Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

28/11/2020 Marcelo Abreu Ducroquet

Os insumos necessários precisarão ser produzidos em uma escala inédita.

A corrida para a vacina: quando os riscos valem a pena?

Há uma corrida mundial para o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19, na qual os competidores são a Rússia, os EUA, a China e o Reino Unido. 

A China aposta em uma vacina composta de fragmentos de vírus, método bastante conhecido, que tem como ponto forte a existência de décadas de experiência e, como desvantagem, a necessidade de produzir o vírus vivo em laboratórios de segurança máxima e em quantidades colossais. Nunca tivemos que produzir tantas vacinas em tão pouco tempo. Os insumos necessários precisarão ser produzidos em uma escala inédita, os recursos humanos necessários precisarão ser recrutados e treinados, instalações precisarão ser construídas. Rússia, EUA e Reino Unido têm outra estratégia: apostam na introdução de material genético com a receita das proteínas virais no corpo humano e as fábricas celulares se encarregam de produzir a vacina. É como se uma confeitaria muito atarefada parasse de vender bolos aos clientes e passasse a mandar cópias das receitas para que cada um fizesse seu próprio bolo em casa. A vantagem é que a produção e distribuição são rápidas. A desvantagem é que isso nunca foi feito nessas condições e nessa escala: estamos em território desconhecido.

Além das questões de escala, temos a questão do prazo. A vacina contra a caxumba foi a de desenvolvimento mais rápido até hoje. O médico americano Maurice Hilleman liderou a pesquisa, que começou em 1963 e terminou em 1967. Era outra doença, outra época, outros recursos e uma ética de pesquisa diferente da atual. Hoje, nos propomos a desenvolver a vacina contra o coronavírus em menos de um ano. O que pode dar errado? Menos tempo significa queimar algumas etapas. Por exemplo: a vacina seria eficaz por dois anos? Não podemos responder essa pergunta acompanhando pacientes por apenas um ano. Se houver efeitos colaterais tardios também não saberemos até que os pacientes tenham sido acompanhados por um período razoável de tempo. Imagine que a vacina cause problemas sérios em 1 em cada 10.000 pessoas. É pouco, pouquíssimo até. Mas se a intenção é vacinar um bilhão de pessoas, 100.000 sofreriam desses efeitos colaterais.

Em 1976 houve um surto de influenza em um quartel na Filadélfia, conhecido como Fort Dix. Um soldado morreu e 200 ficaram gravemente doentes. O presidente dos EUA, na época, iniciou uma campanha de vacinação em massa que atingiu 40 milhões de pessoas. Nos meses seguintes, 94 desenvolveram uma doença que afeta os nervos e leva à paralisia. Essa doença é chamada de síndrome de Guillain Barré e está relacionada à vacina: os casos em vacinados foram 4 vezes mais frequentes do que na população geral. Alguns casos seriam aceitáveis se a vacina tivesse salvado milhares de vidas. Não foi o que aconteceu: naquele ano, a quarentena foi muito eficiente e o vírus nunca saiu do quartel. Não houve casos além dos 200 iniciais. Foi um vexame histórico que abala a confiança dos americanos nas vacinas até hoje: os americanos têm percentuais de cobertura vacinal muito inferiores aos obtidos no Brasil e em países europeus.

Se em 1976 o vírus ficou preso no quartel, hoje vivemos o oposto. Até outubro de 2020, o novo coronavírus já atingiu 40 milhões de pessoas no mundo inteiro, matando 1 milhão delas. Os 90 casos de paralisia seriam um pequeno preço a se pagar no contexto atual. Acompanhe essa analogia: os acidentes de trânsito matam 1 milhão de pessoas ao ano no mundo todo. Sabemos que a direção imprudente e a alta velocidade aumentam o risco de acidentes e, por isso, dirigir a 100 quilômetros por hora furando sinais vermelhos é proibido. Mas quando uma pessoa sofre um infarto, uma ambulância vem para transportar esse paciente ao hospital, ela trafega em alta velocidade e desrespeita todas as leis de trânsito. Fazem isso porque o risco aumentado de acidentes no trajeto é compensado pelo benefício de chegar antes ao hospital. A imprudência é permitida pelo benefício que pode trazer. Em 2020, somos todos nós nessa ambulância. Sabemos que correr com vacina tem riscos, mas precisamos chegar rápido ao hospital. 

* Marcelo Abreu Ducroquet, é infectologista e professor do curso de Medicina da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Cigarro: eletrônico ou “analógico”, é preciso se livrar dele!

Médicos do Hospital Paulista alertam para as diferentes formas de consumo da nicotina, todas prejudiciais à saúde.

Autor: Divulgação

Cigarro: eletrônico ou “analógico”, é preciso se livrar dele!

Quer envelhecer vivendo mais e melhor?

Então cuide agora da sua pressão arterial.

Autor: Felipe Vecchi

Quer envelhecer vivendo mais e melhor?

Glaucoma atinge milhões de pessoas no país e pode causar a perda de visão

Campanha Maio Verde visa estimular a conscientização sobre o diagnóstico precoce da doença, que tem progressão lenta e assintomática.

Autor: Divulgação

Glaucoma atinge milhões de pessoas no país e pode causar a perda de visão

Desconforto no joelho sem causa aparente?

Problema pode estar no quadril, alerta especialista.

Autor: Divulgação

Desconforto no joelho sem causa aparente?

Transplante capilar: cada paciente é de um jeito

Realizar o transplante capilar é um sonho para muitas pessoas com calvície ou com outros problemas que resultam na queda de cabelo.

Autor: ‌Melina Oliveira

Transplante capilar: cada paciente é de um jeito

O que o seu “catarro” quer dizer?

Especialista explica as principais doenças que podem causar a secreção na garganta e como tratar.

Autor: Divulgação

O que o seu “catarro” quer dizer?

Prevenção cardiovascular: quanto mais cedo melhor!

Em artigo, cardiologista da Unimed Araxá explica a importância de modificar fatores que originam as doenças.

Autor: Dr. Flávio Paes

Prevenção cardiovascular: quanto mais cedo melhor!

O tempo seco e as alergias

Com uma nova onda de calor chegando aliada ao tempo seco, comum nesta época do ano, as alergias respiratórias ganham força.

Autor: Divulgação

O tempo seco e as alergias

Sono ruim aumenta risco de glaucoma em até 20%, diz estudo

Ronco e sonecas durante o dia também aumentam chance de ter um glaucoma.

Autor: Divulgação

Sono ruim aumenta risco de glaucoma em até 20%, diz estudo

O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Dr. Ricardo Kores, médico infectologista do HC-UFU responde às principais dúvidas.

Autor: Divulgação

O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

Neuropediatra e membro do Conselho Científico da ONG Prematuridade.com explica a questão.

Autor: Divulgação

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica

49,5% dos profissionais processados por erros médicos não tinham certificados em cirurgia plástica.

Autor: Divulgação

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica