Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Política, um elogio

Política, um elogio

05/02/2018 Paulo Henrique Martinez

Não há futuro sem conflitos.

O reconhecimento desta afirmação é salutar e nos conduz a outras formas de encarar a realidade em que vivemos, no presente e no passado. Os desafios da imaginação política e do pensamento social, e assim o demonstram as suas próprias histórias paralelas, residem na busca de respostas e na solução de conflitos humanos e sociais. Há uma história do pensamento político empenhado na previsão, na prevenção, na regulação e na superação de conflitos ao longo do tempo, em diferentes lugares no mundo.

A continuidade desta lógica política interativa, reflexiva e autorenovadora abre possibilidades para outros comportamentos e atitudes na vida em sociedade. Primeiro, ela nos sugere não buscar a antipolítica, ou seja, a prática aberta e dissimulada da violência no enfrentamento de conflitos humanos e sociais. Segundo, ela nos sugere não abandonar a política pois a indiferença e a evasão podem ser atenuantes do cotidiano opressivo e frustrante mas não implicam em soluções aos conflitos, sejam eles de qualquer espécie. Terceiro, ela nos sugere não rejeitar o sistema político e o pluralismo da vida democrática.

A política não se reduz a um jogo pelo poder. Ela traduz o desejo e a motivação na realização de um projeto de futuro, sem desconhecer e ignorar a existência de conflitos. Nesta perspectiva a política é o espaço da criatividade, da imaginação, da participação, da solidariedade e da liberdade humana. Ideias, instituições, reformas, legislação, organização social, eleições e debates políticos são decorrências da avaliação das transformações econômicas e das aspirações sociais e da solução aos conflitos delas resultantes. Um projeto de futuro é um projeto político, o estabelecimento de um necessário e atualizado contrato social. Um projeto político de futuro elabora e testa as políticas públicas mais apropriadas.

Pensamentos, comportamentos e atitudes políticas possuem fundamentos culturais, são construídos social e historicamente. No Brasil e na América Latina, desde a década de 1990, discutem-se reformas políticas e econômicas capazes de elevar os níveis de desenvolvimento nacional. A inovação cultural e política no século XXI volta-se para o aumento da produtividade na economia, sem o qual não poderão ser sustentadas as políticas sociais. As políticas sociais são inadiáveis e imprescindíveis em qualquer sociedade, sobretudo, aquelas marcadas pela opressão, pela concentração da riqueza e da cultura, pela violência. E a sociedade brasileira é uma delas. A política deve prevalecer e continuar.

* Paulo Henrique Martinez é professor do Departamento de História da Unesp de Assis.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.