Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Comportamento é decisivo para alcançar o sucesso

Comportamento é decisivo para alcançar o sucesso

12/04/2015 Heloísa Capelas

Muitas pessoas cultivam o imediatismo em suas vidas e acabam frustradas diante dos desejos não realizados.

Afinal, somos imediatistas por natureza ou a velocidade imposta pela modernidade nos trouxe até aqui? Como e por que essa tendência pode atrapalhar nosso caminho? É inegável que a evolução da tecnologia e a consequente agilidade na troca de informações têm contribuído imensamente para acelerar nossos anseios.

De 1950 para cá, esse novo padrão comportamental ganhou força em todas as partes do mundo. Munidos das vontades imediatas, começamos a acreditar que cada uma delas deve, pode e precisa ser concretizada agora, já, no exato momento em que brotam de nós. Esse pensamento é perigoso. Ao cultivá-lo, ignoramos o tempo, a persistência e o planejamento necessários para transformarmos um desejo em realidade. O tempo intelectual e presente, no qual manifestamos nossa vontade, não corresponde ao tempo psíquico – ou seja, ao momento em que estamos de fato prontos para receber aquilo que desejamos.

Mais que isso, devemos ter em mente que nosso comportamento, no intervalo entre um e outro momento, determinará se e quando alcançaremos o sucesso. Costumo dizer que nosso tempo psíquico – ou tempo da alma ou, ainda, pertencimento ao universo – é tão perfeito que cada um de nós só recebe e conquista aquilo que deseja quando realmente está pronto para tal feito. Mesmo porque, se nossas vontades se dessem de forma imediata, correríamos o risco de perdê-las, afinal, estaríamos ainda inaptos a reconhecê-las ou mesmo a usufruí-las.

Em suma, as nossas vontades nem sempre se dão da forma como esperávamos ou no momento em que desejávamos. E há boas razões para que isso seja assim. Todas as pessoas têm planos, sonhos, desejos e vontades, eu também as tenho. Mas, quantas realmente compreendem a necessidade de trabalhar para realizá-los? E quantas observam o movimento da alma, ou seja, os comportamentos, pensamentos e ações necessários à concretização de cada vontade?

A sensação de frustração decorrente dos sonhos não realizados surge da não aceitação do esforço e tempo a serem conjugados naquela direção. E, ainda, da incapacidade de avaliar quais comportamentos devem ser modificados até que se esteja, de fato, pronto a alcançar tal realização. Com frequência, a busca pela concretização de uma meta esbarra em obstáculos e, diante deles, cabe a cada um de nós avaliar o que deu certo e o que deu errado. Essa trajetória, por vezes, nos proporciona aprendizados únicos, ainda que não nos leve diretamente ao objetivo esperado.

Sendo assim, a verdadeira questão é: o que você aprendeu com isso? Se esse caminho não deu certo, qual outro pode percorrer em direção ao seu real desejo? Observe que essa é a diferença entre a teimosia e a persistência. A primeira fará com que repita as mesmas ações incessantemente em busca do seu objetivo; a segunda o levará a encontrar meios e possibilidades diferentes para alcançá-lo.

Lembre-se que, consciente ou inconscientemente, cada pessoa planeja a própria trajetória. O que você vive hoje é fruto das decisões que tomou no passado. Da mesma forma, as escolhas que fizer no momento presente determinarão como será seu futuro. Onde, como e com quem você deseja estar em alguns anos?

*Heloísa Capelas é autora do livro recém-lançado, o Mapa da Felicidade (Editora Gente). Especialista em Autoconhecimento e Inteligência Comportamental, atua no desenvolvimento do potencial humano há cerca de 30 anos.



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan