Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF e a saída do seu autor

17/09/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.

Mesmo depois de desautorizado publicamente pelo presidente da República a trabalhar pela recriação da CPMF, também conhecida como imposto do cheque, o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, permitiu que seus auxiliares divulgassem estudos nesse sentido.

Sua demissão foi a única solução disponível, já que o governo não pretende criar novos tributos e, pelo contrário, tem propostas para flexibilizar os já existentes.

Cintra se bate há quatro décadas pelo chamado “imposto único”, isto é, um pequeno percentual cobrado das transações financeiras para eliminar tributos tradicionais.

A sua ideia foi aproveitada em 1994, pelo então presidente Itamar Franco, durante o plano econômico da URV, de onde surgiu o Plano Real de estabilização econômica.

Depois, já no governo de FHC, com a denominação de CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), passou-se a confiscar até 0,38% das transferências bancárias ou cheques.

O propósito era garantir os serviços de saúde à população e foi defendida arduamente pelo então ministro da Saúde, Adib Jatene que, no entanto, teve a sua carteira batida quando o governo destinou a arrecadação também para a Previdência Social e a Erradicação da Pobreza, que acabaram abiscoitando quase metade do arrecadado.

Atribui-se a isso a renúncia do famoso cardiologista Jatene da vida pública. O imposto vigorou até 2007, quando o Senado rejeitou sua prorrogação e, por diversas vezes, sua volta foi proposta.

Marcos Cintra, professor da Fundação Getúlio Vargas, com doutorado em Harvard, escreveu, em 1991, o livro “Tributação no Brasil e o Imposto Único”, que serviu de base para a sua pregação.

A proposta era que o confisco de 1% das transações financeiras eliminasse os federais Imposto de Renda, IPI, IOF, Cofins, contribuição patronal ao INSS e outros; os estaduais ICMS, IPVA e ITCD; e os municipais ISS IPTU e ITBI.

O percentual, naquele tempo era suficiente porque a soma de todos esses tributos equivalia a 23% do PIB. Porém, com a escalada tributária a partir dos anos 90, chegamos hoje a carga tributária igual a 35% do PIB. Em vez de 1% seria necessário o confisco de 2,81% da movimentação financeira.

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um. É por isso que Bolsonaro não quer nem ouvir falar dela.

Mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, prega criar um imposto federal único. Bom que ele não esqueça as teorias de Marcos Cintra.

O governo só tem duas possibilidades de reequilibrar o caixa. Gastando menos, o que nem sempre é possível, ou aumentando a arrecadação de impostos.

Acima de interesses eleitoreiros, ou posições políticas e  pessoais, tanto o presidente quanto os congressistas têm o dever de acabar com o déficit que corrói a economia nacional.

Que o façam da melhor forma e com absoluta responsabilidade pois, cedo ou tarde, serão cobrados por isso…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.