Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Protocolos de segurança na educação básica

Protocolos de segurança na educação básica

09/09/2020 Dinamara P. Machado

Plano estratégico precisa de uma articulação política, respeitando as diretrizes do Município e/ou Estado.

Protocolos de segurança na educação básica

Quem diria que além de projetos políticos pedagógicos e regimentos escolares, estaríamos, nós pedagogos, em 2020, discutindo e desenvolvendo protocolos de segurança para que os alunos pudessem retornar para suas aulas nesse “novo normal”.

O importante é pensar uma adequação a partir de cada cenário. Podemos nos basear em modelos estrangeiros, porém, não podemos deixar de pensar na realidade das escolas brasileiras e principalmente na disparidade que existe entre a escola privada e a escola pública.

Assim, para elaboração do plano estratégico da volta as aulas necessitamos de vários cuidados, aspectos pontuais como uma conversa com um médico infectologista torna-se essencial para a segurança, respeitando cada nível de ensino atendido.

Por exemplo, a educação infantil que requer cuidados especiais como o uso do álcool em gel que não pode ser manuseado sem uma supervisão de um adulto, podendo ocasionar problemas maiores ainda, como uma queimadura ou uma intoxicação.

O plano estratégico também precisa de uma articulação política, respeitando as diretrizes do Município e/ou Estado. Cabe aqui a constituição de comissão, com a comunidade escolar, para definição e adoção de protocolos próprios, com análise dos dados epidemiológicos da doença e orientações das autoridades sanitárias.

Procedimentos como aferição de temperatura, limpeza e ventilação de ambientes, uso de máscara, disponibilização de álcool gel 70% e respeito às regras de etiqueta respiratória e de distanciamento social, escalonamento do acesso de estudantes a refeitórios e praças de alimentação serão procedimentos do dia-a-dia das instituições escolares.

Segundo o documento divulgado pela UNICEF para embasar o retorno às aulas, estão entre as principais recomendações: evitar atividades que gerem aglomerações, fazer escalas para que os alunos entrem em horários diferentes, evitar atividades que gerem aglomeração nos intervalos e recreio, reduzir tamanhos de turmas, aumentar espaçamento entre alunos, realizar treinamento de todos os funcionários (administrativos, professores, pessoal de limpeza,…) para a implementação de práticas de higiene e distanciamento físico, dar treinamento específico para equipes de limpeza, de modo a realizar a desinfecção dos ambientes, sempre usando equipamento de proteção individual (EPI), aumentar a intensidade e frequência da limpeza, melhorar as práticas de tratamento de resíduos, monitorar a saúde de funcionários e alunos.

Além de fornecer orientações claras sobre como proceder em caso de alguém apresentar sintomas, criar espaço para a separação temporária dessas pessoas, sem fazer qualquer tipo de estigma, fornecer orientações claras de quem não deve ir à escola, entre alunos e staff (grupos de risco), dar ênfase à lavagem das mãos e à etiqueta respiratória (cobrir a boca e o nariz ao espirrar com lenço de papel, descartando-o em seguida no lixo.

Aguardar ou fazer parte das comissões de discussão para o retorno dos estudantes aos bancos escolares físicos é uma possibilidade que transita entre tomar partido, ou apenas, depois fazer parte daqueles que culpabilizam outras pessoas.

De toda forma, temos que ter consciência que qualquer medida – retornar ou permanecer – tem prejuízos e benefícios. Os protocolos de segurança precisam pensar a escola como espaço social de convivência, em que os professores e os estudantes estão no pelotão de frente e são os primeiros que sofrem as consequências. Como os soldados em períodos de guerra que seguem todas as etapas do plano estratégico do comandante, mas sem inocência reconhecem que alguns podem ficar à margem.

Escola não é laboratório ou depósito de estudante, urge que todos possamos reaprender que a escola conteudista precisa dar espaço para escola de competências.

Autoras:
Dinamara Pereira Machado é doutora em Educação e gestora da Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.
Gisele Cordeiro é doutora em Educação e coordenadora da área de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1



Inep confirma realização do Enem 2022 nos dias 13 e 20 de novembro

Publicação no DOU também traz datas para Revalida, Encceja e Enade.

Inep confirma realização do Enem 2022 nos dias 13 e 20 de novembro

Escola de Negócios libera acessos para curso ‘Transformação Digital para Engenheiros’

Voitto libera 15 mil acessos gratuitos e curso com 12 horas de conteúdo e certificado de conclusão.

Escola de Negócios libera acessos para curso ‘Transformação Digital para Engenheiros’

Universidade Infraero abre inscrições para o Programa ‘Treinar’

Universidade Infraero firma contrato com Secretaria Nacional de Aviação Civil.


Startup de educação realiza curso que incentiva independência nos estudos

A Semana do Filho Estudioso, organizada pela Piva Educacional, ocorre entre os dias 17 e 24 de janeiro com transmissão simultânea para o Brasil e exterior.


Aluna dos meus alunos

Tempo, partilha, generosidade.

Aluna dos meus alunos

Um debate sobre a valorização dos educadores

Quando falamos da importância da valorização dos profissionais da educação, diversos fatores devem ser considerados.

Um debate sobre a valorização dos educadores

Curso gratuito de programação vai capacitar 50 mil mulheres

Iniciativa criada pela escola de programação Kenzie Academy e a startup DUPLA quer reduzir a desigualdade de gênero na área de tecnologia.


4 pilares do processo de aprendizagem para 2022

Especialista aponta os principais pontos para promover ambientes dinâmicos e que estimulem o acesso ao conhecimento.

4 pilares do processo de aprendizagem para 2022

Diploma Digital deve ser adotado por todas instituições de ensino superior do Brasil

Medida trará mais eficiência, segurança e proporcionará redução de custos às instituições.

Diploma Digital deve ser adotado por todas instituições de ensino superior do Brasil

Seu filho já sabe programar? Se não, comece a prepará-lo para o futuro

Acesso ao aprendizado da linguagem de programação amplia a criatividade, pensamento crítico e matemático, além da capacidade de resolução de problemas.

Seu filho já sabe programar? Se não, comece a prepará-lo para o futuro

2021, o ano que (enfim) terminou

Faz praticamente dois anos que vivemos quase o dia da marmota, como no filme O Feitiço do Tempo.

2021, o ano que (enfim) terminou

UFMG tem 76 vagas de graduação para refugiados e apátridas

Para se candidatar é necessário ter feito o Enem entre 2017 e 2021.

UFMG tem 76 vagas de graduação para refugiados e apátridas