Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O amor vence os desafios do transtorno de déficit de atenção

O amor vence os desafios do transtorno de déficit de atenção

22/03/2019 Margarete A. Chinaglia

É preciso aceitar, contar para família, escola e amigos.

As famílias que convivem com os portadores do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) percorrem um labirinto com muitas entradas e becos escuros até encontrar a luz no fim do túnel. O início é marcado quase sempre por uma fase cheia de interrogações e os caminhos são tortuosos até a evolução para a saída.

A pura e simples distração da minha filha como também o chamar e não ser atendida da primeira vez eram situações que me deixavam frustradas. Na escola, era comum ela esquecer ou perder os materiais. Ela também era mais lenta que as outras crianças na execução das tarefas ou simplesmente deixava as tarefas pela metade.

A minha primeira reação foi me perguntar se havia algo errado ou não. Mas com o passar do tempo, vi que não era normal. Depois de uma sugestão da escola para realizar uma avaliação psicológica e posterior consulta médica, recebi o resultado final de TDA (Transtorno de Déficit de Atenção). Para o pai e a mãe, a difícil aceitação de que tem algo de errado com o filho (a) e a indignação também fazem parte do processo.

No entanto, temos de seguir em frente. É preciso aceitar, contar para família, escola e amigos. Buscar auxílio médico e estudar bastante para entender sobre como ajudar a criança. Na minha época, havia poucos livros. Hoje, temos mais recursos para pesquisar.

A primeira lição é que o TDA vai muito além das dificuldades na escola com cálculos ou em matérias teóricas. Por exemplo, é comum a criança ficar abalada emocionalmente por conta de bullying. Alguns se sentem excluídos dentro da sala de aula, o que gera baixa autoestima e depressão.

Por isso, o acompanhamento dos pais é fundamental. É importante saber que dia após dia aparecem novas dificuldades. A adolescência também traz novos desafios. Os pais precisam de uma preparação psicológica para dar conta, além de discernimento, conhecimento, perseverança e o mais importante, o amor. O TDA não é fácil. Cada dia é um novo problema. Tem que ter força e fé.

Com a minha filha, precisei fazer o acompanhamento com uma equipe multiprofissional, com médico, psicólogo e psicopedagogo. Em casa, o cuidado era redobrado. Era necessário ajudar a organizar os estudos, fazer constantes lembretes, criar cronogramas, impor rotinas entre outras táticas.

Houve ainda necessidade de uso de medicamento. Também fomos trocando de profissionais e de remédios até acertar o melhor para ela. Por exemplo, a psicóloga pode até ser boa, porém, quando a criança não se adapta, não funciona. Tem que haver uma troca entre paciente e profissional para acontecer a aceitação do tratamento.

Por isso, é tão importante que os pais mostrem paciência com as dificuldades dos filhos. É necessário saber que paciência é uma arte, porque diante de tantas negações e reclamações, a tendência deles é caminhar para a desistência. A vontade de ver o filho vencer derruba qualquer barreira causada pelo cansaço.

Acredite sempre no poder do amor e da insistência. O reconhecimento dos filhos pode até demorar, mas ele vem. Entenda também que a luta contra o transtorno não tem um final. O que há é o entendimento e a aceitação da condição, além da certeza de que a pessoa pode ser feliz e realizar tudo o que quiser.

* Margarete A. Chinaglia é autora do livro “Transtorno do Déficit de Atenção – TDA: sob o ponto de vista de uma mãe”.

Fonte: Drumond Assessoria de Comunicação



O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Dr. Ricardo Kores, médico infectologista do HC-UFU responde às principais dúvidas.

Autor: Divulgação

O que você precisa saber sobre a doença do beijo

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

Neuropediatra e membro do Conselho Científico da ONG Prematuridade.com explica a questão.

Autor: Divulgação

Nascimento prematuro e autismo: Existe relação?

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica

49,5% dos profissionais processados por erros médicos não tinham certificados em cirurgia plástica.

Autor: Divulgação

7 fatos que você precisa saber antes de cogitar uma plástica

Frutose, álcool e café: qual relação com a gordura no fígado?

Endocrinologista responde a dez dúvidas sobre a esteatose hepática.

Autor: Dra. Marília Bortolotto

Frutose, álcool e café: qual relação com a gordura no fígado?

As causas da má saúde causa pressão sobre o setor

A incapacidade de tornar a saúde da população uma prioridade leva a pressões crescentes sobre o sistema de saúde.

Autor: Mara Machado

As causas da má saúde causa pressão sobre o setor

Longevidade: dicas práticas do dia a dia para prevenir osteoporose

Refeições pobres em proteína levam à redução da massa óssea.

Autor: Divulgação

Longevidade: dicas práticas do dia a dia para prevenir osteoporose

Dengue, covid-19 e o saneamento básico à população

O Brasil vive - mais uma vez - um dos seus maiores desafios na área da saúde pública com o aumento da dengue e da COVID-19.

Autor: Francisco Carlo Oliver

Dengue, covid-19 e o saneamento básico à população

Planos de saúde são obrigados a pagar exames de dengue

Os números da dengue continuam disparando no Brasil.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Prótese de silicone: conheça complicações mais recorrentes

Contratura capsular e rompimento da prótese estão entre elas.

Autor: Divulgação

Prótese de silicone: conheça complicações mais recorrentes

Perda da audição na infância, quais seus efeitos?

Como o diagnóstico rápido da perda auditiva pode ajudar no desenvolvimento infantil.

Autor: Divulgação

Perda da audição na infância, quais seus efeitos?

Dores nas costas lideram causas de afastamento do trabalho no Brasil

Para ter o benefício por incapacidade temporária, o primeiro passo é procurar um médico especialista.

Autor: Adriana Belintani

Dores nas costas lideram causas de afastamento do trabalho no Brasil

Projeto de Lei quer disponibilizar adrenalina autoinjetável pelo SUS

A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Saúde; de Finanças e Tributação, de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Autor: Divulgação

Projeto de Lei quer disponibilizar adrenalina autoinjetável pelo SUS