Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

24/11/2021 Giovanna Calvo

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.

Por isso, as Práticas Integrativas e Complementares (PICs), tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças, podem ser ferramentas se aplicadas de forma estratégica e direcionada, a fim de engajar o time e fazer com que o “sentir” e o bem-estar estejam mais presente no dia a dia das corporações.

A utilização de PICs é algo que vem se tornando uma tendência em diversos âmbitos, principalmente após à Covid-19, que nos fez repensar e adquirir novos hábitos.

Segundo uma pesquisa inédita da Fiocruz divulgada no último mês, 61,7% dos brasileiros  recorreram à práticas como meditação, fitoterapia, reiki, aromaterapia e homeopatia durante a pandemia.

Diante disso, seu uso no ambiente corporativo pode ser de grande ganho para todos os envolvidos. Porém, na busca pelo autodesenvolvimento de uma equipe é importante destacarmos um fator imprescindível e, muitas vezes, deixado de lado, a individualidade.

Isso porque as pessoas apresentam perfis completamente diferentes, enquanto uns possuem um perfil mais racional e pensante, outros são mais sensíveis ou ainda existem aqueles que são impulsionados à ação.

E essa diversidade deve-se ao fato de sermos o resultado dos chamados “três centros internos”, que incluem as seguintes ações: pensar, sentir e agir.

Desta forma, conhecer o público traçando os perfis a serem desenvolvidos de acordo com as necessidades de cada um é fundamental.

Para isso, é preciso, antes de mais nada, desenvolver mecanismos focados no modelo do público/colaborador que se deseja atingir, buscando entender seus interesses, preferências e gostos para que o aproveitamento seja otimizado e o treinamento mais eficaz.

Neste cenário, é necessário oferecer jornadas ou programas onde os colaboradores possam escolher entre quais as atividades desejam participar, de acordo com sua preferência e/ou aptidão.

Assim, cada um poderá sentir-se à vontade para optar pela modalidade de PICs que mais se adeque às suas necessidades. Mas, afinal, por onde começar um programa de desenvolvimento, envolvendo essas práticas?

Não existe, de fato, uma receita infalível para isso. Porém, uma boa forma de dar um pontapé inicial nessas ações pode incluir a criação de desafios semanais, reflexões diárias e desafios mensais.

Essas iniciativas são ótimas para introduzir e apresentar as PICs em ambientes corporativos. Comece com 10 minutos por dia, no início de uma reunião semanal que já existe, por exemplo, e, aos poucos, vá inserindo esses momentos na rotina da empresa.

Tudo feito de forma leve e humanizada, para que os colaboradores possam, cada vez mais, conhecer os seus limites e habilidades internas, além de ter mais bem-estar no seu dia a dia.

Para criar cada vez mais iniciativas nesse sentido, é interessante dispor de um programa bem estruturado, com treinamentos pensados para o dia a dia da organização onde será inserido, embasado e com profissionais preparados.

Além disso, desenvolver um treinamento vai além de ações, e inclui o uso de uma linguagem adequada para o ambiente corporativo em que será aplicado, trazendo.

Cada prática integrativa a ser escolhida deve ser justificada com argumentos satisfatórios e não serem apenas ações isoladas.

As PICs são uma excelente oportunidade de humanizar empresas e tornar mais leves processos anteriormente trabalhosos e levam o “sentir” aos treinamentos, propiciando melhores resultados.

E você, já incluiu alguma prática dessa no dia a dia da sua organização? Se não, o momento é agora!

* Giovanna Calvo é CMO da Naomm, empresa especializada em atendimento on-line em práticas integrativas e complementares (PICs).

Para mais informações sobre Práticas Integrativas e Complementares clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Bird Comunica



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.