Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A necessária agilidade para a tomada de decisões

A necessária agilidade para a tomada de decisões

12/11/2016 Hovani Argeri

O processo de ajuste fiscal, controle da inflação, retorno dos investimentos e crescimento econômico será longo e árduo.

Mas, apesar de todos os desafios, as empresas não podem ficar paralisadas e esperar um cenário otimista. Pelo contrário, os mercados estão mais acirrados e competitivos.

Portanto, tomar decisões acertadas e rápidas é fundamental para o sucesso e a perenidade das empresas. No cenário atual, desafios e ameaças tornam-se comuns a todos.

As dificuldades de alguns acabam por ser oportunidades para outros. Uma empresa pode ampliar seu business já incorporando novos clientes por meio de aquisições.

São oportunidades raras, mas que podem ser aproveitadas neste momento. A agilidade de raciocínio e poder de análise das oportunidades e riscos que antecedem a tomada de decisões acertadas é requisito essencial aos profissionais de nível estratégico e tático.

Esse fator afeta diretamente o resultado do trabalho desenvolvido. O processo decisório é crucial para as organizações. Desta questão emerge a necessidade de ferramentas nas organizações que deem suporte para que as decisões sejam corretas.

Primeiramente, é preciso entender que ao tomar uma decisão, o gestor não deve se basear apenas em seu instinto ou crenças, pois o processo abrange várias etapas: obtenção de dados, processamento de informações, geração de significado e, por fim, a decisão em si.

Há ainda três categorias de tomadas de decisão que se complementam para atingirem um objetivo específico: estratégicas, táticas e operacionais. Uma das principais ferramentas usadas neste processo é a análise Swot. A sua utilização permite analisar o cenário, conhecer os pontos importantes e irrelevantes e permite que a empresa se prepare para situações adversas.

Na matriz, são abordados quatro pontos: forças; fraquezas; ameaças e oportunidades. Apesar de sua simplicidade, a matriz pode ser utilizada inicialmente para a avaliação dos riscos que uma tomada de decisão pode gerar. Outra ferramenta interessante e prática e o conhecido Diagrama de Causa e Efeito, ou Diagrama de Ishikawa.

O seu formato (espinha de peixe) possibilita estruturar as causas e consequências de um determinado problema, pois consiste em uma representação gráfica das ações; causas e subcausas de determinados problemas. Além disso, o diagrama serve para identificar as necessidades e prioridades para a busca da solução.

No entanto, também deve ser visto como um passo inicial para analisar as consequências da decisão. Existem diversas ferramentas que auxiliam no processo decisório. A grande maioria, porém, não aborda todas as variáveis necessárias para que o gestor se assertivo.

Neste sentido, uma poderosa ferramenta é a do TCO – custo total de propriedade. Tal levantamento envolve uma série de variáveis que possibilitarão a previsibilidade dos retornos e gastos de um investimento ao longo do tempo.

No entanto, por mais óbvia que seja a importância deste tipo de gestão, pesquisas apontam que somente 3% das empresas brasileiras levam em consideração tal mecanismo ao definir pela compra de um produto ou serviço.

Para conseguir tomar decisões rápidas e corretas, é preciso analisar as diferenças do investimento total que um bem ou serviço pode demandar com o passar dos anos, os prejuízos que podem gerar e os custos de produção – que, se repassados aos clientes, comprometerão a competitividade e, consequentemente, a sustentabilidade do negócio. Tal avaliação só é possibilitada através do TCO.

* Hovani Argeri é diretor comercial da Divena Caminhões.



Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).