Portal O Debate
Grupo WhatsApp


No setor de energia, enquanto há reservas há esperança

No setor de energia, enquanto há reservas há esperança

20/06/2016 Alberto Machado Neto

Nossas de reservas de óleo e gás nos colocam em posição de destaque em termos internacionais.

O setor de energia, envolvendo petróleo e gás, geração de energia elétrica e fontes alternativas, como eólica, solar e biomassa, representa um importante potencial como indutor do desenvolvimento nacional, pois movimenta extensa cadeia de valor.

Para desenvolvê-lo, o Brasil precisa de uma verdadeira política industrial que estimule e promova o desenvolvimento nacional a partir da demanda gerada pelo setor de energia, ou seja, o uso inteligente do “Poder de Compra do Estado”, que nada tem a ver com protecionismo, mas sim com medidas para dotar o País de um sólido, eficiente, competitivo e sustentável parque industrial.

O setor de P&G no Brasil está em meio a uma crise sem precedentes: a expressiva redução do preço internacional do barril do petróleo, apesar da recuperação nos últimos dias, é um fator que reduz o faturamento das empresas e, em consequência, seus investimentos e a crise política e econômica que se abate sobre o país não possibilita refúgio em outros segmentos, afinal todos vão mal.

O crédito está difícil e caro, faltam garantias e, mesmo que, por ventura, haja vontade política para a implantação de uma política industrial consistente, há pouca ou nenhuma margem para incentivos creditícios e fiscais, pois a prioridade do governo atual é a recuperação do equilíbrio fiscal que passa por medidas restritivas ao crédito e aos investimentos.

A saída para esse cenário começa pela recuperação da “credibilidade”, seja de princípios, de competência, de objetivos, de ideologia ou mesmo de expectativa de encaminhamento de soluções viáveis e passíveis de resultados sinalizados no curto prazo.

A retomada do crescimento da indústria petrolífera nacional passa pela solução dos problemas internos de sua principal locomotiva, a Petrobras, de modo a viabilizar a retomada de seus planos de investimento, não tão vultosos como os anteriores à crise, mas minimamente confiáveis.

Urge recuperar a confiança de, pelo menos, quatro atores: os acionistas, para aportarem recursos via capital de risco quando necessário; os financiadores, para a disponibilizarem novos créditos ou para negociarem a dívida existente; os empregados, para que retomem sua capacidade de gestão e, principalmente, de decisão e, finalmente, de toda a cadeia de valor formada pelos fornecedores de bens e serviços, para que invistam e desenvolvam as tecnologias necessárias.

Dentre as razões que sinalizam esperanças de um futuro promissor, três têm que ser levadas em conta: ainda existem muitas áreas a explorar, nos próximos 40 anos o petróleo ainda deve ser razoavelmente importante na matriz energética e como matéria prima e o Brasil conta com reservas significativas, entre as maiores do mundo.

O estrago ocasionado pelo escândalo envolvendo a Petrobras foi importante, mas não foi o único culpado pela situação atual em que se encontra o País. A ele devem ser acrescentados, entre outros: no âmbito interno, o aparelhamento do setor que priorizou indicações políticas em detrimento da competência técnica, o uso de empresas estatais como instrumento de política econômica congelando artificialmente os preços no mercado interno, a suspensão dos leilões de blocos exploratórios e a exigência de ter a Petrobras como operador único nos campos do pré-sal e, no âmbito externo, a queda do preço do petróleo e das demais commodities e a desaceleração do crescimento dos principais países demandantes.

Os preços tendem a buscar um equilíbrio no médio prazo. Dificilmente teremos o petróleo na faixa dos USD 100 nesta década, mas também dificilmente ficará por muito tempo no patamar atual, tendendo a se aproximar dos USD 70 nos próximos dois ou três anos e o cenário de preço baixo leva à busca pela redução de custos, melhorando a atratividade de novos investimentos. Nossas de reservas de óleo e gás nos colocam em posição de destaque em termos internacionais.

Como o ditado que diz “enquanto há vida, há esperança”, podemos dizer que “enquanto há reservas há esperança”, só que não temos muito tempo para monetizá-las, pois não é possível garantir por muitas décadas a importância econômica que o petróleo tem atualmente.

Dentre os obstáculos a serem vencidos: os investimentos estão praticamente parados e para os poucos investimentos em andamento há ainda o problema da inadimplência e do envolvimento dos principais demandantes em casos de corrupção que estão sendo investigados.

Torna-se necessário que o governo consiga conduzir o setor com uma visão macro envolvendo todas as áreas, principalmente com o entendimento da enorme capacidade de alavancagem que o setor sob a responsabilidade do MME tem da economia nacional, mediante o aproveitamento de suas demandas de bens e serviços em prol do desenvolvimento de nossa indústria, de nossa engenharia e de nossa tecnologia ao invés de simplesmente priorizarem a produção de petróleo ou de outros energéticos.

A solução passa ainda por reconquistar a confiança, a credibilidade e sinalizar claramente os planos futuros, adotando medidas que tornem toda a cadeia de valor do setor de petróleo e gás sustentável e competitiva em termos internacionais.

Por último, cabe destacar que, até o momento, nunca frutificaram medidas que objetivassem o crescimento homogêneo de toda a cadeia de valor. As que foram adotadas até o presente momento, como o Repetro, a exigência de índices mínimos de Conteúdo Local, o Fundo de Marinha Mercante, entre outras, ficaram limitadas, apenas, aos dois primeiros elos da referida cadeia. Isso tem que mudar.

* Alberto Machado Neto é diretor de Petróleo, Gás, Bionergia e Petroquímica da ABIMAQ e professor da Fundação Getúlio Vargas – FGV.



Carga de energia do Brasil fica 5% abaixo do previsto

De acordo com a ONS, retração deve crescer esta semana

Carga de energia do Brasil fica 5% abaixo do previsto

Investimentos de consumidores residenciais em energia solar ultrapassam R$ 5,1 bilhões

Segundo a ABSOLAR as residências respondem por 72,6% de todos os sistemas de geração distribuída solar fotovoltaica do País.

Investimentos de consumidores residenciais em energia solar ultrapassam R$ 5,1 bilhões

Energia fotovoltaica no setor rural ultrapassa R$ 1,2 bilhão em investimentos

Segundo a ABSOLAR, produtores rurais representam 8,6% da potência instalada na geração distribuída solar fotovoltaica

Energia fotovoltaica no setor rural ultrapassa R$ 1,2 bilhão em investimentos

Banco do Brasil inaugura primeira usina própria de energia solar

Empreendimento abastecerá 100 agências de Minas Gerais.

Banco do Brasil inaugura primeira usina própria de energia solar

Brasil atinge 200 mil instalações de energia solar distribuída

Estrutura corresponde a um total de 2,3 gigawatts (GW) de capacidade instalada.

Brasil atinge 200 mil instalações de energia solar distribuída

Petrobras bate recorde de exportação de combustível

Estatal exportou 238 mil barris de óleos combustíveis por dia.

Petrobras bate recorde de exportação de combustível

Parceria entre Cemig e Sesi inaugura espaço dedicado à história da energia

Sesi Museu de Artes e Ofícios reúne passado, presente e futuro da eletricidade.

Parceria entre Cemig e Sesi inaugura espaço dedicado à história da energia

Integradoras de energia solar crescem 356% em 2 anos

A pesquisa da Greener foi realizada entre 19 de dezembro de 2019 e 27 de janeiro de 2020.

Integradoras de energia solar crescem 356% em 2 anos

Produção brasileira de óleo e gás supera 4 milhões de barris por dia

Dados são de janeiro e foram divulgados pela ANP.

Produção brasileira de óleo e gás supera 4 milhões de barris por dia

Energia acumulada por Itaipu abasteceria o mundo por 43 dias

Foram gerados 2,7 bilhões de megawatts-hora (MWh) ao longo de 35 anos.

Energia acumulada por Itaipu abasteceria o mundo por 43 dias

Serpentinas e confetes podem causar acidentes com a rede elétrica

Artefatos metálicos podem causar acidentes se forem arremessados à rede elétrica.

Serpentinas e confetes podem causar acidentes com a rede elétrica

Petrobras inicia venda de usinas eólicas

A presente divulgação está de acordo com as diretrizes para desinvestimentos da Petrobras.

Petrobras inicia venda de usinas eólicas