Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A clientelização do jovem negro

A clientelização do jovem negro

20/05/2016 Wagner Dias Ferreira

Divulgado na imprensa: em estatísticas apuradas entre 2004 e 2014, houve grande aumento nos homicídios em Minas.

Ao contrário do que ocorreu no Rio, São Paulo e Espírito Santo, que já gozou de altíssimos índices de homicídios proporcionalmente à população.

Especialistas explicaram que no final do Governo Aécio e em todo do Anastasia foram abandonadas ou sucateadas as políticas preventivas provocando o aumento.

A discussão precisa levar em conta também as estruturas do Estado que lidam com essa realidade. As políticas preventivas permitiriam que pessoas vitimadas por homicídios não chegassem a situações onde este fato pode ocorrer.

O abandono dessas políticas é sinal de desvalorização deste público mais vitimado: jovens negros, moradores de favela e periferias, que estão entre 16 e 24 anos. Principalmente se estes já tiverem sido “clientes” do sistema sócio educativo.

Noutro giro, os órgãos policiais são preparados para o confronto com um perfil específico de “clientelizados” pelo aparelho repressivo do Estado, polícias Militar e Civil, coincidentemente, jovens negros, moradores de favela e periferias, que estão entre 16 e 24 anos.

Vitimados em homicídios e clientelizados pela polícia como criminosos. Há menos de um ano, atuei em um júri onde demonstrando claramente que a pessoa, um jovem negro, entre 16 e 24 anos, fora incluído sem nenhum critério em uma acusação de homicídio, levando o júri a absolvê-lo.

Em situações onde a acusação era de roubo ou tráfico, julgado por um juiz togado, não houve misericórdia. As pessoas no exercício de atividades profissionais ligadas à área penal estão surdas ao discurso da vitimização do jovem negro e de sua clientelização pela segurança pública, mas é preciso continuar proclamando este argumento, para que ele comece a ser ouvido e assim possa repercutir nos processos efetivamente.

A CF/88 tem entre seus fundamentos a Cidadania e a Dignidade da Pessoa Humana. É fundamento da República garantir a todo jovem negro, entre 16 e 24 anos, morador de favela ou periferia a sua Cidadania e Dignidade de Pessoa Humana, de modo que além de garantir as medidas preventivas deve combater a filosofia de clientelização desses jovens imanente à ação dos órgãos de segurança pública, passando pelo Ministério Público e judiciário para instalar preceitos constitucionais humanitários.

Uma possibilidade concreta para reconhecimento desta condição do jovem negro, de 16 a 24 anos, que é indevidamente clientelizado pelos órgãos policiais quando suas situações são apreciadas pelo judiciário é, quem sabe, o reconhecimento em seu favor de que esta peculiaridade permita a aplicação do benefício do artigo 66 do CPB como atenuante genérica, como uma compensação enquanto não se instala nos órgãos policiais uma filosofia de ação totalmente cidadã que afasta preconceitos e discriminação, já existente nos perfis de vigilância elaborados nestes órgãos.

* Wagner Dias Ferreira é Advogado e Membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG.



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.