Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

26/06/2020 Divulgação

O diagnóstico e o início precoces do tratamento da hipertensão arterial são fatores essenciais para o controle da doença.

Hipertensão: a primeira aferição é capaz de diagnosticar o problema?

Segundo o cardiologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, André Levin, a situação deve ser entendida como um alerta importante, mas não como um diagnóstico definitivo de hipertensão. “São várias as causas de elevação da pressão arterial de forma transitória e, por isso, é preciso uma avaliação minuciosa sobre os motivos dessa elevação”, explica.

Para o diagnóstico de hipertensão ser definido é preciso registrar pressão alta em mais de uma oportunidade ou ainda apresentar alguma lesão em um órgão alvo, como coração, rim, cérebro, olhos e sistema vascular. As aferições podem ser feitas de forma manual no consultório médico, pelo paciente ou mesmo em ambulatórios com o aparelho específico chamado MAPA e os resultados devem ser iguais ou superiores a 140x90.

“É importante que o paciente esteja de repouso e em um ambiente tranquilo. O primeiro número obtido na aferição - mais elevado – determina a pressão sistólica, que diz respeito à fase de contração do coração. O segundo número aponta a pressão diastólica, que é verificada na fase de relaxamento do órgão. As duas referências são igualmente importantes. E o quadro de hipertensão é definido quando uma ou ambas estão elevadas em mais de uma aferição”, reforça o médico. 

Com a confirmação do quadro, a enfermidade deve ser tratada de forma contínua para que se evite complicação à saúde. Segundo Levin, nessa etapa o olhar sob o paciente deve ser multifatorial. “O paciente deve mudar hábitos de vida, inserir na rotina a prática de atividade física, a reeducação alimentar e a perda de peso”. Além disso, o cardiologista lembra que o uso de medicamentos é determinado nessa etapa. “Eles podem variar conforme as características do paciente e os níveis de pressão arterial no início do diagnóstico”, complementa.

Fonte: TREE Comunicação



Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Amamentação reduz mortalidade infantil e risco de câncer de mama.

Ministério da Saúde lança campanha de amamentação

Seminário internacional sobre autismo aborda ética no tratamento

No dia 22 de agosto, acontece o XVIII Seminário Internacional do Instituto LAHMIEI - Autismo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).


Como saber se tenho bruxismo?

Dor na mandíbula e cabeça ao acordar são sintomas comuns.

Como saber se tenho bruxismo?

As novas maneiras de olhar e cuidar da saúde física e mental

Muito tem se falado sobre o impacto da pandemia e do distanciamento social na vida das pessoas.


Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Pesquisa feita pela UFPel diz respeito às consultas odontológicas na rede pública.

Consultas odontológicas diminuem 80% durante a pandemia

Aspectos emocionais do câncer

O câncer coloca a pessoa em situação limite, pois carrega o estigma da morte e do sofrimento.


Vacinas: destrinchando as fases da produção

A história do processo de produção das vacinas remonta aos trabalhos realizados pelo naturalista e médico inglês Edward Jenner, no final do século XVIII.

Vacinas: destrinchando as fases da produção

Lançado e-book com rotina de médicos em UTIs na pandemia

Prosas, versos e muita emoção mostram a nova realidade dos profissionais.


Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Cansaço, fadiga e estresse no trabalho podem ser mais sérios do que se imagina

Síndrome de Burnout deve atingir diversos profissionais pós-pandemia

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

O setor de saúde deverá se reinventar, assim como vários setores da economia.

Qual é o plano futuro para o setor de saúde depois da pandemia?

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Pessoas de 20 a 49 anos poderão se vacinar até o dia 31 de agosto, em todo o país.

Baixa adesão faz Ministério da Saúde ampliar campanha contra sarampo

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura

Queixar-se da piora das dores em dias frios está longe de ser um drama ou frescura.

Dores no inverno: como amenizar o quadro em tempos de menor temperatura