Portal O Debate
Grupo WhatsApp

16 anos da Lei Maria da Penha, já é possível enxergar a ponta do iceberg

16 anos da Lei Maria da Penha, já é possível enxergar a ponta do iceberg

23/08/2022 Jennifer Manfrin

É difícil fugir à sensação de que os casos de violência doméstica vêm aumentando de forma desenfreada nos últimos anos e que isso se deve à ineficácia da Lei Maria da Penha.

Basta ligar a TV, sintonizar em uma estação de rádio, ou mesmo abrir algum portal da internet que você, certamente, vai se deparar com um caso paradigmático envolvendo uma mulher que foi brutalmente assassinada pelo seu namorado, marido ou parceiro, após decidir pôr um fim ao relacionamento.

No mesmo ritmo, acumulam-se comentários irresignados de diversos “especialistas da internet” que tentam diminuir a importância e os méritos da Lei, que em agosto completou 16 anos de existência.

Alguns dizem: “Ele agrediu a esposa e no outro dia estava solto”; outros dirão: “mas as penas são muito leves!”, ou ainda: “16 anos de existência, e os casos só aumentam”.

De fato, é muito difícil não se indignar com situações como essas, todavia, é importante entender que a Lei Maria da Penha não determina se alguém ficará preso ou não, pois esse dever cabe ao Código de Processo Penal.

Ela também não possui informações sobre as penas às quais alguém será condenado por determinado ato ilícito, pois essa função cabe ao Código Penal, e, por fim, nenhuma lei no mundo, independente do seu tempo de vigência, tem a capacidade de impedir o cometimento de crimes, se assim fosse, só conheceríamos o homicídio a partir da história, ou estória, envolvendo Caim e Abel.

Assim, a relevância da Lei Maria da Penha não está atrelada às penas ou procedimentos, mas sim às normas que visam a proteção da mulher vítima de violência, bem como regras sobre assistência, atendimento por equipe multidisciplinar, e as famosas medidas protetivas, que já evitaram que diversos casos de violência se desdobrassem em situações mais graves, como homicídios.

Note, portanto, que o real mérito da Lei está exatamente no que mais tem causado incômodo em relação a ela, que é o aumento dos casos notificados.

Segundo levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), no ano de 2021, a cada minuto uma pessoa ligou para o 190, noticiando uma agressão decorrente de violência doméstica.

De outro giro, é relevante notar que a violência doméstica não é um problema exclusivo do Brasil. Ela parte de uma cultura machista que se desenvolveu de maneira forte em todo o mundo.

Segundo o Estudo Global sobre Homicídios 2013, realizado pelo Escritório sobre Drogas e Crimes das Nações Unidas, enquanto na maior parte do mundo as vítimas de homicídio são homens, no Japão, país de primeiro mundo e uma das maiores economias globais, esse lugar é ocupado pelas mulheres, cujos homicídios superam 50% de todos os casos.

Portanto, embora a Lei mereça adequações, indubitável que ela deu segurança para a notificação dos casos, não possuindo relação com o seu aumento real.

Na verdade, utilizando uma analogia, podemos dizer que ela fez com que “a maré baixasse”, e assim, fosse possível ver a pontinha de um iceberg gigantesco, que existe há muitos anos.

Esse é o maior mérito da Lei Maria da Penha: difundir o conhecimento e dar segurança para que as vítimas denunciem a violência sofrida.

Diferente do que muitos pensam, a lei funciona muito bem com o intuito de prevenir que situações mais graves aconteçam.

Em anos trabalhando na assessoria de magistrados no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, foram raros os casos em que, após a concessão de uma medida protetiva, a situação se desdobrou para algo pior.

Portanto, os casos de descumprimento de medidas protetivas são tristes e revoltantes exceções, que não podem servir para desestimular a apresentação de queixas sob o argumento de que “a lei não funciona”.

A verdade é que a real diminuição dos casos de violência doméstica passará por uma mudança cultural na nossa sociedade.

E podemos dizer que, por aqui, o primeiro passo foi dado em 2006, com a entrada em vigor da Lei Maria da Penha.

* Jennifer Manfrin é advogada, especialista em Direito Aplicado e professora nos Cursos de Pós-graduação em Direito na Uninter.

Para mais informações sobre Lei Maria da Penha clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: NQM Comunicação



Troco flores por respeito

No Dia Internacional das Mulheres uma profusão de flores é entregue por todos os lados.

Autor: Jéssica Chagas 

Troco flores por respeito

5 dicas para encontrar o seu caminho e alavancar a sua carreira

Lideranças femininas estão cada vez mais presentes no cotidiano das empresas.

Autor: Mayra Cardozo

5 dicas para encontrar o seu caminho e alavancar a sua carreira

Empresas unem forças para criar produtos de alimentação e beleza

Em uma iniciativa pioneira em prol da equidade na apicultura, a Bee2be anunciou parcerias estratégicas com empresas lideradas por mulheres.

Autor: Divulgação

Empresas unem forças para criar produtos de alimentação e beleza

59% das mulheres empreendedoras faturam até R$2.500 por mês

Pesquisa revela ainda que 17% faturam até R$ 5 mil, 98% das empreendedoras são das classes D e E e 82% são mulheres negras.

Autor: Divulgação

59% das mulheres empreendedoras faturam até R$2.500 por mês

Sula Miranda apresenta plataforma de compra e venda de caminhões

A Quero Truck planeja expandir sua atuação para incluir serviços, peças, insumos e atividades financeiras no futuro.

Autor: Frota News

Sula Miranda apresenta plataforma de compra e venda de caminhões

Estão abertas as inscrições para a Feira Mulheres de Minas

Interessadas têm até o próximo dia 19 para manifestar desejo de participar do evento, que integra o Sempre Vivas 2024.

Autor: Divulgação


Empreendedoras: dicas para evitar cansaço mental

Um dos desafios mais comuns enfrentados pelas mulheres empreendedoras é a dificuldade em estabelecer limites claros entre trabalho e vida pessoal.

Autor: Carla D’Elia

Empreendedoras: dicas para evitar cansaço mental

Eduardo Costa lança App de mobilidade urbana exclusivo para mulheres

O RepMov Mulher, uma opção dedicada à segurança e liberdade de escolha, tanto para passageiras, quanto para motoristas.

Autor: Divulgação

Eduardo Costa lança App de mobilidade urbana exclusivo para mulheres

Novos critérios de igualdade salarial entre homens e mulheres

Apesar dos significativos avanços no mercado de trabalho percebidos nos últimos anos, o IBGE ainda aponta disparidades na remuneração das mulheres.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 

Novos critérios de igualdade salarial entre homens e mulheres

3 iniciativas que impulsionam a participação feminina na tecnologia

Apesar de avanço, gap de gênero no setor de tecnologia ainda é considerável; presença feminina representa apenas 23%.

Autor: Divulgação

3 iniciativas que impulsionam a participação feminina na tecnologia

Como criar soluções para o público feminino e gerar resultados positivos?

O mercado de trabalho e o mundo como um todo está em constante transformação.

Autor: Carolina Gilberti

Como criar soluções para o público feminino e gerar resultados positivos?

Mulher negra e os desafios no mercado de trabalho

A representatividade das mulheres no mercado de trabalho é uma questão cada vez mais presente na agenda de diversidade das empresas.

Autor: Claudia Perazio

Mulher negra e os desafios no mercado de trabalho