Portal O Debate
Grupo WhatsApp

STF e a concentração dos poderes

STF e a concentração dos poderes

28/05/2020 Bady Curi Neto

São poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (art. 2º da CF/88), com funções e atribuições previstas pelo poder Constituinte de 88.

As funções do Poder Judiciário, assim como os demais, são vinculadas a legislação posta, notadamente as normas Constitucionais.

O juiz da Suprema Corte, ao colocar a toga sobre os ombros, deve abdicar de suas preferências políticas ou mesmo do subjetivismo que entende ser melhor para o povo, para decidir conforme o ordenamento jurídico, afastando-se das paixões ideológicas e dos aplausos midiáticos.

O magistrado maior, em sua função de decidir, deve ter a consciência que o seu assento é de julgador e não de representante do povo, que são investidos no cargo através da vontade popular, disputadas periodicamente nas urnas.

A mais alta corte do poder judiciário vive um ultra ativismo judicial, em busca dos aplausos da população, no intuito de solucionar questões afeitas à política, sociais e morais, exacerbando seu mister atribuído pela carta Constitucional, interferindo no espaço de atuação dos demais poderes da República.

Ferir a tríade de poderes contemplados na Constituição Federal que delimita as funções típicas e atípicas de cada um é ferir de morte a própria Constituição, que limita as atribuições dos poderes independentes, com suas incompletudes, não permitindo o poder absoluto ou sua concentração no Executivo, Legislativo ou Judiciário. É o sistema de freios, pesos e contrapesos.

As consequências do ativismo judicial, coloca em risco o Estado Democrático de Direito, permitindo o surgimento de um super poder. Nas palavras de Rui Barbosa, uma ditadura do poder judiciário, que contra ela não há recurso.

O Supremo Tribunal Federal (STF) não é protagonista da vontade popular, sua função não é legislar ou decidir o que entende certo pelos atos discricionários do presidente da República (nomeação de ministros, indultos etc.).

Apenas para citar alguns exemplos: Art. 226, § 3º, da CF/88. “…, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.”

O STF, ferindo regras da coerência lógica, reconheceu por unanimidade a "união estável" entre duplas homossexuais, legislando em matéria Constitucional.

Art. 124 do C. Pena l– “Provocar aborto em si mesma ou consentir que outro lhe provoque: Pena (…)”. Contra legem, a Primeira Turma do STF decidiu por descriminalizar o aborto no primeiro trimestre de gravides, legislando, por via judicial, em matéria penal.

Art. 84. CF/88 - Compete privativamente ao Presidente da República:

XII - conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei;

Ao julgar o indulto concedido pelo ex-presidente Temer, o ministro relator entendeu pela sua inconstitucionalidade parcial, reescrevendo o decreto presidencial (ficou vencido). Manteve-se a competência do executivo.

Art. 84, XXV CF/88 e Lei 9.266/1996, artigo 2º, C – “Compete, privativamente, ao Presidente da República prover os cargos públicos federais artigo 84, XXV), no que se insere nomear o Diretor Geral da Polícia Federal (Lei 9.266/1996, artigo 2º-C).”

O STF por duas vezes, através de decisões monocráticas, subjetivas, suspendeu a nomeação de Ministros e de um Diretor Geral da PF.

Art. 5, XXXIX da CF/88 – Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal.

O princípio da reserva legal, não permite haver crime sem uma conduta tipificada em nosso ordenamento jurídico penal, vedado a interpretação extensiva ou analogia, por obvio.

O STF, por analogia, entendendo que congresso foi omisso, criou o crime de homofobia, invadindo competência do Legislativo.

A função precípua da Corte Constitucional é o guardião da Constituição Federal e não o paladino da moral e dos costumes em distorcida representatividade da sociedade.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.