Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cajamarca e a origem do atraso

Cajamarca e a origem do atraso

06/10/2020 José Pio Martins

No dia 16 de novembro de 1532, o conquistador espanhol Francisco Pizarro, liderando um grupo de 168 soldados esfarrapados e sem conhecer o terreno, adentra a cidade de Cajamarca, nas montanhas do Peru, e trava intensa batalha contra o exército de 80 mil homens do imperador inca Ataualpa.

O que parecia impossível aconteceu: na batalha, 168 espanhóis aniquilaram um exército de 80 mil índios, sem perder um único espanhol.

Nesse episódio está parte da explicação de por que a Europa dominou a América, e não o contrário.

Embora com apenas um soldado espanhol para cada 476 guerreiros nativos, Pizarro venceu os inimigos, capturou o grande líder Ataualpa e subjugou a região. Como isso foi possível é a questão.

A superioridade militar de Pizarro estava nas espadas de aço, nos cavalos, nas armaduras metálicas e em outras armas, enquanto as tropas de Ataualpa nem sequer tinham domesticado o cavalo, lutavam a pé, com pedras, tacapes de madeira, machados, bodoques e panos acolchoados como armaduras.

A tragédia de Cajamarca, em que um líder, quase um deus, é abatido junto com seu exército de 80 mil soldados por um conquistador espanhol à frente de menos de 200 soldados esfarrapados e cansados, deixa uma lição essencial: o que faz a diferença é a tecnologia e o capital físico.

Se os governantes da América do Sul tivessem entendido isso há três séculos, talvez esta parte do mundo já teria superado a pobreza e o atraso econômico e social.

O Brasil, ainda que sentado sobre imensas riquezas naturais, somente sairá do estado de miséria e subdesenvolvimento quando conseguir aumentar substancialmente o capital físico e ampliar em muito o conhecimento tecnológico.

Sem isso, mesmo que todas as ideologias e todos os partidos um dia cheguem ao poder, a pobreza não será superada, pode apenas mudar de face.

Não nos iludamos. O Bolsa Família, conquanto útil e necessário, é um programa que distribui apenas R$ 29 bilhões/ano a 13,9 milhões de famílias.

Isso é menos que 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) e serve para mitigar a fome momentânea de alguns, mas está longe de ser receita de sucesso.

O que essas pessoas precisam é de educação, treinamento e oportunidade de trabalho. O Bolsa Família não tira ninguém da pobreza nem deve ser um ideal de vida dos pobres.

O Brasil está atualmente com 12 milhões de desempregados. Quando a economia melhorar, essas pessoas poderão voltar ao mercado de trabalho, mas irão trabalhar com baixo nível tecnológico e sobre uma estrutura de capital físico insuficiente e envelhecida, tanto na infraestrutura física (transportes, portos, aeroportos, energia) quanto na infraestrutura empresarial (máquinas, equipamentos, fábricas, prédios e empresas) e na infraestrutura social (escolas, hospitais, postos de saúde, instituições de assistência).

A origem do atraso é conhecida e a receita de superação também, e é estúpido brigar com os países desenvolvidos e se isolar.

O Brasil precisa importar urgentemente tecnologias e máquinas inventadas no resto do mundo, pois a posse de capital físico e o domínio da tecnologia fazem a diferença há muito.

O episódio de Cajamarca é apenas um exemplo do quanto isso é verdade. A receita é a inserção internacional, a interdependência e a cooperação.

O protecionismo e o nacionalismo são doenças do atraso, são ideologias ultrapassadas contra os interesses nacionais.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.