Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Protocolos de segurança na educação básica

Protocolos de segurança na educação básica

09/09/2020 Dinamara P. Machado

Plano estratégico precisa de uma articulação política, respeitando as diretrizes do Município e/ou Estado.

Protocolos de segurança na educação básica

Quem diria que além de projetos políticos pedagógicos e regimentos escolares, estaríamos, nós pedagogos, em 2020, discutindo e desenvolvendo protocolos de segurança para que os alunos pudessem retornar para suas aulas nesse “novo normal”.

O importante é pensar uma adequação a partir de cada cenário. Podemos nos basear em modelos estrangeiros, porém, não podemos deixar de pensar na realidade das escolas brasileiras e principalmente na disparidade que existe entre a escola privada e a escola pública.

Assim, para elaboração do plano estratégico da volta as aulas necessitamos de vários cuidados, aspectos pontuais como uma conversa com um médico infectologista torna-se essencial para a segurança, respeitando cada nível de ensino atendido.

Por exemplo, a educação infantil que requer cuidados especiais como o uso do álcool em gel que não pode ser manuseado sem uma supervisão de um adulto, podendo ocasionar problemas maiores ainda, como uma queimadura ou uma intoxicação.

O plano estratégico também precisa de uma articulação política, respeitando as diretrizes do Município e/ou Estado. Cabe aqui a constituição de comissão, com a comunidade escolar, para definição e adoção de protocolos próprios, com análise dos dados epidemiológicos da doença e orientações das autoridades sanitárias.

Procedimentos como aferição de temperatura, limpeza e ventilação de ambientes, uso de máscara, disponibilização de álcool gel 70% e respeito às regras de etiqueta respiratória e de distanciamento social, escalonamento do acesso de estudantes a refeitórios e praças de alimentação serão procedimentos do dia-a-dia das instituições escolares.

Segundo o documento divulgado pela UNICEF para embasar o retorno às aulas, estão entre as principais recomendações: evitar atividades que gerem aglomerações, fazer escalas para que os alunos entrem em horários diferentes, evitar atividades que gerem aglomeração nos intervalos e recreio, reduzir tamanhos de turmas, aumentar espaçamento entre alunos, realizar treinamento de todos os funcionários (administrativos, professores, pessoal de limpeza,…) para a implementação de práticas de higiene e distanciamento físico, dar treinamento específico para equipes de limpeza, de modo a realizar a desinfecção dos ambientes, sempre usando equipamento de proteção individual (EPI), aumentar a intensidade e frequência da limpeza, melhorar as práticas de tratamento de resíduos, monitorar a saúde de funcionários e alunos.

Além de fornecer orientações claras sobre como proceder em caso de alguém apresentar sintomas, criar espaço para a separação temporária dessas pessoas, sem fazer qualquer tipo de estigma, fornecer orientações claras de quem não deve ir à escola, entre alunos e staff (grupos de risco), dar ênfase à lavagem das mãos e à etiqueta respiratória (cobrir a boca e o nariz ao espirrar com lenço de papel, descartando-o em seguida no lixo.

Aguardar ou fazer parte das comissões de discussão para o retorno dos estudantes aos bancos escolares físicos é uma possibilidade que transita entre tomar partido, ou apenas, depois fazer parte daqueles que culpabilizam outras pessoas.

De toda forma, temos que ter consciência que qualquer medida – retornar ou permanecer – tem prejuízos e benefícios. Os protocolos de segurança precisam pensar a escola como espaço social de convivência, em que os professores e os estudantes estão no pelotão de frente e são os primeiros que sofrem as consequências. Como os soldados em períodos de guerra que seguem todas as etapas do plano estratégico do comandante, mas sem inocência reconhecem que alguns podem ficar à margem.

Escola não é laboratório ou depósito de estudante, urge que todos possamos reaprender que a escola conteudista precisa dar espaço para escola de competências.

Autoras:
Dinamara Pereira Machado é doutora em Educação e gestora da Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.
Gisele Cordeiro é doutora em Educação e coordenadora da área de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1



Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Qualidade na educação é um conceito complexo que pode se modificar conforme o contexto, os valores, a cultura e a identidade de cada local.

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

A coleta dos dados foi feita antes da pandemia, entre abril e setembro de 2019.

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

Senai abre inscrições para o Grand Prix de inovação

Desafios terão de ser resolvidos por estudantes.


Brincadeiras para fazer no Dia Mundial da Alfabetização

Para que o processo de alfabetização ocorra, as crianças precisam se conscientizar dos sons das palavras.

Brincadeiras para fazer no Dia Mundial da Alfabetização

Novo modelo de gestão para personalizar o ensino vai além da tecnologia

Precisamos falar de transformação digital. Ou melhor, precisamos traduzir a transformação digital (TD) para sua expressão mais completa e abrangente.

Novo modelo de gestão para personalizar o ensino vai além da tecnologia

O impacto das novas gerações nos modelos escolares

Seja nas instituições de ensino públicas ou privadas, a chegada de uma nova geração às salas de aula afeta os modelos escolares.

O impacto das novas gerações nos modelos escolares

Fundação Dom Cabral e Cotemig concedem bolsas de estudos para jovens de baixa renda

As oportunidades serão para Ensino Médio Técnico e graduação na área tecnológica.


Instituto Ling concede 25 bolsas de estudos para jovens brasileiros

Somente neste ano, a entidade investiu US$ 589 mil para auxiliar jornalistas, advogados, administradores, engenheiros e economistas a estudarem nos Estados Unidos e na Europa.

Instituto Ling concede 25 bolsas de estudos para jovens brasileiros

Técnicas para se concentrar nos estudos ouvindo música

Muitos alunos têm dúvidas se ouvir música durante os estudos pode melhorar o desempenho.

Técnicas para se concentrar nos estudos ouvindo música

Dicas para ajudar os pais na hora de fazer a matrícula dos filhos

Saiba o que considerar na hora de escolher a escola ideal, levando em conta questões como valores, religião, distância e formação dos professores.

Dicas para ajudar os pais na hora de fazer a matrícula dos filhos

Estímulo para o ensino de crianças se baseia no despertar de seu interesse

Um dos grandes desafios dos profissionais que lidam com o ensino infantil também passou a ser responsabilidade dos pais.

Estímulo para o ensino de crianças se baseia no despertar de seu interesse

Ensino híbrido é fundamental para o futuro da educação brasileira

É importante ter em mente que nada substituirá o processo de ensino-aprendizado de forma presencial.

Ensino híbrido é fundamental para o futuro da educação brasileira