Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A reforma da máquina pública

A reforma da máquina pública

12/08/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.

É uma necessidade reconhecida desde os tempos de FHC, que passou por Lula e Dilma, sem pelo menos tentarem realizá-la, chegou a ser proposta por Temer, mas o seu governo não teve força para fazer o projeto avançar.

Agora, na tramitação pelo Senado, a novidade é a tentativa de incluir estados e municípios, que ficaram fora nos turnos da Câmara.

Conseguido isso, estará solucionada a sustentabilidade do sistema de seguridade em todos os níveis, já que a maioria dos entes federados opera o sistema com déficit e sua inclusão só ficou de fora em razão dos interesses de governadores e parlamentares em relação às eleições do próximo ano.

Para não ficarem mal com o funcionalismo a quem vão pedir votos, preferiram ignorar o problema e, por omissão, condená-los à penúria.

A nova realidade aconselha, a partir de agora, austeridade para evitar criar novas normas e benefícios que voltem a tirar o sistema dos trilhos.

Espera-se, também, que governo, deputados e senadores se debrucem com empenho sobre a reforma tributária e outras igualmente necessárias, que são pedras de toque para a volta do desenvolvimento.

O país é um dos maiores cobradores de impostos do mundo e, mesmo assim, amarga o déficit público. Isso indica que, em paralelo à mudança do quadro tributário para torná-lo mais justo com os contribuintes, é preciso fazer a reforma administrativa onde sejam eliminadas gorduras da máquina estatal.

Além dos milhares de cargos criados prioritariamente para acomodar indicados políticos, é preciso rever a necessidade de funcionários em cada repartição e, ainda, eliminar ou reduzir os conselhos que pagam polpudos jetons e servem apenas para proselitismo de ordem ideológica e, muitas vezes, nem para isso. O povo não pode pagar a conta da ideologia dos governantes.

Desde 1985, quando os militares devolveram o poder aos civis, a demagogia correu frouxa. Governantes ideológicos e temerários, com o mote de se parecerem democráticos, incharam a máquina estatal de conselheiros e assessores totalmente desnecessários.

Criaram órgãos de representação popular e outros mecanismos que não serviram para melhorar em nada a prestação de serviços. Agora, que mudou a orientação ideológica, o governo acena com a eliminação desses penduricalhos.

É importante que isso seja feito, mas não deve representar apenas o oposto do que fizeram os democratas pós-85.

Ao desinchar a máquina pública, o governo deve aproveitar para incorporar novas tecnologias, reciclar e valorizar o funcionalismo de carreira e, com isso, garantir melhor prestação de serviços à coletividade.

Importante: essa modenização da máquina não deve ser apenas federal. Estados e municípios também dela necessitam para se enquadrarem aos novos e competitivos tempos de globalização.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa