Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A História não é complacente com os governantes populistas

A História não é complacente com os governantes populistas

13/06/2016 Jacir J. Venturi

Sim, a História – essa “juíza imparcial” – repara injustiças, mas tem o péssimo hábito de andar devagar.

Os governantes que implementam medidas impopulares – embora benéficas para o futuro – são alvos de agressões, isolamento e críticas.

Encontram uma resistência feroz por parte de muitos e o apoio tíbio de uns poucos. São os estadistas, que vão além do seu tempo e forçam passagem em meio a uma maioria reivindicadora.

“Ainda não descobri a maneira infalível de governar. Mas aprendi a fórmula certa de fracassar: querer agradar a todos, ao mesmo tempo” – discursava apropriadamente John F. Kennedy. Confortam-se com o dever cumprido e com o julgamento da posteridade.

Sim, a História – essa “juíza imparcial” – repara injustiças, mas tem o péssimo hábito de andar devagar. É notório o gap entre o aplauso de um tempo atual e aplauso da História.

Em contrapartida, a demagogia, o assistencialismo e o populismo seduzem o líder míope como o canto da sereia. Nesse mister, se faz oportuno Roberto Campos: “Nas veias dos demagogos não corre o leite da ternura humana e sim o vinagre da burrice ou o veneno da hipocrisia”.

Na América Latina, há três modelos de governos populistas que deixaram como legado o caos econômico, a desesperança, a frouxidão moral e a meritocrática: chavismo, peronismo e lulopetismo.

No Brasil, qual presidente se circunstanciou das condições mais favoráveis para ascender ao pódio de maior estadista deste país? Sim, Lula! Aprovação popular que beirou os 80%, bela trajetória de vida e superação, maioria absoluta no Congresso, oposição desarticulada e enfraquecida, comércio internacional favorável pelo preço das commodities.

Ademais, sucedeu um Governo que deixou bons fundamentos macroeconômicos e controle fiscal. Ou seja, um ecossistema propício para as necessárias reformas política, previdenciária, trabalhista, tributária. A maior herança de um governante é o apoio a um(a) candidato(a) para sucedê-lo.

Indicou Dilma e deu no que deu. Mas Lula se deixou fascinar pelo aplauso do seu tempo, bem sabendo que implementar as necessárias reformas seria enfrentar insatisfações. Faltou-lhe a postura como a de Abraham Lincoln – até hoje o mais venerado presidente dos EUA –, que em meio às vicissitudes do cargo costumava repetir que, se fosse responder a todas as críticas e ofensas que lhe eram direcionadas, não trataria de mais nada.

E deixou como legado uma frase tantas vezes reiterada: “Você pode enganar todo o povo durante algum tempo e parte do povo durante todo o tempo, mas não pode enganar todo o povo todo o tempo”. Winston Churchill, celebrado como o maior estadista do século XX, ao assumir o Governo de coalizão em 1940 proferiu seu célebre discurso, nada prometendo além de trabalho, suor e lágrimas.

Estamos vivenciando uma das fases mais graves da nossa História, com a imbricação de três crises simultâneas: política, econômica e ética. O atual Governo e o Congresso têm o dever cívico e institucional de oferecer um norte, enquanto nós cidadãos devemos compreender que não há solução fácil e de curto prazo.

Austeridade fiscal para o equilíbrio das contas públicas e para manter a sanidade da nossa moeda – eis uma receita amarga, porém imprescindível. Henrique Meirelles, como líder de uma equipe de notáveis, tem competência e credibilidade para as medidas necessárias.

Ao presidente Temer – que conhece todos os escaninhos do Congresso – cabe uma pertinaz interlocução com deputados e senadores para a aprovação das imprescindíveis reformas. À Polícia Federal e ao Judiciário, que investiguem e julguem os malfeitos, restabelecendo os valores republicanos.

E ao PT? Antes de voltar ao seu histórico papel de oposição, que faça uma honesta autocrítica. Os nossos fundamentos econômicos, democráticos e éticos estão passando por uma prova de fogo. Mas cremos que o Brasil sairá desta crise fortalecido com a defenestração de governantes e políticos populistas, corruptos e gastadores, pois geram miséria, lassidão moral e infelicitam toda uma nação.

* Jacir J. Venturi é Presidente do Sinepe/PR, vice-presidente da ACP, foi professor da UFPR e PUCPR.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso