Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

01/09/2021 David Damasio de Moura e Silvania Tognetti

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.

A Receita Federal do Brasil (RFB) emitiu o Parecer COSIT nº 10 de 01 de julho de 2021, aprovado em 13 de agosto de 2021, pelo Coordenador-Geral de Tributação, em que defende uma interpretação extensiva do quanto foi decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para que os valores de ICMS fossem excluídos do cálculo dos créditos de PIS e COFINS obtidos nas compras de mercadorias pelos contribuintes no regime não cumulativo.

O STF encerrou uma discussão de longa data ao julgar os Embargos de Declaração da União, em junho de 2021, nos autos do Recurso Extraordinário nº 574.706 (Tema 69 de Repercussão Geral) que fixou a tese de que "O ICMS não compõe a base de cálculo para fins de incidência do PIS e da COFINS", modulando os efeitos da decisão e decidindo, por fim, que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS/COFINS é o destacado na nota fiscal.

Importante frisar que o objeto da declaração incidental de inconstitucionalidade pelo STF foi a exclusão do ICMS do conceito de receita que é a base de cálculo prevista na legislação do PIS e da COFINS.

O que se decidiu é que o ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte. Apesar de compor o valor recebido, este não fica com o contribuinte porque tal valor é repassado ao Estado.

Não foi objeto da discussão a sistemática da não cumulatividade do PIS e da COFINS, tampouco a composição dos créditos dos referidos tributos.

Não por falta de tentativa da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, que pretendeu no âmbito dos Embargos de Declaração em comento, estender o alcance da decisão de forma a aplicar exclusão dos tributos sobre todas as operações, o que parece ser a tentativa da RFB com o Parecer COSIT nº 10.

Ocorre que, na ocasião do julgamento dos Embargos de Declaração, a Ministra Relatora, Carmén Lúcia de forma muito clara e assertiva afastou essa possibilidade de discutir todo o sistema tributário, quando o tema em julgamento era o ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS (“… tema posto à apreciação neste julgamento, limitado à análise da base de cálculo do PIS/COFINS.”).

Mesmo após toda essa discussão que se arrastou por mais de uma década, no entendimento da RFB contido no parecer mencionado, se fosse permitida a manutenção do ICMS na base de cálculo dos créditos de PIS e COFINS sobre as aquisições de bens, haveria um desvirtuamento da não cumulatividade do PIS e da COFINS, de forma que provocaria um duplo benefício aos contribuintes.

Entretanto, a não cumulatividade do PIS e da COFINS não exige uma relação entre o crédito de um contribuinte ao que foi recolhido anteriormente por outro contribuinte na cadeia produtiva.

Os créditos são apurados aplicando-se a alíquota da não cumulatividade sobre as aquisições. Sob a perspectiva de quem adquire a mercadoria para revenda, o ICMS compôs efetivamente o valor pago pela mercadoria.

A RFB, utilizando o princípio da razoabilidade tenta justificar a sua interpretação, enquanto desrespeita diretamente a legalidade a que está submetida.

Tal posicionamento sobre o tema, provoca uma nova controvérsia entre fisco e contribuintes, que já estavam por encerrar esta discussão.

Além de gerar insegurança jurídica, já que, a restrição do crédito a compensar somente pode ocorrer por alteração da legislação e não por mero exercício interpretativo da RFB. Não se trata, frise-se, de razoabilidade, conforme pretende o parecer, e sim de legalidade.

Em que pese ser um posicionamento inadequado da RFB, trata-se de entendimento formalizado em parecer normativo, de forma que poderá ser aplicado pela fiscalização.

Esperamos que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, indagada a se manifestar acerca do parecer para corroborar ou corrigi-lo, o faça nos termos do que foi decidido pelo STF em respeito ao princípio da legalidade e da segurança jurídica.

* David Damasio de Moura e Silvania Tognetti são advogados tributários e sócios do escritório Tognetti Advocacia.

Para mais informações sobre ICMS clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vera Moreira



Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.


A necessidade da LGPD na sociedade contemporânea

A lei de proteção de dados se tornou essencial diante todas as evoluções tecnológicas.


Posso comprar imóvel em leilão de forma parcelada?

Existem duas formas de se adquirir um imóvel em leilão: por meio de pagamento à vista ou de forma parcelada, conforme disciplina o artigo 895 do Código de Processo Civil.


LGPD e saúde

A chegada do mês de agosto marcou a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção aos Dados (LGPD), no que diz respeito as sanções em caso de descumprimento.