Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Socorro abençoado

Socorro abençoado

16/05/2017 Francisco Habermann

Abri um berreiro quando acordei e não vi minha mãe em casa.

Foi o que me contaram, mas guardo na memória longínqua de criança de quatro ou cinco anos a sensação de rosto molhado, derramando choro e gritando pela mãe, no portãozinho de casa, junto à rua, na cidade de Leme-SP. Foi neste cenário dramático, desesperador, que aconteceu um milagre.

Vindo de sua casa, um jovem lemense – que depois se ordenaria padre – passava em frente da cena e se aproximou daquela criança desesperada. Estendeu a mão e afagou o pequeno, explicando que a mamãe chegaria logo.

Repetia que ela só havia ido ali na esquina e já estava voltando para casa. Pelo que me contaram depois, a criança foi se acalmando e sem demora a mãe chegava. O enorme drama se desfizera magicamente mas jamais esqueci a ação carinhosa daquela criatura que caíra do céu naquela manhã, socorrendo-me naquele desamparo e realizando o milagre de me trazer de volta a mãe.

Tanto é que muitas décadas mais tarde, quando soube aqui em Botucatu que aquele jovem se ordenara padre e era o responsável pela Catedral de São Carlos-SP, fui visita-lo. Recebeu-me carinhosamente em seu escritório naquela igreja e recordamos as trajetórias pessoais. A dele pareceu-me divina desde sempre.

Deu-me um livro de sua autoria e despedimo-nos, deixando-me em paz, mais uma vez. Foi a derradeira oportunidade que tive de rever o querido Monsenhor Luiz Cechinato, o ilustre e reconhecido benfeitor não só meu mas de toda a cidade de São Carlos que o tem, agora e sempre, junto a todos os ilustres benfeitores daquela comunidade.

Como veio, viveu, socorreu, trabalhou e passou na vida... Chorei quando soube, por amigo comum, do seu recente passamento. Um choro, agora, de agradecimento eterno pelo longínquo milagre realizado...

* Francisco Habermann é médico e docente aposentado da FMB-UNESP, Botucatu-SP.



O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.