Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Aos poucos, a liberdade se esvai

Aos poucos, a liberdade se esvai

04/11/2015 Julio dos Santos

Consta que grande parte da população russa jamais soube da existência dos gulags e, por não ter a certeza de sua existência, não puderam acusar o seu grande líder, Stalin, de um ato tão desumano – afinal, ele estava fazendo a revolução para melhorar a vida do povo.

Consta que a população da União Soviética jamais teve a certeza de que milhões de ucranianos foram dizimados pelo seu governo e que toda notícia ruim vinda desta região nada mais era do que difamação.

Consta que, ao fim do regime nazista na Alemanha, havia uma significativa parcela da população alemã que não tinha a certeza sobre se existiam campos de concentração.

Dizem que estas pessoas jamais acreditaram em tamanha atrocidade porque Hitler foi eleito dentro do processo democrático, então não teria poder para aniquilar milhões de cidadãos.

Consta que em Cuba, durante todos estes anos de comunismo, jamais deixou de haver intelectuais com alto grau de instrução que defendessem o regime de Fidel, dizendo que o povo está melhor com ele.

Isto ocorre porque não há certeza de que a população realmente pudesse estar melhor se estes vivessem num ambiente de liberdade. Na Venezuela, em nenhum momento, houve a ruptura para a criação de um regime ditatorial. Nunca foi dito que, a partir de determinado instante, o país estaria sobre as arbitrariedades de um ditador.

Porém, mesmo estando sob ditadura, uma parcela significativa da população ainda apoia um ditador, pois não há certeza se ele realmente é um ditador. Na verdade, estes exemplos simples e diretos mostram que, mesmo havendo uma parcela expressiva da população apoiando um ditador, jamais eles aceitarão que é um ditador.

Parte da população, vivendo sob um véu de inocência, infantilidade e negação da realidade, jamais aceitará os passos mais que evidentes que um ditador segue em seu caminho.


Estas pessoas se escondem atrás da busca por uma certeza que não existe: a revelação pública do ditador sobre as verdades dos seus planos. Os passos para um regime ditatorial são dados de forma cuidadosa, adaptando à realidade local, atacando, ponto por ponto, as instituições vigentes até que este alcance o poder almejado.

Parte destes defensores do regime poderá deixar de seguí-lo, assim que fossem se dando conta do seu poder; talvez até a maioria se dê conta tarde demais das reais intenções do governante, porém alguns alertas são importantes: 1. jamais haverá o momento em que o ditador confessará ser um ditador; 2. sempre haverá pessoas que defenderão o regime; 3. sempre haverá a possibilidade de o regime intensificar seu modo de atuação.

Desta forma, respondendo a pergunta que já me foi feita, se estamos sob um regime ditatorial, digo: não sei, pois não existe o tal ponto de corte, mas é certo que parte das medidas necessárias para o início do tal regime já foi colocada em prática e parte da população está aplaudindo este grupinho de tiranos.

“Aqueles que não podem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo” (George Santayana)

*Julio dos Santos é Especialista do Instituto Liberal, graduado em Administração de Empresas pela PUCRS, Pós-graduado em Economia Empresarial pela UFRGS e Membro Honorário e Colunista do Instituto Atlantos.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.