Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação domiciliar: barreira para o desenvolvimento do ser humano?

Educação domiciliar: barreira para o desenvolvimento do ser humano?

24/05/2022 Henri Navesuh

O homeschooling realmente trará algum benefício para o desenvolvimento integral da criança e do adolescente?

Educação domiciliar: barreira para o desenvolvimento do ser humano?

“Crianças e adolescentes são sujeitos de direito – e não objetos de propriedade dos pais.” Essa foi a nota emitida pelo Fundo das Nações Unidas (Unicef), no dia 20 de maio, dois dias após a Câmara dos Deputados ter aprovado o texto-base do projeto sobre educação domiciliar, conhecida como homeschooling. Embora o projeto ainda deva passar pela avaliação do Senado, entre outros trâmites, a aprovação acionou um sinal de alerta em muitos profissionais da educação, que veem tal formato de ensino como um grande retrocesso na formação do ser humano.

Implantado em diversas partes do mundo, antes do surgimento das escolas, que se popularizaram em meados do século XX, o ensino doméstico era restrito apenas às elites. Atualmente, esse modelo educacional está presente em 60 países, segundo dados da Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED), e vem dividindo opiniões a seu respeito. O projeto de lei em tramitação aqui no Brasil defende que a criança possa ser instruída em casa, pelos próprios pais inclusive, desde que eles tenham ensino superior completo.  O tema ganhou ainda mais força depois que crianças e adolescentes foram obrigados a trocar a sala de aula pelo ensino à distância no período da pandemia.

A questão é que, no período pandêmico, os estudantes eram instruídos pelos seus professores, seguindo uma grade curricular, e, assim que a pandemia amenizou, eles voltaram para a sala de aula. Mas, na educação doméstica, a situação é diferente: eles poderão ter apenas um instrutor, sem qualquer interação social com professores e colegas de classe. Para Vânia Aparecida da Costa, diretora acadêmica da Faculdade de Educação Paulistana (FAEP), não há como pensar em educação sem interação:

“Ensinar vai muito além de transmitir conteúdo. A educação deve envolver o desenvolvimento de competências socioemocionais da criança. Para isso, o espaço escolar se revela fundamental como o grande laboratório da vida. Portanto, privar os pequenos desse ambiente, por meio do ensino doméstico, é impedir o avanço dessas habilidades. ”

A diretora ressalta, inclusive, que a interação é elemento-chave para o desenvolvimento das dez competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), referência obrigatória para elaboração dos currículos escolares das instituições públicas e privadas da educação básica.

Assim, segundo Vânia, a educação necessita sempre priorizar o desenvolvimento humano e integral de cada ser humano, respeitando suas individualidades. “Essa é a visão da Pedagogia Waldorf, desenvolvida pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner, a qual defende práticas educativas que associam habilidades corporais, cognitivas e emocionais.”

Dessa forma, essa proposta pedagógica prepara o aluno desde a infância para a formação de uma visão crítica de mundo. Na educação infantil, por exemplo, educadores realizam diversas atividades como o cuidado com o jardim, a modelagem infantil, a organização dos próprios brinquedos, sempre considerando e compreendendo as habilidades e aprendizagens de cada um.

Conforme a criança cresce, a proposta se concretiza de outras formas, principalmente após os 15 anos, quando o adolescente começa a desenvolver sua própria compreensão de mundo e a organizar a vida. O assunto, inclusive, foi tema do encontro A Pedagogia Waldorf no Ensino Médio: contribuições para a educação contemporânea, transmitida pelo canal do YouTube da FAEP para pedagogos e estudantes de pedagogia de modo geral.

Durante o evento, Allan Gonçalves, professor na escola Waldorf Francisco de Assis, docente e pesquisador na Faculdade Rudolf Steiner, abordou, entre diversas outras questões, como a pedagogia Waldorf trabalha os conteúdos do ensino médio a partir das próprias vivências dos educandos, priorizando o estabelecimento de relações. De acordo com Gonçalves, isso é fundamental para essa fase de aprendizado do aluno, pois, se antes ele olhava para a cidade, por exemplo, como um lugar onde pessoas trabalham, a partir de então ele passa a perceber outras questões como a diferença de classes sociais.

A partir de todas as considerações levantadas, fica o questionamento: o homeschooling realmente trará algum benefício para o desenvolvimento integral da criança e do adolescente?

Para mais informações sobre educação clique aqui.

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ecoar Assessoria



Como a tutoria online pode nivelar a qualidade do ensino

Braço da aprendizagem personalizada, área da educação aposta em tutoria on-line para nivelar qualidade do ensino.

Como a tutoria online pode nivelar a qualidade do ensino

Ministério da Educação lança programa Primeira Infância na Escola

Iniciativa visa facilitar metas do Plano Nacional de Educação.

Ministério da Educação lança programa Primeira Infância na Escola

Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Os primeiros anos de uma criança são um período de aprendizado e desenvolvimento.

Matemática: como tornar a numeracia divertida?

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

Casos de bullying e de violência se aprofundaram em resposta à pandemia.

Saúde mental dos estudantes no pós-pandemia impõe maior acolhimento na rotina escolar

O bullying retorna a sala de aula

Os últimos anos trouxeram intensa mudança para o universo escolar.

O bullying retorna a sala de aula

Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


A educação é o caminho da liberdade

O atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei é um desafio e necessita de um olhar resiliente e reflexivo, visto que é considerado um momento oportuno de mudanças.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

As inscrições começam no dia 10 de maio e se encerram no dia 21.

Enem divulga datas das provas para os estudantes em 2022

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Essa é a primeira competição nacional a incluir estudantes tão novos.

Olimpíada Mirim de Matemática abrange alunos do 2º ao 5º do fundamental

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

Correções detalhadas podem ser conferidas na internet.

Enem 2021: 22 estudantes tiraram nota máxima na redação

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos

Primeira turma do curso de aperfeiçoamento tecnológico será em julho.

MEC lança projeto para aproveitamento de estudos de cursos técnicos