Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estresse, ansiedade, depressão e a pandemia

Estresse, ansiedade, depressão e a pandemia

03/06/2020 Marina Franco

Na ansiedade causada por doença, o indivíduo está sempre preocupado de ter ou adquirir alguma doença.

Estresse, ansiedade, depressão e a pandemia

Um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio (UERJ) mostrou que os casos de ansiedade e estresse mais do que dobraram e os de depressão tiveram um crescimento de 90% durante a pandemia. Com esses dados, vemos que os transtornos mentais estão aumentando e que, mesmo após a pandemia, os números devem continuar crescendo.

Na ansiedade causada por doença, o indivíduo está sempre preocupado de ter ou adquirir alguma doença. Alguns sintomas envolvem a “hiper vigilância”, podendo acompanhar falta de ar, palpitação, agitação entre outros. Na depressão, os sintomas são uma sensação de tristeza, autodesvalorização e sentimento de culpa. O estresse agudo ocorre juntamente com reações emocionais, fisiológicas e mudanças de pensamento, em razão da vivência de um trauma. Os sintomas são as lembranças angustiantes e recorrentes do trauma, sofrimento, evitação de qualquer situação que relembre o trauma, crenças negativas sobre si e sobre o mundo entre outros.

Para amenizar ambos transtornos, há algumas técnicas de redução de ansiedade que podem ajudar, como, por exemplo, a meditação, exercícios de respiração, exercícios físicos e o próprio contato social para expor os sentimentos e falar sobre isso. Em casos mais graves, são necessários o atendimento e o acompanhamento psicológico.

Com a pandemia, o isolamento social e o aumento das incertezas são alguns fatores que consideramos de 'risco' para o surgimento de alguns problemas mentais. As pessoas que já possuíam algum transtorno de ansiedade ou depressão estão mais vulneráveis em relação às pessoas que não tinham essas questões de ordem mental, anteriormente. Também são vulneráveis aqueles que já tinham baixa autoestima, crença de incapacidade e que não viam mais sentido na vida, e que ainda estão sozinhas durante esse período, sem poder ver os amigos. Essas pessoas ficam sem saber o que vai ou pode acontecer com elas.

De acordo com algumas pesquisas, as mulheres podem ser, sim, mais vulneráveis aos transtornos ligados ao estresse. Isso acontece até por conta da questão hormonal, que influencia no humor. Mas também não devemos esquecer que tem a questão da cobrança. Até hoje a sociedade cobra muito o 'papel' da mulher, a imagem dela. E com a pandemia, ela fica sobrecarregada com o acúmulo de papeis.

Anteriormente, a cobrança vinha da parte sexual. Hoje, ela é cobrada para ser a mãe perfeita, tem que dar conta do trabalho de maneira impecável e ser boa esposa. Quando ela não atinge as expectativas sobre alguns desses papeis, ela acaba se sentindo frustrada, ansiosa e culpada.

Quando vivenciamos uma situação, como a pandemia, em que a nossa possibilidade de controle é inexistente, e que tem a morte como possibilidade real, isso pode ser um evento traumático. Com isso, a quantidade de pessoas com doenças mentais pode aumentar.  Essa pandemia, repleta de incertezas, pode ser um desencadeador de outros transtornos mentais. Por isso, é preciso procurar ajuda o quanto antes, para que o impacto não seja tão comprometedor no futuro.

* Marina Franco é psicóloga formada pela Universidade Federal de Sergipe; Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pelo CTC VEDA em São Paulo; Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP; realiza atendimento presencial e online. Tem experiência no atendimento com adolescentes e adultos.

Fonte: Drumond Assessoria de Comunicação



Principais vacinas e reações em bebês

A vacinação infantil protege de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos.

Principais vacinas e reações em bebês

Campanha Nacional de Vacinação foca em poliomielite e multivacinação

Cerca de 40 mil salas de vacinação em todo o país começaram a aplicar os imunizantes. A campanha terminará em 9 de setembro.

Campanha Nacional de Vacinação foca em poliomielite e multivacinação

Sinusites e conjuntivites do inverno aumentam risco da celulite ocular em crianças

Os principais sintomas da celulite periorbital e orbital são vermelhidão e inchaço nas pálpebras.

Sinusites e conjuntivites do inverno aumentam risco da celulite ocular em crianças

Transtornos alimentares: conheça as diferenças de cada tipo e os sintomas

Os transtornos alimentares podem trazer consequências sérias para a saúde.

Transtornos alimentares: conheça as diferenças de cada tipo e os sintomas

Mito ou verdade: seguro de vida é usado somente em morte

O seguro de vida oferece diversas coberturas para serem utilizadas em vida.

Mito ou verdade: seguro de vida é usado somente em morte

O perigo dos cigarros eletrônicos para os adolescentes e jovens

Um pequeno dispositivo que cabe no bolso e que surgiu com a promessa de ser menos prejudicial que o cigarro normal e ainda ajuda a parar de fumar.

O perigo dos cigarros eletrônicos para os adolescentes e jovens

ANVISA aprova novos produtos de canabidiol no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou pela primeira vez dois produtos medicinais com teor de THC acima de 0,2%.

ANVISA aprova novos produtos de canabidiol no Brasil

Cuidados ao longo do dia melhoram aparência da pele e previnem doenças

Os diferentes tipos de pele e os cuidados que devem ser tomados em cada período do dia.

Cuidados ao longo do dia melhoram aparência da pele e previnem doenças

Rosácea aumenta risco de inflamação crônica nas pálpebras e olho seco

Doença afeta cerca de 5% da população e em 20% dos casos há manifestações oculares.

Rosácea aumenta risco de inflamação crônica nas pálpebras e olho seco

Benefícios da osteopatia na gravidez

Todo o processo focará na extinção e prevenção de qualquer tipo de dores e inflamações oriundas das alterações corporais.

Benefícios da osteopatia na gravidez

Entorse de tornozelo pode evoluir para lesões mais severas quando não tratado

Até um terço dos pacientes podem sentir dor depois de 12 meses da lesão.

Entorse de tornozelo pode evoluir para lesões mais severas quando não tratado

Diabetes aumenta em 35% o risco de desenvolver um glaucoma neovascular

Glaucoma neovascular está ligado ao diabetes e doenças que afetam o sistema vascular.

Diabetes aumenta em 35% o risco de desenvolver um glaucoma neovascular