Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Água subterrânea pode fazer diferença

Água subterrânea pode fazer diferença

19/05/2015 Floriano de Lima Nascimento

O professor Duarte Costa faz um alerta sobre a crise da água.

Os estudos sobre o meio ambiente, intensificados nas últimas décadas não deixam dúvidas sobre a vulnerabilidade do nosso planeta diante de agressões causadas ao mesmo: desperdício de água, destruições de fontes, queimadas e outras agressões ambientais acabam por enfraquecer, pouco a pouco, as defesas naturais do planeta, criando uma situação de risco para todos os seres humanos.

Tomamos a iniciativa de escrever este artigo depois da crise hídrica que começa a ameaçar até a água que bebemos.

Em nosso entendimento, já passou da hora de se impedir a qualquer custo truculências capazes de poluir a água, desmatar florestas e outras barbaridades. É preciso deixar claro aos transgressores que eles pagarão um alto preço pela depredação e poluição da natureza, que é um bem de todos, felizmente.

A crise da água é algo que deve ser analisado com grande cuidado e responsabilidade. Nem precisamos dizer ao leitor o que significa um fato dessa natureza - impensável até alguns meses atrás.

Animou-me a escrever estas linhas um artigo de autoria do Sr. Walter Duarte Costa, que discorreu em jornal de Belo Horizonte sobre um tema ao mesmo tempo raro e importante, ou seja, a água subterrânea: de acordo com o doutor Walter Duarte, hidrogeólogo, geotécnico e professor da UFMG, nesta época em que os augúrios climáticos têm trazido transtornos e inquietações à população, “surge, a cada dia, no âmbito governamental ou no privado, uma solução tida como salvadora para sanar os malefícios conseqüentes da redução de nossas responsabilidades hídricas.

Entre elas têm sido mencionada a captação de água subterrânea, embora sua adoção exija grande cautela, pois a abertura indiscriminada de poços sem os estudos necessários pode constituir um irreparável dano ambiental, de conseqüências nefastas, não apenas do ponto de vista financeiro, mas também pelo risco que pode ser imposto à saúde.

*O autor é Redator-chefe de O Debate, escritor e professor de Direito Econômico,  Membro do  Instituto Histórico e Geográfico e da Arcádia de Minas Gerais e ex-presidente da Fundação Brasileira de Direito Econômico.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.