Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pregação de um ingrato

A pregação de um ingrato

22/08/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

Os políticos, candidatos e especialmente o ex-presidente Lula, têm se ocupado em criticar a imprensa.

Utilizam o horário eleitoral gratuito para insurgir contra os veículos de comunicação, classificando-os como “partidos de oposição”. Nada mais injusto quando dito por alguém, como o ex-presidente que, desde o emergir do sindicalismo no final dos anos 70 e em toda a sua trajetória, foi agraciado com largos espaços nos veículos de comunicação. O que teria mudado entre os velhos tempos da “luta democrática” e hoje?

Não é a primeira vez que Lula bate contra a imprensa. No final do seu segundo mandato presidencial, ele já tentou impor à nação uma legislação onde o governo poderia controlar e amordaçar os veículos de comunicação. Só não o fez porque houve reação da sociedade, mas deixou a semente que permanece à espera de germinação nos canteiros do Planalto.

É preciso entender que a imprensa livre é um dos pressupostos da democracia. Sempre que ocorre um retrocesso, independente de sua ideologia – tanto faz se de esquerda ou de direita – o primeiro ato é censurar a imprensa. Depois vêm s suspensão do parlamento e outras conseqüências. No Brasil contemporâneo, todas as mazelas que têm sido levadas ao conhecimento da população e, na medida do possível, submetidas à apuração do Judiciário, só são descobertas graças ao trabalho da imprensa livre e destemida, mesmo com todas as pressões que sofrem jornais, emissoras de rádio e televisão e jornalistas. Sem essa atividade, os malfeitos continuariam e os malfeitores seguiriam impunes.

A imprensa brasileira tem tradição de serviço e luta. Esteve presente em todas as grandes transformações. Sofreu revezes e incompreensões mas, na somatória dos acontecimentos, é vitoriosa, na medida em que o país avançou. Denunciar as mazelas é sua obrigação, assim como os governantes têm o dever de governar e o judiciário de julgar. Essa atividade não deve ser encarada em caráter pessoal e nem classificada como militância, pois se trata apenas da natureza da atividade. É, sim, a luta pelo aperfeiçoamento do serviço público e pelas mudanças aspiradas na sociedade.

Lula, por certo, não acha ter sido opositora ou até golpista a imprensa que, cumprindo a finalidade, deu guarida à sua pregação contra os governos militares e civis que antecederam sua posse na presidência da República.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso