Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A inevitabilidade dos dados: Uma perspectiva histórica

A inevitabilidade dos dados: Uma perspectiva histórica

20/05/2021 Marcelo Câmara

Há mais de 5 mil anos, os extintos sumérios sentiram a necessidade de gravar informações de uma forma mais perene do que a memória e comunicação oral.

Ao visitar museus pelo mundo, como The British Museum, em Londres, The Met, em Nova Iorque, ou o Louvre, em Paris, assim como os demais turistas, gosto de apreciar as obras famosas, mas também tenho uma atração particular pelos pequenos tesouros menos destacados que, por vezes, definem, direcionam ou referenciam a sociedade atual.

Nestes três exemplos de museus, por exemplo, há alguns dos mais antigos registros de dados criados por nossa espécie.

Há mais de 5 mil anos, os extintos sumérios sentiram a necessidade de gravar informações de uma forma mais perene do que a memória e comunicação oral.

Isso porque precisavam armazenar a representação de unidades de gado, peixe e medidas de grãos que passavam por seus armazéns. Era imprescindível, também, acompanhar em extratos o fluxo de têxteis, bebidas ou a ração diária.

Afinal, naquela época a sociedade já era comercial, e os administradores careciam de ferramentas para controlar as transações.

A tecnologia adotada foi a de placas de argila úmida nas quais se desenhavam representações das várias mercadorias acompanhadas de símbolos cuneiformes inventados para designar quantidades e conjuntos.

Era o protótipo de uma tabela relacional. Em alguns casos, havia atribuições a instituições e até mesmo a pessoas - provavelmente as primeiras menções escritas aos nomes próprios.

Contudo, ao contrário do que se possa pensar, não se referiam a reis ou ocupantes de cargos importantes, mas aos trabalhadores, escravos e prisioneiros, com detalhes, como idade e sexo, pois eram vistos como mercadorias e meios de produção.

Daquele momento em diante era possível manter uma coerência contábil e um desenvolvimento atuarial. Mesmo antes da linguagem escrita, nascia o registro de dados.

Esse breve resumo de como começou a era dos dados nos leva a uma reflexão: se há milênios dados já circulavam e ajudavam na organização e operacionalização da sociedade, o que estamos vivenciando não é novo, mas a evolução do aproveitamento e aplicação das informações impulsionada pela era digital.

Sim, embora comumente façamos uma sobreposição distraída, a era dos dados começou antes da era digital.

Os computadores receberam status de protagonistas na história recente, contudo eles só foram concebidos para cumprir um propósito similar à necessidade de nossos antepassados: processar os dados.

A sociedade evoluiu, a população aumentou. E, hoje, empresas, processos, máquinas e pessoas estão conectados direta ou indiretamente a processos digitais, o que basicamente exponencializou a fartura de informação.

É só olhar a nossa volta para evidenciar a inundação que nos envolve. Mas não adianta flutuar à deriva. Para que os dados tenham relevância, é necessário aproveitá-los ativamente, transformando-os em informações e em decisões.

Mais do que isso: uma das características daqueles - empresas e indivíduos - que terão mais sucesso é justamente saber escolher quais dados usar e como tratá-los para extrair significado, insights e valor, porque, infelizmente, uma boa parte das informações que circulam é ruído. Neste contexto, o primeiro desafio é distinguir o dado útil, do ruim. E essa não é uma tarefa trivial.

Saber distinguir quais dados devem ser usados, ter uma equipe com expertise para isso e ferramentas adequadas são fundamentais para iniciar esta jornada.

As possibilidades são inúmeras, já que a entropia dos dados tende a crescer com seu volume. A remediação para isso é introduzir metodologias sólidas para controlar essa tendência.

Partindo da perspectiva que já vivenciamos e apontando para o que ainda está por vir, o que eu quero dizer com este artigo é que administrar negócios sem a ajuda de dados não é mais uma opção. Aquela que não estiver usando dados para guiar o futuro, se tornará uma empresa do passado.

As empresas precisam ter seus processos desenhados para gerar dados sanitizados e acionáveis desde sua origem. Atingir essa maturidade requer robustez na arquitetura, infraestrutura, controle e análise.

O movimento mais certeiro para conseguir isso é criar uma estrutura cujo propósito seja lidar, curar, zelar dados até chegar ao estado da arte de poder transformá-los em receita.

* Marcelo Câmara é Chief Artificial Intelligence Officer da Certisign, IDTech especializada em identidade e segurança digital.

Para mais informações sobre dados clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)



Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?