Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A arte de administrar

A arte de administrar

14/02/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

A criação - e imediata revogação - de barreiras para a importação de mais de 3 mil produtos, a briga de ministros, que foram devidamente ameaçados de demissão caso não parassem com a baixaria, e outras trapalhadas ultimamente registradas no seio do governo, são inadmissíveis e demonstram um certo clima de acefalia administrativa na República.

O governo, para assim poder ser chamado, tem de efetivamente governar. O ideal é que as decisões sejam tomadas exclusivamente pelo chefe ou por alguém por ele designado, mas com o seu conhecimento prévio. Até porque, será ele o responsável pelo sucesso ou fracasso da medida. Nenhum governo - federal, estadual ou municipal - pode abrir mão de sua função de mando. E quem tem legitimidade para mandar é somente aquele que, através do voto, recebeu a delegação direta do povo. Ministros e servidores, por mais categorizados que sejam, tem suas funções específicas, mas não a decisão. E se a tiverem, está errado.

O presidente Lula, por sua história política, consegue bons índices de popularidade mesmo quando acontecimentos do seu governo não ficam bem explicados ou remetem para a impunidade, tão comum no meio político-governamental. Mas não deve se esquecer que, até meses atrás, só governou sob os bons ventos da economia internacional. Agora vivemos um momento crucial onde toda cautela é necessária e a descredibilização do governo seria um grande prejuízo. A comunidade nacional espera medidas firmes e responsáveis para enfrentar a crise, que já nos atinge. Não basta discursos otimistas ou fazer de conta que o problema ocorre só no exterior.

Nossas indústrias já sentiram a queda nas exportações de seus produtos, as bolsas e o cambio já tiraram o sono de muita gente e ainda não ocorreram as medidas profundas e efetivas de desoneração fiscal, tanto reclamadas pelos diferentes segmentos da economia. Não precisamos que o governo dê dinheiro aos bancos ou ao empresariado, mas que reduza consideravelmente os impostos que hoje oneram a produção e o mercado de trabalho. É prematura e causa preocupação a movimentação de setores governamentais, e do próprio presidente, para viabilizar a candidatura da ministra Dilma Houssef. As eleições ocorrerão somente em outubro do próximo ano. Seria uma grande perda de tempo e de eficiência político-administrativa, ter candidatos desde já.

Todos precisam trabalhar seriamente para enfrentar a crise. Cabe ao presidente, com sua inconteste liderança, impedir que querelas entre ministros e candidaturas precoces venham a atrapalhar o enfrentamento da tormenta econômica. Se não o fizer, correrá o risco de potencializar, mais uma vez, a frase atribuída ao general De Gaulle, durante a sua visita ao Brasil em 1963, de que "Este não é um país sério"... E todos nós, brasileiros, sairemos perdendo.

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.