Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que o estresse tem a ver com a saúde bucal?

O que o estresse tem a ver com a saúde bucal?

10/12/2021 Dr. André Pataro

De maneira geral, as pessoas associam os problemas bucais a uma cárie, a uma inflamação da gengiva ou a uma dor de dente.

O que o estresse tem a ver com a saúde bucal?

Mas não é preciso ser profissional da odontologia para saber que a boca é muito mais complexa do que isso. Muito além, há diversos transtornos que refletem na principal “porta de entrada” para o nosso organismo. Um problema bucal não necessariamente tem origem em uma região específica, de forma isolada.

Desde uma gravidez, passando por uma depressão ou mesmo uma crise de ansiedade, condições sistêmicas podem gerar mudanças que afetam o equilíbrio emocional e que podem ter um impacto significativo na região bucal. No caso do estresse, pode haver muitos riscos que comprometem a saúde da boca. O principal motivo é a vulnerabilidade diante da liberação desenfreada de hormônios pelo corpo e a descarga emocional liberada nos músculos da mastigação.

Essa instabilidade emocional é capaz de provocar a incidência de aftas, herpes, ressecamento bucal (também conhecida como xerostomia), cáries e doenças gengivais. O estresse também pode provocar ou intensificar o bruxismo, aquele ato de ranger ou de apertar os dentes, provocando desgaste excessivo e, por consequência, dores de cabeça e na mandíbula. Além disso, tem sido cada vez mais frequente a fratura dental decorrente do bruxismo não controlado, ainda mais no momento de vida que o mundo está hoje.

Para piorar, as doenças emocionais interferem na rotina do paciente, e há um descuido mais acentuado da higiene bucal em meio a crises de estresse. Uma pesquisa realizada pelo Journal of Periodontology, ligado à Academia Americana de Periodontia, confirma isso: ela mostra que 56% das pessoas entrevistadas admitiram que o uso da escova de dentes e do fio dental ficaram comprometidos devido ao estresse.

Juntos, todos esses fatores são capazes de provocar um verdadeiro estrago. A xerostomia, por exemplo, corta a produção de saliva, que tem a função não apenas de manter a boca lubrificada, mas também de remover o excesso de micro organismos que provocam a cárie e a gengivite, além de possuir propriedades imunológicas. A falta de saliva também provoca o mau hálito, que ainda pode ser agravado por outros hábitos alimentares prejudiciais à boca. Como se pode constatar, é como uma cadeia sucessiva de problemas agravados por uma crise que aparentemente não tem nada a ver com os dentes, mas que, ao entender todos esses fatores, passa a fazer muito sentido!

Paralelamente aos tratamentos apropriados para combater o estresse, é fundamental que o paciente tenha a consciência de que ele corre contra o tempo. Mesmo num momento em que esteja mergulhado numa crise, ele precisa manter os cuidados necessários para evitar que as condições de saúde da boca sejam ainda mais prejudicadas pelo boicote à limpeza adequada. Manter o foco na prevenção e visitar o profissional periodicamente são os caminhos razoáveis para eliminar os sintomas do estresse, pelo menos na boca.

O momento é de intensificar essa atenção, uma vez que os casos de estresse quase que dobraram no período da pandemia no Brasil. Isso significa mais casos de bruxismo, de cáries, de aftas e de tantas outras moléstias na via oral. Cuidar da higiene bucal, portanto, está mais do que em voga.

* O autor Dr. André Pataro é cirurgião-dentista, doutor (PH.D.) e mestre em odontologia pela UFMG.

Para mais informações sobre Estresse clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicações



Especialistas alertam para cuidados com queimaduras de limão, sol e água-viva

Comuns no verão, essas lesões podem se tornar graves se não tiverem a atenção necessária.

Autor: Divulgação

Especialistas alertam para cuidados com queimaduras de limão, sol e água-viva

Dengue: hidratação com até 6 litros de água pode evitar o tipo hemorrágico

Especialista em Saúde Pública esclarece que uma pessoa pode adoecer quatro vezes com os quatro sorotipos da doença.

Autor: Divulgação

Dengue: hidratação com até 6 litros de água pode evitar o tipo hemorrágico

Menopausa: sintomas, tratamentos e dicas

Ginecologista Loreta Canivilo explica tudo sobre esse período da vida da mulher.

Autor: Divulgação

Menopausa: sintomas, tratamentos e dicas

Crianças e Dengue: como prevenir?

Número de casos é alto entre os pequenos e algumas faixas etárias não podem sequer usar repelentes contra insetos.

Autor: Divulgação

Crianças e Dengue: como prevenir?

Dengue, Chikungunya e Zika: conheça os sintomas de cada doença

“Os sintomas podem ser parecidos, por isso, é importante uma avaliação médica”.

Autor: Divulgação

Dengue, Chikungunya e Zika: conheça os sintomas de cada doença

Maioria dos adultos sofrem com dores ou inchaços após o dia de trabalho

Um estudo recente aponta que uma grande parcela da população adulta relata sentir dores e inchaços após um longo dia de trabalho.

Autor: Divulgação

Maioria dos adultos sofrem com dores ou inchaços após o dia de trabalho

Novo corpo, novo indivíduo, novo eu

A cirurgia desempenha um papel importante na vida dos pacientes pós-bariátrica.

Autor: Simone Barros

Novo corpo, novo indivíduo, novo eu

Queloide: o que é e como evitar?

Queloide é uma condição dermatológica caracterizada pelo crescimento anormal de tecido cicatricial.

Autor: Divulgação

Queloide: o que é e como evitar?

Dor no calcanhar afeta 1 em cada 10 pessoas depois dos 40 anos

A fascite plantar é uma doença caracterizada pela degeneração progressiva da fáscia plantar, tecido que se estende do osso do calcanhar até a planta do pé.

Autor: Divulgação

Dor no calcanhar afeta 1 em cada 10 pessoas depois dos 40 anos

O calor passa, uma cicatriz, não!

O verão, conhecido pela temporada de férias, altas temperaturas e dias ensolarados, pode ser uma estação interessante para quem está considerando passar por uma cirurgia plástica.

Autor: ‌Felipe Villaça

O calor passa, uma cicatriz, não!

Cinco formas de lidar com a enxaqueca no dia a dia

Doença está entre as complicações mais incapacitantes do mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde.

Autor:  Dra. Jackeline Barbosa

Cinco formas de lidar com a enxaqueca no dia a dia

Ipsemg passará a oferecer serviço de assistência domiciliar

Instituto está com edital aberto para a contratação de prestadores para o serviço.

Autor: Divulgação