Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quando o barulho dos brinquedos põe em risco a audição dos pequenos

Quando o barulho dos brinquedos põe em risco a audição dos pequenos

03/02/2020 Marcella Vidal

Brinquedos que emitem sons que podem ser muito perigosos para a audição das crianças.

São carrinhos com sirenes, telefones, guitarras, aviões, dinossauros que rugem alto, jogos com explosões e tantos outros que encantam a criançada. É preciso que os pais redobrem a atenção na hora da compra.

A escolha do que comprar não deve levar em conta só o desejo do filho, mas, principalmente, as condições de segurança.

É importante observar se o brinquedo tem o selo do Inmetro como garantia de que o nível de ruído está dentro dos limites estabelecidos na legislação.

Na vida moderna, o barulho está por toda parte. Dentro de casa, é a televisão em alto volume, o liquidificador, o aspirador de pó, o secador de cabelos; e também os brinquedos.

Tudo isso ligado, no dia a dia, pode causar danos à audição. Os pais precisam estar conscientes disso e proteger seus filhos.

Brinquedos sonoros do tipo made in China, comprados em camelôs, por exemplo, podem emitir ruído acima do permitido por lei, que é de 85 decibéis. Um carrinho de polícia “pirata”, por exemplo, pode alcançar 120 decibéis de ruído.

E o que isso representa? Só para se ter uma ideia, o barulho de uma motosserra pode chegar a 100 decibéis, e o de uma britadeira alcança 110 decibéis.

As crianças também estão expostas a ruídos, que podem ser danosos, ao brincarem com videogames e ao ouvirem música em volume alto, com fones de ouvido plugados a celulares ou por meio de aparelhagens de som.

Em ambientes barulhentos, é aconselhável que os pequenos usem protetores auriculares, que podem ser feitos sob medida; mas é preciso avaliar a idade da criança para o uso.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), ruídos que atingem 70 decibéis já são desagradáveis para o ouvido humano e, acima de 85 decibéis, podem começar a danificar o mecanismo da audição, dependendo do tempo e da frequência da exposição sonora.

O manejo contínuo de um brinquedo com esse volume pode prejudicar para sempre a audição das crianças. As menores, de até três anos, são as mais afetadas.

E se elas têm a audição comprometida, isso pode afetar todo o seu desenvolvimento, inclusive o desempenho escolar.

Portanto, esteja atento na hora de comprar brinquedos. Garantir a segurança dos filhos, com certeza, não tem preço.

* Marcella Vidal é fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas, especialista em audiologia.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Autismo, respeito e compreensão

No dia 02 de abril é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo.


A importância da vacina da gripe para os diabéticos

O assunto que é destaque há semanas é o coronavírus, porém não podemos deixar de falar da importância da vacina da gripe para os idosos.

A importância da vacina da gripe para os diabéticos

Meditação: como as crianças e adolescentes podem praticar

Incluir a atividade na rotina com a família pode contribuir durante o período de isolamento social.

Meditação: como as crianças e adolescentes podem praticar

Gordura abdominal prejudica coluna e joelhos

Mesmo em casa, é possível fazer quatro exercícios simples e seguir algumas dicas de alimentação para acabar com o excesso de peso ao redor da cintura.

Gordura abdominal prejudica coluna e joelhos

O canabidiol no tratamento da endometriose

O março amarelo é o mês dedicado à conscientização sobre a endometriose.


Quarentena e sanidade mental: é possível?

A pandemia do coronavírus impôs abruptamente a todas as pessoas a realidade da quarentena: privação da liberdade, limites, mudança de hábitos e rotinas, dificuldades financeiras e organizacionais.


Coronavírus e câncer: cuidado redobrado com o paciente oncológico

Pacientes com câncer podem apresentar imunidade mais baixa, ficando mais vulneráveis.

Coronavírus e câncer: cuidado redobrado com o paciente oncológico

Problemas psicológicos x COVID-19

Com a chegada do COVID-19 no Brasil, podemos notar que o comportamento das pessoas mudou.


Coronavírus e isolamento social

O mundo está sendo convulsionado pelo avanço da pandemia da Covid-19, que afeta e transtorna a vida da humanidade, em todos os sentidos e dimensões, de forma que ainda não conseguimos identificar com clareza as consequências.


Saúde emocional durante o isolamento social: o que fazer?

Vivemos tempos difíceis e incertos frente à pandemia de coronavírus, que exige de nós muitas mudanças.


O micro-organismo que afeta o comportamento e a saúde emocional

Seja no jornal, nos noticiários da TV ou nos sites de notícias, o tema é monotemático: coronavírus (Covid-19).


Telemedicina: liberação necessária na luta contra o coronavírus

A Telemedicina será utilizada “em caráter de excepcionalidade e enquanto durar a batalha de combate ao contágio da Covid-19”.