Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Entenda por que obesos estão no grupo de risco

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

22/05/2020 Divulgação

No Brasil, uma a cada cinco pessoas são obesas.

Entenda por que obesos estão no grupo de risco

O problema torna-se mais preocupante agora, já que pessoas obesas estão no grupo de risco do novo coronavírus

Desde o início da pandemia da Covid 19, o Ministério da Saúde vem alertado que a obesidade deve ser considerada fator de risco, inclusive para jovens e pessoas abaixo de 60 anos. Segundo o órgão, 57% dos mortos abaixo da idade de risco (60 anos) tinham excesso de peso.

Considerando a alta incidência do problema, os números preocupam os especialistas para um possível aumento de infectados e óbitos devido à obesidade. Em uma entrevista recente, o presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Adauto Versiani, afirmou que 20% dos brasileiros são obesos, 55% estão acima do peso e, desses, 21% são mulheres.

Por que os obesos estão no grupo de risco Covid-19?

Uma pesquisa divulgada em abril pela Imperial College, de Londres, aponta que pessoas obesas têm menos chances de sobreviver aos diagnósticos graves da Covid-19. No estudo, pessoas com IMC acima de 30 correspondem a maioria das mortes em hospitais do Reino Unido. Para os pesquisadores, as mortes podem estar ligadas à capacidade reduzida da função pulmonar e de inflamações no tecido adiposo.

A especialista em obesidade adulta e infantil, Edivana Poltronieri, explica porque a obesidade pode ser um facilitador para o vírus. "A obesidade reduz as ações anti-inflamatórias do organismo e, consequentemente, compromete a eficiência do sistema imunológico da pessoa, deixando-a mais vulnerável ao vírus. Sem contar que a obesidade leva a outros problemas de saúde, como diabetes, hipotireoidismo e pressão alta, doenças que também estão associadas a esta vulnerabilidade", explica.

Na luta contra a obesidade no Brasil

"A obesidade sempre foi um importante risco à saúde e longevidade. Agora, com o coronavírus, isso ficou ainda mais evidente. Alimentação saudável, exercícios físicos e uma rotina que reflita um estilo de vida equilibrado nunca deveriam ser clichês. Infelizmente, criou-se um tabu em cima da alimentação balanceada que se resume em demonização da comida e restrições alimentares absurdas. Esses são fatores que tornaram a rotina saudável um tema polêmico", explica Edivana.

Fonte: bcbiz



Autismo, comorbidades e Covid-19

Muitos pais ficam com dúvidas sobre como o novo coronavírus (COVID-19) pode ser perigoso ou não para quem tem o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).


Pais, acolham seus filhos adolescentes

Eles podem estar sofrendo…


STF reconhece profissão de optometrista

A exemplo do que acontece no exterior, prescrição de lentes de grau não é mais exclusividade de médicos no Brasil.

STF reconhece profissão de optometrista

O home office e a dor nas costas

Muitos não possuem os devidos materiais para evitar dores na hora de fazer o home office.

O home office e a dor nas costas

Psicólogo mineiro lança canal educativo sobre saúde mental

O espaço é dedicado à divulgação de conteúdo de utilidade pública, bem-estar e qualidade de vida.


Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Prática traz sérios problemas para a saúde e não trata adequadamente as doenças.

Pandemia é “sinal amarelo” para risco de automedicação

Pessoas com visão monocular lutam para serem reconhecidas como pessoas com deficiência

Cegueira de um dos olhos chega a reduzir o campo visual em 25%.


Plano de saúde não pode negar tratamento prescrito por médico e deve cobrir teste de Covid

Os planos de saúde limitam, de forma significativa, o tratamento a ser aplicado ao paciente.


Pico de bronquiolite deve ocorrer no segundo semestre

A pandemia mudou radicalmente o perfil das internações infantis neste ano.


Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

O diagnóstico e o início precoces do tratamento da hipertensão arterial são fatores essenciais para o controle da doença.

Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

A telemedicina é um modo de exercer a medicina em que o contato acontece por meios digitais, via voz e vídeo.

Orientação médica à distância requer cautela nos procedimentos

Diferencie fome emocional da fome física

Durante a pandemia do novo coronavírus, muitos de nós ficamos mais ansiosos com medo do futuro e com a sensação de que todos os dias parecem iguais.