Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Intervenção no Rio de Janeiro

Intervenção no Rio de Janeiro

14/03/2018 Heloisa Pait

A intervenção no Rio de Janeiro é um marco no debate público.

Houve pouquíssimas reações contra - e, ainda assim, a maioria sendo politicamente motivadas por aqueles que defenderam intervenções no passado recente. O tabu da ação militar em questões civis, duramente construído durante a transição democrática, e até aceito pelos militares, esboroou-se.

Foi algo lento, com as obras do PAC, com a inação dos políticos nas suas atribuições, criando um vácuo. E até, mais recentemente, com as hesitações do Supremo quanto à possível candidatura do Lula que, segundo a imprensa, os militares simplesmente vetaram.

O que era apenas marginal no começo das manifestações do impeachment, a tal "intervenção militar constitucional", acabou ocorrendo de fato. E ninguém disse nada, isso é o impressionante do ponto de vista do debate público. Apenas alguns: o pessoal da lavajato não gostou.

Pois sabe que o crime é algo complexo, e as armas e as drogas são o resultado de organizações capilares. Não é uma guerra. Guerra contra quem? Contra os políticos que compram traficantes para obter votos? Contra os consumidores de entorpecentes? Contra a própria polícia que recebe parcela dos lucros de atividades ilegais? Contra o empregador que não paga salários adequados e aí só emprega quem mora em favela?

Guerra é quando há um inimigo claro e meia dúzia de infiltrados; no caso, os criminosos estão espalhados pela sociedade, não estão só nas favelas, e nem todos das favelas são cúmplices. (Além disso, a sociedade há décadas legitimou a favela como moradia de gente de bem, com programas de apoio que estimularam o enraizamento nesses locais. De uma hora para outra, a favela celebrada virou território inimigo?).

A esquerda, defendendo estelionatários no poder, deslegitimou a tradicional defesa dos direitos humanos, que ficou sem pai. A nova onda liberal, até onde vi, não vai encampar essa luta, pois está mais preocupada com os direitos de ofender e dos embriões do que das pessoas afetadas pela nova ordem militar. Em 1992, a minisérie "Anos Rebeldes" inspirou os movimentos pró-impeachment.

Nos anos 2000, houve até um excesso: a glorificação da luta armada em si, e não mais dos ideais dos jovens que, erroneamente, nela se engajaram. Agora temos uma reação a esse excesso, que deve assustar os democratas brasileiros. Já se pode ouvir nas ruas, nas redes sociais, nos comentários de jornais estabelecidos, uma tolerância quanto a opções de força.

"A força do querer", novela recente da Globo, não teve tanto impacto como "Anos Rebeldes", mas penso inicialmente que também foi um marco: a favela foi mostrada como local de crime e cumplicidade, sendo os heróis o secretário da segurança e a policial. O traficante era um sujeito frio, perverso, manipulador e vagabundo.

Eu particularmente gostei da novela, mas é fato que foi uma virada na visão romântica de que só falta mais oportunidades para a favela dar certo, que a culpa é do sistema, que os que são contra a lei são heróis em busca de uma sociedade mais justa. A lei foi apresentada como o certo, e não como o algoz.

Na vida real, parece que a sociedade brasileira está mais tolerante com a violência de estado para garantir a ordem, a qualquer custo. A demonização do golpe teve um outro efeito no debate público: ninguém se lembra de que a população apoiou o golpe de 1964 e que a oposição foi construída AO LONGO DE 20 ANOS!

Gente de bem, culta, apoiou o golpe, ainda que o golpe dentro do golpe já tenha sido mais minoritário. Não são monstros que queriam os militares em 1964. Foi gente boa, gente comum, gente sem tendência à tortura.

Demonizar o golpe eximiu os nossos pensadores de explicar por que aceitamos o golpe em 1964. Quais as condições para isso? Essas condições estão presentes hoje? O que vamos aceitar daqui para diante? Teremos Bolsonaro como presidente? Isso tudo é muito sério, e vejo os liberais mais interessados na independência do banco central do que na independência do judiciário.

* Heloisa Pait é socióloga e professora da Unesp de Marília.



Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?

Polícia liberada para trabalhar como sabe

Os contumazes amantes da desordem e defensores intransigentes dos criminosos torceram o nariz quando o governador Rodrigo Garcia determinou o aumento do número de policiais nas ruas (a cidade de São Paulo aumentou de 5 mil para 9.740 o número de policiais em ação) e declarou que quem levantar arma contra a polícia vai levar bala.


Eleições e os bélicos conflitos entre os Poderes

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e, agora, as Forças Armadas estão aumentando a ofensiva contra a transparência e a segurança do processo eleitoral no Brasil.


Os amores de Salazar

O conceito que se tem de Salazar, é de político solitário, déspota e por vezes impiedoso. Mas seria o estadista, realmente, assim?


Expectativa de grande crescimento

Em função da pandemia causada pela covid-19, os anos de 2020 e 2021 foram bastante desafiadores, particularmente para a indústria de máquinas e equipamentos.


A importância da diversificação de investimentos em diferentes segmentos

Mesmo com os desafios impostos por dois anos de pandemia, o volume de investimentos para iniciativas brasileiras em 2021 foi expressivo.


Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.