Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Obesidade, sobrepeso e os males sociais

Obesidade, sobrepeso e os males sociais

10/12/2019 Henrique Eloy

A obesidade e o sobrepeso devem ser pensados como problemas de saúde pública e como tal devem ser tratados desde a sua prevenção.

Obesidade, sobrepeso e os males sociais

O relatório The Heavy Burden of Obesity – The Economics of Prevention (O pesado fardo da obesidade - A economia da prevenção, em tradução livre), divulgado em outubro de 2019, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apresentou dados expressivos e preocupantes relativos ao excesso de peso no Brasil. A pesquisa apontou que a população brasileira com sobrepeso tende a viver 3,3 anos a menos que a média geral e que, justamente por isso, a economia do país pode ser afetada de maneira negativa.

É fato que o excesso de peso, há algum tempo, é considerado um malefício por acarretar problemas conhecidos da população, como inaptidão para fazer atividade física, propensão a diferentes doenças e maiores tendências a diabetes e hipertensão. Além disso, pessoas que estão acima do peso apresentam maiores riscos de sofrer derrames pela maior probabilidade de ter triglicérides e colesterol altos.

Contudo, a população, de forma geral, ainda não compreende o quanto isso é grave. A negligência com a saúde, principal responsável pelas taxas elevadas de sobrepeso e obesidade que o Brasil apresenta, não afeta somente o indivíduo, e sim a sociedade como um todo.

O relatório da OCDE elucidou muito bem o quanto essas complicações interferem na economia de um país. O estudo da organização estima que o aumento do número de pessoas acima do peso será responsável pela queda de 5% do PIB brasileiro nas próximas três décadas. A queda é consequência da série de dificuldades que o excesso de peso causa na saúde, como a qualidade do sono prejudicada, visitas frequentes a consultórios médicos e realização de exames; o que provoca ausências no serviço e diminuição de produção.

Os dados apresentados mostram que a realidade brasileira é muito preocupante. Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, 55,7% das pessoas estão acima do peso, o que representa mais da metade da população. A pasta ainda projeta que, em 2022, 46,5% dos meninos entre 5 e 9 anos e 38,2% das meninas com a mesma idade sofram com o excesso de peso ou obesidade.

Ao se tratar de crianças com sobrepeso, o alerta deve ser ainda maior. A infância e a adolescência são as etapas de amadurecimento físico, psíquico e mental do indivíduo. Muitas vezes a criança ou o adolescente com excesso de peso apresenta dificuldades na escola, principalmente, para participar das atividades físicas. Dessa forma, ela passa a ser excluída dos times de futebol, vôlei - ou seja lá qual esporte for -, por ser mais obesa que as demais. Com o tempo, essa criança também passa a ser isolada das demais atividades sociais da escola pelos próprios colegas.

Esse isolamento social pode gerar quadros depressivos nem sempre diagnosticados, além de ser o responsável por essa criança ou adolescente apresentar rendimento escolar abaixo da média esperada. Esses fatores psíquicos e mentais influenciarão na capacidade cognitiva da criança e criarão sequelas para o resto da vida.

Por tudo isso, a obesidade e o sobrepeso devem ser pensados como problemas de saúde pública e como tal devem ser tratados desde a sua prevenção. Sendo assim, a comunidade médica e o poder público deveriam tratá-los de forma intensa e agressiva, assim como fizeram nas campanhas contra o tabagismo no Brasil. As indústrias deveriam ser obrigadas a colocar em seus produtos alertas sobre o risco de obesidade, assim como existem avisos nos maços de cigarro.Outro fator - esse deveria ser uma obrigação tanto do poder público quanto da classe médica - é tentar estimular ao máximo possível a atividade física dessas crianças e adolescentes que estão acima do peso. Pode parecer exagero, mas ver uma criança comendo um salgadinho e tomando um refrigerante deveria causar tanto espanto quanto ver uma criança fumando.

* Dr. Henrique Eloy, médico gastroenterologista, especialista em cirurgia bariátrica

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Violência “no touch”

O assédio moral pode trazer sequelas emocionais e físicas.


Esfoliação ideal para uma pele linda e renovada

Dicas para manter uma pele saudável e bem cuidada.

Esfoliação ideal para uma pele linda e renovada

Fevereiro é mês de conscientização do Lúpus, Fibromialgia e Alzheimer

Embora sejam doenças que não têm cura o diagnóstico precoce e correto pode garantir melhor qualidade de vida aos pacientes.

Fevereiro é mês de conscientização do Lúpus, Fibromialgia e Alzheimer

Exercícios físicos x uso de prótese nos seios

O implante de próteses nos seios é uma das cirurgias plásticas mais procuradas pelas brasileiras.

Exercícios físicos x uso de prótese nos seios

Campanha Nacional de Vacinação contra sarampo foca em crianças e jovens

Nesta primeira etapa serão enviadas 660 mil doses da tríplice viral, destinadas a crianças e jovens entre 5 e 19 anos.

Campanha Nacional de Vacinação contra sarampo foca em crianças e jovens

Como utilizar corretamente o protetor solar

Dicas simples que podem te ajudar de forma correta este produto indispensável para a saúde.

Como utilizar corretamente o protetor solar

Transtorno de conduta infantil

O Transtorno de conduta (TC) não é uma simples desobediência.


Volta às aulas: as vacinas estão em dia?

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que as vacinas das crianças e dos adolescentes estejam em dia.

Volta às aulas: as vacinas estão em dia?

Artrose nas mãos é comum, mas pode ser evitada

Doença normalmente associada à idade avançada, pode se manifestar muito cedo, causando dores e limitações motoras, mas é possível atenuar seus efeitos.

Artrose nas mãos é comum, mas pode ser evitada

Dia Nacional da Mamografia: um alerta sobre a importância do exame

Prevenção pode detectar lesões assintomáticas e possibilita tratamento do câncer de mama em fase inicial.

Dia Nacional da Mamografia: um alerta sobre a importância do exame

Hanseníase: entenda a doença

Considerada uma das doenças mais antigas do mundo, a Hanseníase foi registrada pela primeira vez no século 6 a.C., sendo conhecida naquela época como lepra.


Brasil terá 625 mil novos casos de câncer por ano até 2022

Para a população infantojuvenil são esperados mais de 8 mil casos, diz Inca.

Brasil terá 625 mil novos casos de câncer por ano até 2022