Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O amor vence os desafios do transtorno de déficit de atenção

O amor vence os desafios do transtorno de déficit de atenção

22/03/2019 Margarete A. Chinaglia

É preciso aceitar, contar para família, escola e amigos.

As famílias que convivem com os portadores do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) percorrem um labirinto com muitas entradas e becos escuros até encontrar a luz no fim do túnel. O início é marcado quase sempre por uma fase cheia de interrogações e os caminhos são tortuosos até a evolução para a saída.

A pura e simples distração da minha filha como também o chamar e não ser atendida da primeira vez eram situações que me deixavam frustradas. Na escola, era comum ela esquecer ou perder os materiais. Ela também era mais lenta que as outras crianças na execução das tarefas ou simplesmente deixava as tarefas pela metade.

A minha primeira reação foi me perguntar se havia algo errado ou não. Mas com o passar do tempo, vi que não era normal. Depois de uma sugestão da escola para realizar uma avaliação psicológica e posterior consulta médica, recebi o resultado final de TDA (Transtorno de Déficit de Atenção). Para o pai e a mãe, a difícil aceitação de que tem algo de errado com o filho (a) e a indignação também fazem parte do processo.

No entanto, temos de seguir em frente. É preciso aceitar, contar para família, escola e amigos. Buscar auxílio médico e estudar bastante para entender sobre como ajudar a criança. Na minha época, havia poucos livros. Hoje, temos mais recursos para pesquisar.

A primeira lição é que o TDA vai muito além das dificuldades na escola com cálculos ou em matérias teóricas. Por exemplo, é comum a criança ficar abalada emocionalmente por conta de bullying. Alguns se sentem excluídos dentro da sala de aula, o que gera baixa autoestima e depressão.

Por isso, o acompanhamento dos pais é fundamental. É importante saber que dia após dia aparecem novas dificuldades. A adolescência também traz novos desafios. Os pais precisam de uma preparação psicológica para dar conta, além de discernimento, conhecimento, perseverança e o mais importante, o amor. O TDA não é fácil. Cada dia é um novo problema. Tem que ter força e fé.

Com a minha filha, precisei fazer o acompanhamento com uma equipe multiprofissional, com médico, psicólogo e psicopedagogo. Em casa, o cuidado era redobrado. Era necessário ajudar a organizar os estudos, fazer constantes lembretes, criar cronogramas, impor rotinas entre outras táticas.

Houve ainda necessidade de uso de medicamento. Também fomos trocando de profissionais e de remédios até acertar o melhor para ela. Por exemplo, a psicóloga pode até ser boa, porém, quando a criança não se adapta, não funciona. Tem que haver uma troca entre paciente e profissional para acontecer a aceitação do tratamento.

Por isso, é tão importante que os pais mostrem paciência com as dificuldades dos filhos. É necessário saber que paciência é uma arte, porque diante de tantas negações e reclamações, a tendência deles é caminhar para a desistência. A vontade de ver o filho vencer derruba qualquer barreira causada pelo cansaço.

Acredite sempre no poder do amor e da insistência. O reconhecimento dos filhos pode até demorar, mas ele vem. Entenda também que a luta contra o transtorno não tem um final. O que há é o entendimento e a aceitação da condição, além da certeza de que a pessoa pode ser feliz e realizar tudo o que quiser.

* Margarete A. Chinaglia é autora do livro “Transtorno do Déficit de Atenção – TDA: sob o ponto de vista de uma mãe”.

Fonte: Drumond Assessoria de Comunicação



Como lidar com os 7 maiores incômodos da puberdade

É por volta dos 11 a 13 anos que a menina passa a ter alterações que mudam o seu corpo para sempre.


Levantamento alerta para consumo de álcool no Brasil

Mais de dois milhões de brasileiros têm traços de dependência.

Levantamento alerta para consumo de álcool no Brasil

Maconha é apontada como a droga mais consumida no Brasil

Levantamento da Fiocruz aponta que 7,7% dos brasileiros usaram maconha pelo menos uma vez.

Maconha é apontada como a droga mais consumida no Brasil

Procedimento redesenha aréolas de mulheres que fizeram cirurgia plástica nas mamas

Através de tatuagem realista, mulheres que fizeram mamoplastia, colocaram silicone e que venceram o câncer podem melhorar a autoestima.

Procedimento redesenha aréolas de mulheres que fizeram cirurgia plástica nas mamas

8 aspectos que todos deveriam saber sobre AUTISMO

Não é nem tão difícil assim entender um autista, quando se consegue compreender o modo como vê o mundo.


Rotina de cuidados com a pele facial antes de dormir

Saiba como cuidar melhor da sua pele antes de dormir e tire suas principais dúvidas sobre o assunto.

Rotina de cuidados com a pele facial antes de dormir

Hábitos mais saudáveis podem evitar ou retardar o aparecimento da demência

Doença que já atinge mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo pode ser evitada com atividade física e reeducação alimentar.

Hábitos mais saudáveis podem evitar ou retardar o aparecimento da demência

O que é TDAH e como diferenciar de impulsividade

Segundo dados da OMS, cerca de 4% da população adulta mundial têm o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – TDAH.


Agosto é o mês de incentivo ao aleitamento materno

Campanha visa sensibilizar a sociedade sobre a importância de todos contribuírem para garantir às mães a prática do aleitamento materno.

Agosto é o mês de incentivo ao aleitamento materno

O que aprender com as melhores instituições de saúde do mundo?

Profissionais especializados, tecnologia de ponta e muito conhecimento científico respaldando o trabalho médico.


Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos

Dados mostram que 12% dos americanos já desenvolveram dependência dos smartphones; psicólogo explica os riscos para a saúde mental.

Uso excessivo do celular pode causar vício e problemas psicológicos

Pesquisadores testam novo tratamento contra leishmaniose

Regiões Nordeste e Centro-Oeste são as mais endêmicas no Brasil.