Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A escolha da profissão

A escolha da profissão

08/12/2018 Oscar D'Ambrosio

A sociedade oferece hoje oportunidades bem mais diversificadas do que as do século passado.

Cada vez existe um maior consenso de que somos obrigados a escolher no momento inadequado a profissão que abraçaremos teoricamente por toda a vida. No terceiro ano do ensino médio, pouco sabemos sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre nossas vocações, ainda mais num mundo tão dinâmico como o de hoje.

Além disso, a sociedade oferece hoje oportunidades bem mais diversificadas do que as do século passado. Áreas tradicionais, como engenharia, direito e medicina, têm múltiplas facetas e carreiras híbridas vem ganhando espaço num mercado de trabalho em que se multiplicam possibilidades – e nem todas associadas ao ensino superior.

Em visita ao KidZania, local de entretenimento e educação com mais de 20 centros no mundo como São Paulo, SP, crianças de 3 a 14 anos podem explorar livremente cada uma das 50 atividades disponíveis em uma área de mais de 8.500 metros quadrados. Pode-se experimentar por cerca de 20 minutos a vivência de cada uma das profissões citadas – e de muitas outras atividades profissionais.

É interessante verificar como, nesse espírito lúdico, as atividades de comunicação, por exemplo, ganham espaço e adesão das crianças, principalmente as atividades de youtuber, fotógrafo, radialista e jornalista. O desejo de fazer, de ser visto e de ser ouvido é grande, sinal de uma geração que deseja cada vez mais falar, se mostrar e ser vista. A questão é se alguém quer ouvir. É para pensar...

* Oscar D´Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…


Criptomoedas: O dinheiro do futuro ou o futuro do dinheiro?

Seja qual for futuro dos meios de pagamento, fato é: não podemos desprezar que as criptomoedas mudaram a maneira com que nos relacionamos com o dinheiro.


A polêmica nota de R$200,00

No dia 29 de julho de 2020, foi anunciado pelo Banco Central (BACEN) que, em agosto, será colocada em circulação a nota de R$200,00, que incorporará a imagem do lobo-guará.


Recalibrando sua estratégia de prevenção de fraudes para a nova realidade

Tal qual um automóvel, a detecção de transações criminosas em uma organização deve passar por revisões periódicas para aumentar sua eficiência.


Em tempos de pandemia, gestão de pessoas não é conversa, é ciência

Sou um curioso da gestão de pessoas. Ao longo desses anos como gestor, aprendi muito com os profissionais de recursos humanos com quem tive a honra de trabalhar.


Combatendo a violência contra a mulher

Na pandemia, houve o triste aumento de casos de violência contra a mulher.


Economia mais digital do que nunca

Pesquisas realizadas nos últimos meses apontam que o consumo em e-commerce cresceu mais de 40% desde o início da quarentena no Brasil.


O que será o Novo Normal?

Tem gente louca para voltar. E outros em pânico só de pensar em retornar.


A linha nada tênue entre liberdade de expressão e fake news

No longínquo 2008, quando, em meio a um enorme debate sobre a obrigatoriedade ou não de se ter um diploma para o exercício da prática jornalística, comecei a minha graduação, não existia o termo ‘fake news’, tão popularizado atualmente no Brasil e no mundo.


Não se educa calando

Estudei no colégio militar de Fortaleza, entre 1975 e 1981. Antes, fiz o Fundamental I na escola municipal Jenny Gomes, no bairro Aerolândia.


Pai todos os dias

Mais um Dia dos Pais se aproximando e isso deixa mais vivo na memória que minha filharada está tão longe, que a casa está vazia e isso dá uma saudade danada.