Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Mediação e alienação parental

Mediação e alienação parental

30/09/2018 Lia Marchiori

Na nossa juventude, nunca paramos para pensar sobre as dificuldades dos nossos pais e no envelhecer.

Como foi a chegada aos 50, quando começam alguns probleminhas de saúde aqui e acolá? Como foi a sensação da mãe ao entrar na menopausa? Como foi o sentimento do pai ao se aproximar do tempo da aposentadoria? Como eles passaram a se enxergar no espelho com rugas de expressão e não podendo mais fazer o que faziam quando eram muito jovens?

Pois é, quando somos somente filhos, e jovens, não pensamos sobre nada disso. Aliás, nem teria como. Esse mundo descrito acima ainda não nos pertence. No “Fantástico Mundo de Bob” todas essas questões, se sequer mencionadas, nos parecem totalmente fora do nosso alcance. No entanto, a idade chega para nós também e então, ao passarmos por essas mesmas questões, finalmente olhamos para os nossos pais, e eles agora estão bem mais velhos.

E agora, fora do mundo de Bob, podemos avaliar que vamos chegar no mesmo patamar onde eles estão, mais rápido do que imaginávamos. Mas, antes e por isso, precisamos cuidar deles. É a nossa vez. E aí começam os problemas.

Quem vai cuidar? Irmãos geralmente tem uma tendência a tratar o assunto da seguinte maneira: um(s) cuida mais e o outro (s), infelizmente, menos ou nada. As desculpas são um rosário: não tenho tempo, trabalho demais, a minha irmã sabe cuidar melhor que eu, minha esposa(o) não fica feliz quando faço isso, papai sempre gostou mais dele do que de mim, não tenho espaço na minha casa, meu pai tem alergia a cachorros e eu tenho um, minha mãe não sobe escada e moro num prédio sem elevador, e o rosário se desfia em contas sem fim.

Bem, alguém tem que cuidar. É mais que nosso dever moral cuidar de quem cuidou de nós. E se um só da família cuida e sente-se sobrecarregado, há mil e uma possibilidades de os outros ajudarem, desde que estabeleçam entre si um diálogo aberto e tenham boa vontade. Contudo, esse diálogo, na maioria das vezes, vem truncado de agressividade, e está fadado ao fracasso se as pessoas não tiverem uma personalidade muito equilibrada para lidar com o assunto.

Nessa situação encontramos, hoje, uma seara fértil para o trabalho de um mediador. Exatamente no tema da alienação parental, ou seja, do abandono dos pais, por parte dos filhos, ou de um ou algum deles, existe uma gama enorme de possibilidades que podem ser trabalhadas para que todos possam, à sua maneira, colaborar para que a velhice dos pais seja mais confortável, e que eles, como filhos, também se sintam mais confortáveis. Porque deixar de ajudar traz culpa e culpa traz tristeza. Então melhor resolver. Vale a pena mediar esse tipo de questão.

Melhor acolher isso no coração como uma questão, na qual você como filho vai fazer seu melhor para dividir as tarefas que cabem a todos. Melhor que tudo seja resolvido, porque haverá mais paz e união para a família. Assim, no dia que os pais partirem, a alma estará leve, e o filho poderá sentir-se seguro que cumpriu seu dever, e que seu filho fará o mesmo por ele, porque pelo exemplo se ensinou. E é pelo amor que se conduz a vida, cada um fazendo o seu melhor, e fazendo o seu melhor tudo acaba bem.

* Lia Marchiori é mediadora do Instituto Alleanza, capacitada pela Harvard Law School.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.