Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pobreza não é destino

Pobreza não é destino

12/05/2016 José Pio Martins

Socialistas não cedem às evidências e aos fatos: continuam desejando o que não funciona.

Uma cerca corta a cidade de Nogales ao meio. De um lado, ao norte, está Nogales, estado do Arizona. Do outro lado, ao sul, está Nogales, província de Sonora. Em Nogales ao norte, a renda por habitante é de US$ 30 mil anuais. A escolaridade média é alta. O sistema de saúde é bom. A taxa de criminalidade é baixíssima. Ninguém tem medo de sair às ruas. O padrão das moradias é alto. A população confia no governo. Enfim, Nogales, no Arizona, é uma cidade desenvolvida, com elevado padrão de bem-estar social.

Do outro lado da cerca, em Nogales ao sul, a renda por habitante é de um terço da vizinha do norte. O sistema educacional é precário. A escolaridade é baixa. O sistema de saúde não funciona. A criminalidade é alta. As moradias são ruins. As estradas, esburacadas. Abrir um negócio é arriscado. O governo é corrupto. Enfim, Nogales, em Sonora, é uma cidade pobre, atrasada, com baixo padrão de bem-estar social.

Como é possível as duas metades da mesma cidade, mesmo povo, mesmo solo, mesmo clima, serem tão diferentes? Por que uma é rica e a outra, miserável? O leitor já deve ter pensado: claro, Nogales ao norte, no Arizona, pertence aos Estados Unidos; Nogales ao sul, em Sonora, pertence ao México. Quando o México ficou independente, em 1821, a região de “Los Dos Nogales” (as duas nogueiras) pertencia ao Estado mexicano chamado Velha Califórnia. Após a guerra México-Estados Unidos de 1846-1848, os Estados Unidos adquiriram territórios mexicanos e as duas cidades nasceram, separadas por uma cerca.

A primeira conclusão é óbvia: a Nogales do Arizona desfruta das instituições norte-americanas, de alta qualidade, propícias ao desenvolvimento econômico e social, enquanto a Nogales de Sonora sofre com as instituições mexicanas, de baixa qualidade, ineficientes e corruptas. Pobreza não é destino, e pode ser superada mesmo nos países com escassos recursos naturais, desde que, para começar, tenham instituições eficientes e de alta qualidade.

Com instituições boas, nas quais a população confia, baixo nível de corrupção e um corpo de leis que crie incentivos aos negócios, estimule o empreendedorismo e premie o trabalho e a competência, o progresso material e o desenvolvimento social acontecem. A maior de todas as instituições é o governo, em seus três níveis de poder. Se o governo é ruim, a corrupção é alta e a eficiência é baixa, e isso é o quanto basta para minar as chances de desenvolvimento.

Em alguns países, diante da pobreza causada por maus governos e instituições ruins e corruptas, muitas pessoas e políticos pedem mais Estado e mais governo. É o mesmo que colocar a raposa para cuidar do galinheiro e, diante do sumiço de galinhas, solicitar mais raposas para solucionar o problema. Há algo de esquizofrênico em não confiar na política e, mesmo assim, pedir mais governo, mais estatização e mais impostos.

Os países desenvolvidos são os que têm um forte setor produtivo privado, ambiente favorável aos investimentos, leis boas e estáveis, governo eficiente, respeito ao direito de propriedade e liberdades individuais. O exemplo das duas cidades de Nogales – que, apesar de tão iguais, são tão diferentes – é apenas um, mostrando o que funciona e o que não funciona. Mas os socialistas não cedem às evidências e aos fatos: continuam desejando o que não funciona.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa