Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O copo meio cheio ou meio vazio da Educação

O copo meio cheio ou meio vazio da Educação

08/10/2020 Paulo Arns da Cunha

Um copo com água pela metade pode estar meio cheio ou meio vazio, depende do ponto de vista.

O copo meio cheio ou meio vazio da Educação

Quem é da área de exatas, como eu, costuma ver os números com muita desconfiança - e sempre precisam de dados complementares para dar embasamento. Vou explicar.

Quando a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou o relatório Education at a Glance, uma reportagem pegou um recorte da pesquisa e comemorou o dado que mostra que, no Brasil, um diploma de nível superior pode significar um aumento de até 156% no salário. Com pós-graduação, é possível ter um rendimento mais de quatro vezes maior (350%) na comparação com quem só tem o Ensino Médio. Esses números são verdadeiros - e excelentes para as mais de duas mil Instituições de Ensino Superior espalhadas pelo país. O que a reportagem não apresentou é que esses números podem ser péssimos para o Brasil. 

Por quê? Porque a média entre os países da OCDE é de um salário 40% maior para quem concluiu a graduação. A renda maior proporcionada pela escolaridade é uma prova de como a sociedade brasileira ainda é desestruturada e desigual. O Brasil é hoje um dos países da OCDE com o maior número de habitantes sem diploma do Ensino Médio (52% dos adultos) - e onde apenas 15% da população tem formação superior.

Pesquisadores de Educação usam um conceito da economia para explicar esse cenário: é o chamado signalling model, desenvolvido na década de 1970 pelo Nobel de economia canadense Michael Spence. Ao ter um diploma de Ensino Superior — algo que mais de 80% da população brasileira não tem — um jovem já apresenta um diferencial na hora da busca por um emprego. E o potencial de ganhos é ainda maior se ele cursou uma graduação em uma instituição vista como prestigiada pelo mercado de trabalho.

O Ensino Superior influencia gerações. Crianças com pelo menos um dos pais diplomado têm 60% de chances de chegar à universidade, probabilidade que cai para 15% quando os pais não completaram o Ensino Médio. E essa influência chega inclusive à saúde. Um homem de 25 anos que frequentou faculdade pode esperar viver quase oito anos mais do que seu par de pouca escolaridade. Entre as mulheres, a diferença é de 4,6 anos, segundo o relatório da OCDE.

Podemos dizer que, com a evolução da Educação a Distância (EAD) no Brasil, uma maior parcela da população conseguiu ter acesso a uma graduação, seja pelo custo mais baixo, menor barreira de distância ou, ainda, a possibilidade de conciliar o estudo com o trabalho. O Censo da Educação Superior do Ministério da Educação mostra que o acesso à graduação vem evoluindo: o número de alunos cursando o Ensino Superior no Brasil aumentou 44,6% entre 2008 e 2018. No ano passado, cerca de 8 milhões de pessoas estavam na faculdade (75%, em instituições privadas).

Estamos no caminho certo, mas ainda muito longe do ideal. Não nos deixemos enganar por números isolados. É preciso ver os dois lados da moeda e fazer comparações antes de começar a comemorar. E não adianta comparar a gente com nós mesmos. Por exemplo, ter um diploma e ganhar o dobro da média da população brasileira pode não representar muita coisa. Quem recebe mais que R$ 5.214 por mês já está entre os 10% mais ricos do Brasil. Isso é quase sete vezes mais do que a média do rendimento real de metade da população, que é de apenas R$ 754, segundo a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (Pnad), do IBGE. Entre os países da OCDE, o rendimento médio mensal é equivalente a quase R$ 7 mil.

Esses são alguns exemplos de que o mesmo número pode ser bom ou ruim. Depende se você enxerga o copo meio cheio ou meio vazio.

* Paulo Arns da Cunha é diretor-executivo do Colégio Positivo.

Fonte: Colégio Positivo



Uma nova forma de ensinar e aprender

A mudança chegou, e com ela a reformulação de hábitos comuns de toda a população.

Uma nova forma de ensinar e aprender

Descobrimento do Brasil por portugueses ou chineses: outras histórias

As pessoas possuem costumes diversos, cada qual tem uma peculiaridade e aprende de diferentes formas.

Descobrimento do Brasil por portugueses ou chineses: outras histórias

MEC lança jogo virtual para ajudar na alfabetização de crianças

Ferramenta é gratuita para celulares, tablets e computadores.

MEC lança jogo virtual para ajudar na alfabetização de crianças

Por que formar pesquisadores comunicadores?

Em 2020, a ciência se reafirmou como essencial nas soluções dos grandes desafios da humanidade e na operação do nosso dia a dia.

Por que formar pesquisadores comunicadores?

Enem: candidatos com covid-19 poderão fazer a prova em outra data

A lista de reaplicação do exame ainda inclui doenças como coqueluche e difteria.

Enem: candidatos com covid-19 poderão fazer a prova em outra data

A escola de educação infantil e a pandemia

As instituições de educação infantil são as mais prejudicadas.

A escola de educação infantil e a pandemia

Aulas remotas seguem desafiando escolas e educadores

"O caminho é a aproximação e a ampliação do diálogo entre os grupos que compõem a comunidade escolar".

Aulas remotas seguem desafiando escolas e educadores

EUA: ainda a principal opção para estudantes internacionais

Os Estados Unidos são o destino número 1 do mundo para estudantes internacionais, graças a seu setor educacional diverso.

EUA: ainda a principal opção para estudantes internacionais

Crescimento do EAD e tendências de ensino

As tecnologias modernas remodelaram a forma de nos comunicarmos.

Crescimento do EAD e tendências de ensino

São Judas lança pós-graduação em Cidades Inteligentes

Estudantes terão a oportunidade de aprender a resolver problemas antigos enfrentados nas grandes cidades.

São Judas lança pós-graduação em Cidades Inteligentes

O que esperar do Enem?

A quarentena durou mais que o esperado.

O que esperar do Enem?

Como fica a qualidade da Educação pública com a transição municipal?

Imagine que um dia, ao levantar, todas as suas experiências e trajetória são completamente apagadas da sua memória.

Como fica a qualidade da Educação pública com a transição municipal?