Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Otimismo nas alturas

Otimismo nas alturas

07/02/2010 Eduardo Pocetti

“A confiança é contagiante. A falta dela também.”

A frase do poeta americano Michael O´Brien encerra uma daquelas verdades universais que se aplicam a todas as áreas da vida. A confiança é a pedra fundamental das relações afetivas e familiares, das parcerias profissionais, das amizades que duram para sempre. No mundo corporativo, onde nada é garantido e as tendências podem mudar subitamente, ao sabor de escândalos, fenômenos da natureza, novas descobertas e uma infinidade de outros fatores, ela é o motor de decisões importantíssimas: um investidor se pauta justamente pela confiança ao optar por este ou aquele negócio.

Por isso, em 2009, quando vivemos o pior momento da crise, foi tão valioso conquistar o grau de investimento e entrar para a constelação dos “países confiáveis”. Nossa capacidade de recuperação, aliada à estabilidade institucional e à solidez do sistema financeiro, nos levou a um patamar muito elevado – talvez o melhor da nossa História.

E uma pesquisa divulgada esta semana pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que não foi apenas no plano internacional que o Brasil conquistou uma presença mais forte. Também no plano interno, o empresariado recuperou a confiança no nosso potencial. O levantamento feito pela CNI revelou que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) atingiu 68,7 pontos em janeiro.

I ICEI se baseia em dados levantados pelas federações de indústrias de 25 Estados. Para estabelecer a pontuação final, são analisadas informações referentes a comportamento e expectativas das indústrias de vários portes e segmentos. A pontuação pode chegar a cem: abaixo de 50, considera-se que o ambiente é de desconfiança.

O índice de janeiro é o maior índice em 11 anos, e foi alavancado sobretudo pelas grandes empresas. Nestas, a pontuação chegou a 70,1 pontos. Entre as médias, o ICEI foi de 68,7 pontos, e entre as pequenas, de 63,1.

A prudência destas últimas em entregar-se à euforia é compreensível e deve ser interpretada como um reflexo das dificuldades enfrentadas durante o ano passado. Afinal, a retração de crédito e a absoluta indefinição do mercado experimentadas em 2009 obrigaram muitos empreendedores de menor porte a “puxarem o freio de mão”, a adiarem planos e suspenderem projetos.

Ainda assim, a recuperação do otimismo foi rápida e significativa, e tende a prosseguir: o índice de confiança no semestre subiu de 68,7 pontos, detectados em outubro do ano passado, para 71,8 pontos em janeiro de 2010. Este é o maior valor de toda a série histórica!

Se as indústrias estão otimistas, é sinal de que elas vão investir, e muito. Estima-se que o crescimento do PIB poderá atingir 6% em 2010, o maior do Brasil em muitos anos. Para o aquecimento da economia não ser ameaçado pela falta de uma infraestrutura adequada, é fundamental que o governo prossiga investindo nas obras do PAC e que a questão energética seja tratada como prioridade.

Em entrevista recente, Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) revelou que o consumo de energia pelo setor industrial terá uma elevação de 9,4% em 2010, e que o consumo geral de energia será 7,4% mais alto do que o ano passado.

Temos, portanto, perspectivas excelentes, mas estas vêm acompanhadas de enormes desafios. Lidar com eles de maneira rápida e produtiva é uma missão que cabe a todos os brasileiros!

* Eduardo Pocetti é CEO da BDO, uma das maiores empresas do mundo em auditoria, tax e advisory.

Fonte: Ricardo Viveiros Oficina de Comunicação



O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.


O trabalho como dever moral e amor ao próximo

Encontrei um amigo do tempo de faculdade, há muitos anos não o via, e ele me disse que se aposentou aos 53 anos como funcionário graduado de uma repartição pública.


A nova CPMF seria bem-vinda

A reforma tributária é o grande destaque de discussões no ambiente político e econômico, no momento.


A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.