Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A crise dos 35 anos

A crise dos 35 anos

25/10/2023 Enzo Fachini

Dia 25 de outubro é um marco simbólico para a democracia brasileira.

A data remete ao assassinato do jornalista Vladimir Herzog, morto em 1975. E é em outubro, 13 anos depois de sua morte, que celebramos a promulgação da nossa Constituição Cidadã, em 1988.

Fosse a democracia uma pessoa, seria uma adulta apresentando sinais de crise de meia-idade. Para a história de um regime político, 35 anos parece pouco. No entanto, os desafios enfrentados pela nossa democracia são evidentes.

Paira no ar um descontentamento com o regime democrático em diversas nações ao redor do mundo, em especial nas democracias emergentes, como a brasileira, marcada pela corrupção, clientelismo e protecionismo institucional.

Não à toa o país assistiu, ano passado, pessoas questionando a legitimidade das urnas eletrônicas ou rogando pela tomada de controle do poder pelas forças armadas.

Apenas na última década, a população viu movimentos populares, como o Movimento Passe Livre, ocupar, legitimamente, as principais avenidas e espaços públicos do Brasil e, bem mais recentemente, viu os lamentáveis acontecimentos de 08 de janeiro, nossa releitura de “invasão do Capitólio”.

Goste-se ou não, concorde-se ou não, esses eventos, separados por quase 10 anos, são claros indicativos desse descontentamento com nosso regime político.

Nesse contexto, nossas instituições, que são os pilares da democracia, não estão isentas de responsabilidade.

Nosso Supremo Tribunal Federal parece sobrecarregado com sua função, similar à de corregedor geral da República. Nossa extensa Constituição abrange uma variedade de temas, para muito além das garantias individuais do cidadão.

Há abrigo constitucional para a organização de trabalho, o meio-ambiente, a proteção à criança, ao jovem, ao idoso, a família, a previdência social, as terras indígenas, o esporte, e até ao Colégio Pedro II, localizado na cidade do Rio de Janeiro.

Além disso, são diversos os mecanismos constitucionalmente previstos para provocar a análise do Supremo Tribunal Federal sobre algum desses assuntos, sendo também diversas pessoas legitimadas para acionar o Tribunal que, uma vez provocado, não pode deixar de decidir.

Nesse cenário, o STF constantemente se vê no centro das atenções nacionais, sendo verdadeiramente alta a probabilidade de que quase todos os assuntos da República sejam submetidos, em algum momento, para apreciação da mais alta corte de Justiça nacional. Se não bastasse, é também no STF que quase a totalidade de casos criminais de repercussão nacional são decididos, às vezes de forma incompreendida pela população geral, que não é formada por juristas.

Essa característica não agrada a todos, e é bem verdade que agradar não é função primordial do Supremo, já que seus Ministros não são eleitos e, portanto, não devem satisfações aos seus inexistentes eleitores.

Ainda assim, há uma parcela da população que entende como exacerbada as constantes intervenções do STF, levando a questionar a legitimidade e até a necessidade da Suprema Corte.

Certamente esse protagonismo não agrada parcela dos integrantes dos demais poderes, Legislativo e Executivo, esses sim legitimamente eleitos para representar o povo brasileiro.

A crescente tensão entre os poderes é evidente nas recentes decisões e propostas que desafiam o entendimento consolidado do STF sobre direitos fundamentais.

É o caso, por exemplo, da aprovação, por uma das Comissões da Câmara dos Deputados, da proibição do casamento homoafetivo, 10 anos após o Supremo ter estabelecido o direito ao reconhecimento de união estável por esses casais.

É da outra casa do poder legislativo, o Senado Federal, a proposta para incluir no texto constitucional a expressa proibição de posse ou porte de qualquer quantidade de drogas para consumo próprio.

A proposta surge em tom de duelo entre os Poderes, na medida em que o STF já firmou, recentemente, maioria para decidir sobre a descriminalização de drogas para porte pessoal.

Nessa briga de foice, o verdadeiro prejudicado é o cidadão. O embate entre as instituições é saudável para a preservação da democracia, pensada justamente em um sistema de freios e contrapesos.

Mas não da forma que é visto hoje, quando o que se parece é demonstrar quem deve ter a última palavra, ou quem aparenta ter mais força.

A frase atribuída à Winston Churchill, permanece intacta. A democracia é a pior forma de governo, à exceção de todas as demais.

Urge, no entanto, que haja um esforço para a retomada de prestígio das instituições democráticas, para que nossa democracia siga intacta, comemorando seus aniversários, e envelhecendo cada vez mais, como deve ser.

* Enzo Fachini é advogado criminalista, mestre e especialista em Direito Penal Econômico pela Fundação Getúlio Vargas.

Para mais informações sobre Constituição clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: M2 Comunicação Jurídica



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira