Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A imagem do caos

A imagem do caos

06/11/2016 Benedicto Ismael Camargo Dutra

O que acontece no Brasil também acontece no mundo.

No entanto, aqui a situação é mais sensível ainda porque sempre estivemos por baixo, sem que a elite dirigente se dispusesse a governar com justiça e seriedade. Cresce a insatisfação com a precarização geral.

O Brasil vive o apocalipse econômico porque os governantes não administraram os recursos de forma competente, pois o país está endividado e falta tudo, a começar pela saúde, educação e saneamento. As obras tiveram preços bem superiores aos aceitáveis.

Os encargos financeiros sufocam. Lamentável que tenha chegado ao extremo de, para conter a desfaçatez nos gastos, ser necessária uma PEC do teto. Se desde sempre os gestores tivessem pautado os gastos com parcimônia, de forma cuidadosa e eficiente, respeitando os limites das receitas, estaríamos muito à frente, sem dívidas e com estabilidade.

Orçamentos são elaborados, pois o papel tudo aceita, mas no final as dívidas e despesas financeiras aumentam. Não basta o controle das contas internas; para ser bem-sucedido o Brasil precisa organizar e equilibrar também as contas externas.

O descontrole leva ao atraso e caos. Fala-se em educar crianças para as finanças, mas os gestores públicos têm sido irresponsáveis na administração do erário. É preciso exigir eficiência nos gastos da união, estados e municípios.

O projeto da PEC deriva da necessidade de gerar sobras, pois se continuar de forma deficitária o país corre o risco de cair no endividamento incontrolável e no consequente desgoverno. O Brasil tem de sair do marasmo e ser uma pátria de seres humanos livres.

Até agora estamos em grande atraso. No caso do Haiti, a situação já era caótica antes mesmo de o país ser atingido por terremoto e furacão, devido ao desgoverno secular a que vem sendo submetido e que descuidou do preparo da população desesperançada, que não percebe bom futuro pela frente.

Falta tudo, a começar pela alimentação. O Haiti surgiu como um produtor escravagista para a Europa. Em 1804 declarou independência e concordou em assinar um tratado pelo qual pagaria à França a quantia de 150 milhões de francos a título de indenização.|

A dívida foi reduzida para 90 milhões, mas exauriu a economia do país. Tropas dos Estados Unidos ocuparam o Haiti entre 1915 e 1934 para proteger os interesses norte-americanos no país. O ditador Papa Doc, apoiado pelos Estados Unidos, aterrorizou a população.

Caos, decadência e degradação. Sem liberdade plena, o povo se fragilizou, ficando sem chances de evoluir. Quanto ao Brasil, é preciso cautela e atenção para não cair nessa rota destrutiva que acaba com o país. Governo e empresários precisam se encontrar para pôr a produção e o comércio em movimento através de empregos, educação e saúde, e organizar o equilíbrio das contas externas, juros e câmbio.

O nosso desenvolvimento está congelado desde os anos 1980 devido à crise da dívida externa. Até agora o equilíbrio não foi restabelecido. Enquanto os gastos e as dívidas aumentavam, a educação foi piorando, as indústrias perdendo força.

Estamos com poucas atividades remuneradas para jovens e adultos. O país se acha em dormência por falta de estadistas sérios. Na verdade, o mundo todo vive uma fase de acontecimentos inesperados que escapam ao controle.

São os chamados “cisnes negros” que representam a colheita do que foi semeado pela humanidade. No fundo são as ameaças decorrentes da superpopulação e seu rápido crescimento, e a decadência progressiva do materialismo, de esquerda ou direita, sem visão mais elevada, que vai deixando as novas gerações resvalarem para as sombras da vida vazia de propósitos e felicidade.

Como preparar os jovens para que surjam seres humanos de qualidade, espiritualmente fortes e responsáveis, benéficos a si mesmos e ao planeta?

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel e é associado ao Rotary Club de São Paulo.



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.