Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Atendimento no Call Center: Prioritário ou Deficitário?

Atendimento no Call Center: Prioritário ou Deficitário?

29/05/2010 Ricardo Sleiman

Dizem que o principal problema no setor de Call Center está na operação, que muitas vezes não está preparada e até não busca conhecimentos para manter e aprimorar um bom relacionamento com o cliente.

Prefiro arriscar e dizer que o grande problema está na relação das centrais de atendimento com suas equipes. Afinal, quando os profissionais de sua empresa trazem inexperiência ou atitudes diferentes da que você busca para conquistar seu espaço em meio a tanta competitividade, a saída está na demissão ou...no treinamento permanente de seus colaboradores.

Sim, é verdade que o setor de Call Center treina seus operadores, mas não nos parâmetros necessários para a verdadeira retenção não apenas do conhecimento, mas do público que, diariamente, recebe as ligações ou entra e contato com uma marca a fim, apenas, de resolucionar o seu problema.

A lei do SAC e do bloqueio de ligações chegaram e foram impostas em decorrência da falta de profissionalização do setor. Foi preciso implantar uma obrigatoriedade legal para não fazer o cliente esperar na linha? E ainda mais, possibilitar ao mercado escolher se quer ou não receber ligações de determinada empresa? Novamente aqui justifico esses processos por conta do olhar apenas em uma marca e não a tudo que está envolta dela.

Até novembro de 2009, de acordo com dados da própria ZipCode, mais 540 mil telefones foram cadastrados no site da Fundação PROCON-SP por mais de 300 mil usuários. Da capital, mais de 270 mil telefones foram registrados (50%), do interior, mais de 150 mil (28%), da região metropolitana, mais de 92,8 mil (18%), oriundos do litoral são mais de 16 mil (3%) e não identificados, 5,47 mil (1%).

Isso é reflexo da falta de investimento em algo que vai muito além do telemarketing. As pessoas são o maior patrimônio das empresas. Artigos de líderes em gestão estão aí para serem lidos quase que diariamente e evidenciam continuamente a importância do investimento nos profissionais, muito além de ressaltar tantas e tantas vezes o institucional e os produtos que uma marca comercializa. Ora, antes de “empurrar” os valores e serviços de uma organização, é preciso saber fazer como a sua mensagem chave chegará ao seu público alvo.

O setor de Call Center tem algo ainda mais particular. O be-a-bá da tradicional linguagem “marketeira” nos tediosos treinamentos aos operadores que vão e vêm às empresas do setor, não só pode, como deve ganhar inovação, trazer recursos que demonstrem que o operador é a peça chave para fomentar cadastros e vendas.

O trabalho é conjunto, da central terceirizada e da marca que investe em cada PA (Ponto de Atendimento). Se você treinar pensando em explicar ao operador que, por exemplo, palavras como “infelizmente” e conceitos como “sorria ao atender ao cliente, ele sentirá a entonação em sua voz”, são fatores chave para conquistar seu target, estará certamente fadado ao fracasso. Ou mesmo tempo, evidenciar a qualidade de seu produto mostrando a ele que deve transmitir que é o melhor perante todos os concorrentes, estará, nada mais, nada menos, sendo repetitivo. Principalmente se ele tiver, ainda que seja pouco, um mês de experiência em outro call center, onde ouviu as mesmíssimas coisas.

A aplicação do treinamento com esses profissionais deve estar centrada num âmbito estratégico, porém didático. Sabemos que, na maioria dos casos, arrumar um emprego de operador de atendimento/ telemarketing é apenas uma passagem para galgar novos rumos. Esse profissional enxerga o call center como uma experiência, ele não pensa em passar a vida nessa central, aliás, ele até a enxerga da mesma forma “preconceituosa” que enxergamos. Mais uma vez, fruto da falta de estratégia em prepará-lo para visualizar a relevância de seu cargo, bem como as expectativas de crescimento que pode ter, desde que avaliado prioritariamente pelas empresas.

O vai e vem desses operadores, além de não ir ao encontro da solidificação de uma marca via telemarketing, ocasiona em um problema ainda maior: a retenção do conhecimento. Ele foi embora e o que levou? Toda bagagem obtida em seu tempo de estadia na operação. Resultado: mais investimentos em novos treinamentos, ainda de maneira errada, junto a novos profissionais, que virão e irão embora como os outros. O turn over é um dos principais motivos de ‘dor de cabeça’ das empresas do setor, já que a troca constante de colaboradores onera novos e grandes custos. Tudo isso impacta diretamente nos resultados de negócio das companhias.

O que acontece, frequentemente, é que os atendentes possuem informação, mas, na maior parte do tempo, ela está espalhada, difícil de acessar, pouco confiável ou ‘útil’ para a situação, tornando o atendimento robotizado, sem personalização e muito mais demorado. É preciso, acima de tudo, conversar periodicamente e entender aqueles que conhecem quais são os maiores gargalos e problemas, ou seja, quem está ouvindo diariamente o cliente e, assim,  modelar sua apresentação da forma mais eficiente para aquela atividade.

Somente em julho deste ano, o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor recomendou uma multa de R$ 300 milhões a cada uma das operadoras de telefonia do Brasil por "danos morais coletivos". A solução está na formação e capacitação dos profissionais do setor de forma ágil e prática, baseada em pessoas, processos e tecnologia. As empresas devem contribuir para o engajamento desses profissionais, dando-lhes ferramentas para despertar atitudes que apoiem os desafios organizacionais.

Com a Lei do SAC, tornou-se imprescindível criar processos efetivos para atender à nova regulamentação. Padronizar o atendimento é, sem dúvida, a ação que deve ser priorizada e engana-se quem pensa que as empresas já estão completamente adaptadas às novas regras. Em suma, a prioridade ainda é deficitária.

* Ricardo Sleiman é CEO da ZipCode, uma das principais empresas de marketing direto do país – e-mail: [email protected]



Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.