentes, por exemplo, nas duas primeiras horas do dia o uso de máscaras verdes, depois azul, amarelo e vermelha. Assim, é possível ter uma maior facilidade de controle se a pessoa está fazendo a substituição da máscara de acordo com a regra das duas horas e também se ela está usando a máscara corretamente”, aponta Raphael.

Fonte: Carvalho Assessoria



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.