Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Água: sem ela, deixaríamos de existir

Água: sem ela, deixaríamos de existir

07/07/2015 Floriano de Lima Nascimento

“Nenhuma questão é mais importante do que a da água”, diz Frei Leonardo Boff, pois dela depende a sobrevivência de toda a cadeia da vida e, consequentemente do nosso próprio futuro.

Especialistas e grupos de humanistas já sugeriram um pacto social ao redor daquilo que é vital para todos: “independentemente das discussões que envolvem o tema, não podemos ignorar um fato indiscutível: a água é um bem natural, vital, insubstituível e comum a todos os seres viventes”. Deve ser considerado crime contra a humanidade a privação, por quaisquer meios, da água utilizada para beber ou para uso medicinal, de higiene, etc. Todas as pessoas físicas ou jurídicas, detentoras de reservas privadas de água, deveriam reservar, em princípio, pelo menos, 20% dessas reservas para fins de consumo da população.

Ora, segundo opinião do já citado Frei Leonardo Boff, posta a questão nesses termos, cabe-nos agir com todo empenho ao nosso alcance para fortalecer, valorizar, ampliar, melhorar a qualidade e fazer chegar a um número cada vez maior de pessoas os benefícios da água tratada e acessível ao público.

Nenhum desafio é maior, neste momento, do que a escassez da “água de beber”,  colocada em risco pelos desmandos de uma civilização descuidada e, em muitos casos, francamente irresponsável e omissa diante da obrigação de proteger os recursos naturais do Planeta Terra.

O que temos feito para proteger o meio ambiente – as águas, as matas, a atmosfera e o ar que nos permite viver? Sabemos que há irresponsabilidade, em muitos casos criminosos, na maneira como são tratados os recursos naturais no Planeta, os únicos capazes de assegurar a sustentabilidade da vida. 

Mas tudo deve ser feito com urgência, dado a gravidade da situação a que chegamos! Vamos unir esforços para evitar o que pode vir a ser a maior catástrofe do nosso planeta! Para essa tarefa, estão convidados os governos estaduais e municipais, além de entidades privadas capazes de oferecer soluções. Esta é mais uma campanha de O Debate! Envie sua sugestão!

Aqueles que nunca se preocuparam em cuidar seriamente dos recursos hídricos certamente adotarão uma atitude mais responsável a partir de agora: guerras, super povoamento do Planeta,fome e outras ameaças, sem deixar de ser trágicas, cedem lugar a um fenômeno que já está tirando o sono de muita gente: a escassez do precioso liquido: nenhum desafio é maior, neste momento, que a crise hídrica, já resultante de desmandos de uma civilização descuidada e, em muitos casos, francamente irresponsável e omissa diante da obrigação de proteger os recursos naturais do planeta em que vivemos.

Afinal de contas, o que temos feito para proteger o meio ambiente – as águas, as matas, a atmosfera e o ar que nos permite sobreviver?



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.