Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uso de inteligências artificiais no setor jurídico

Uso de inteligências artificiais no setor jurídico

11/09/2023 Alexandre Mazza

A advocacia sempre foi uma das profissões mais avessas a mudanças.

Até dois anos atrás, por exemplo, os advogados ainda eram proibidos pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de utilizar redes sociais e internet para captar clientes. Porém, atualmente, o setor passa por mudanças expressivas.

Além da possibilidade de usar Google, Youtube e Instagram para prospectar clientes (uma revolução e tanto), os advogados vêm sendo surpreendidos com a inteligência artificial, uma novidade que tem conquistado cada vez mais espaço na área do direito, e que promete facilitar muito a vida de advogados, clientes e o meio jurídico como um todo.

O uso de robôs já é comum para atender clientes via WhatsApp, propor ações judiciais e elaborar peças de defesa.

Em São Paulo, por exemplo, é possível encontrar processos eletrônicos que são um diálogo entre três robôs: um do escritório que propõe a ação; outro do Judiciário que dá andamento ao processo; e o terceiro que apresenta a defesa da Fazenda Pública.

Mas nada se compara ao uso de inteligências artificiais como o ChatGPT, que cria frases e textos completos em tempo real em mais de 90 idiomas.

Estima-se que haja mais de 2 mil inteligências artificiais à nossa disposição, e o crescimento desse número é vertiginoso.

Novas ferramentas vêm surgindo para que advogados possam ganhar até um dia a mais na semana de trabalho, como atendimento automatizado de clientes, degravação de conteúdos em áudio, aplicativos que simplificam a linguagem do advogado, resumo de audiências e decisões judiciais, pesquisa sobre decisões judiciais importantes e muitas outras possibilidades.

Mas há desafios éticos importantes a serem explorados, por exemplo, se o advogado pode assinar uma petição feita por um robô; a quem pertence o direito autoral dos textos produzidos por máquinas; entre outras questões.

Mas uma resposta é certa: se a inteligência artificial vem para substituir o trabalho humano na advocacia, ou serem importantes ferramentas para crescer na profissão, só o tempo dirá.

* Alexandre Mazza é especialista em direito tributário e administrativo, consultor especialista em uso de inteligência artificial no direito.

Para mais informações sobre inteligência artificial clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: EVCOM



O Imposto do Pecado: Quem paga a conta?

Este tributo é visto como uma medida potencialmente transformadora que pode impulsionar significativamente a saúde pública e a sustentabilidade ambiental no Brasil.

Autor: Divulgação


Home care, os planos de saúde e os direitos do paciente

O conceito de home care é uma prática que vem ganhando cada vez mais espaço no cenário da saúde, especialmente no Brasil.

Autor: José Santana Junior


Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Autor: Divulgação


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação