Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A digitalização no departamento jurídico

A digitalização no departamento jurídico

03/01/2022 Graziella Garnero Adas

Não é novidade que a transformação tecnológica nas empresas, que resulta em processos cada vez mais automatizados e inteligentes, é uma realidade no mundo corporativo, até mesmo entre as companhias que fazem parte de setores mais tradicionais.

A área jurídica é uma das que vêm se digitalizando, incorporando conceitos e tecnologias já adotados em outros setores.

De acordo com a ‘Statista’, empresa especializada em dados, o mercado global de tecnologia jurídica gerou US$ 17,58 bilhões de receita em todo o mundo, em 2020. A previsão é de que o setor se aqueça ainda mais, chegando a US$ 25,17 bilhões até 2025.

Exemplo dessa evolução é que, há uma década, praticamente, nenhum processo legal poderia ser resolvido pela internet e hoje existem até mesmo audiências realizadas de forma remota.

Cabe, destacar, ainda, as plataformas de assinatura de documentos online: uma delas revelou, recentemente, que seu faturamento cresceu 218% em decorrência do isolamento social causado pela pandemia de covid-19.

Quando saímos do âmbito público e vamos aos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos de empresas, essa mudança tecnológica mostra-se ainda mais necessária, pois a atuação da área precisa acompanhar, na mesma velocidade e eficiência, os processos de outros departamentos.

Não parece ser muito efetivo, por exemplo, que o time comercial utilize inteligência de dados para atender aos seus clientes, e o departamento jurídico permaneça atuando de forma manual e analógica.

E qual seria o método de transformação digital ideal para o departamento jurídico de uma empresa? Em primeiro lugar, esta transformação precisa ser estratégica. Os processos precisam ser aperfeiçoados com o uso de tecnologia.

Além disso, os custos a serem reduzidos e as metas a serem atingidas, são alguns dos aspectos que precisam ser avaliados para que as estratégias sejam traçadas.

Uma vez estabelecida a estratégia, o planejamento precisa ser estruturado. Ele deve englobar as etapas do processo, todos os investimentos necessários, fases de implementação e prazos para cada uma delas.

O período de treinamentos e a adaptação dos profissionais que atuam no departamento, além da integração do novo sistema com as demais áreas, também devem constar no plano.

Há vários processos comumente realizados nos departamentos jurídicos das empresas que podem ser incorporados na transformação digital, tais como sistemas de workflow de contratos, pareceres, procurações, dentre outros, frequentemente requisitados pelas diversas áreas que compõem o negócio.

A implementação de um software jurídico que pode ser utilizado para acessar o departamento jurídico, é eficaz e além de organizar as demandas, visa manter o histórico e o workflow, rastreabilidade, conformidade com as alçadas de aprovação de acordo com a natureza do assunto, controle de SLA, dentre outros benefícios.

Além disso, o uso de inteligência artificial também é uma opção. Aqui na Edenred, criamos uma assistente virtual (EVA – Edenred Virtual Assistant) programada com respostas às questões corriqueiras e repetitivas direcionadas ao departamento jurídico consultivo.

Após identificar as principais dúvidas das áreas – sejam elas contratuais, jurídicas, regulatórias, dentre outras –, o sistema foi programado para realizar o autoatendimento, com linguagem acessível. Com isso, conquistamos 97% de assertividade nos questionamentos.

Ainda, a ‘Legal EVA’ possibilita que o usuário seja transferido ao ambiente de intranet do Grupo, viabilizando a obtenção de documentos corporativos, tais como, estatutos e contratos sociais, procurações, certidões, minutas padrão de contratos e outros instrumentos contratuais, gerando, assim, celeridade no acesso às informações e documentos, sem a necessidade de demandar o departamento jurídico.

Assim, existem inúmeras possibilidades do uso da tecnologia visando a melhoria nos processos e na experiência do usuário, facilitando o retorno aos clientes, parceiros e fornecedores, além de motivação da equipe jurídica, que pode dedicar-se aos assuntos jurídicos e novas estratégias.

Cabe a cada empresa buscar entender a melhor forma de usufruir dessa transformação.

* Graziella Garnero Adas é Diretora Jurídica, Riscos, Relações Institucionais e Compliance Américas da Edenred.

Para mais informações sobre tecnologia jurídica clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: RPMA Comunicação



Os três anos da tragédia de Brumadinho/MG

Hoje, dia 25 de janeiro, o desastre de Brumadinho/MG completa três anos.


Voo cancelado durante a pandemia?

Especialista mostra quais atitudes devem ser tomadas pelo passageiro que foi surpreendido pelo transtorno.


Sem pressa, mas sem pausa: o primeiro ano de atuação da ANPD

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que o texto a seguir tem o propósito de informar os leitores sobre a recente atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), considerando a relevância das ações de tal entidade para que a Lei Geral de Proteção de Dados – Lei Federal n. 13.709/18 (LGPD) tenha a eficácia esperada.


QR Code do Pix vira alvo de novo golpe de boletos falsos

Apesar da facilidade, a chegada de novas ferramentas para realizar compras e pagamentos on-line tem sido motivo de dor de cabeça para alguns consumidores.


ILPIs podem usar a LGPD para proteger seus tutelados

O fator envelhecimento atinge a pessoa em diversos aspectos sociais, emocionais e físicos, tornando-a dependente de cuidados e mais vulnerável a situações de violência, abandono, abusos psicológicos e até financeiros.


Reformar constantemente a legislação trabalhista é a saída?

Há uma década, a Espanha realizou uma profunda reforma trabalhista na sua legislação laboral, que em tese acabou por precarizar na visão de muitos a forma de prestação de serviços ceifando direitos e garantias dos trabalhadores.


Os limites para empresa impor código de vestimenta

O código de vestimenta é prática muito comum adotada pelas empresas para padronizar o visual dos trabalhadores de acordo com a sua cultura organizacional.


A celeuma do Passaporte Sanitário

Há tempos escrevi um artigo defendendo que a União, Estados e Municípios possuem competência para estabelecer a compulsoriedade da vacinação da população, em obediência ao arcabouço legal.


Propaganda eleitoral antecipada: riscos e consequências

A propaganda eleitoral antecipada é sempre motivo de polêmica em anos de eleições e em 2022 não será diferente.


Lei do marco do dólar é sancionada

O Projeto de Lei n° 5.387, conhecido como o marco do câmbio, que estabelece novas regras para o mercado de câmbio e para circulação de capital estrangeiro no Brasil foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.


Como faço para provar que sou negro ou pardo nas cotas de concurso?

Em 2014, foi aprovada no Brasil a Lei de Cotas, que determina que 20% das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos sejam destinadas a pretos e pardos.


Quando uma empresa é excluída do Simples Nacional?

Irregularidades fiscais e alto faturamento resultam em penalidades e mudanças no regime de tributação.