Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

Como a crise ajudou na popularização do Bitcoin?

24/09/2020 Daniel Coquieri

Com a notícia da pandemia do coronavírus todo o mercado de investimentos tradicional e digital foi impactado com a notícia.

Sendo assim, as criptomoedas também sentiram a queda de mais de 50% do preço do Bitcoin e também uma grande perda no tamanho da capitalização do mercado.

Porém, o que chamou muito a atenção dos investidores foi a rápida recuperação que a criptomoeda teve em relação aos outros ativos tradicionais.

Motivada pela descentralização do setor, ou seja, diferente do dólar ou ações, que dependem das decisões de um governo, o Bitcoin não é interferido pelo isolamento social e fechamento do comércio, e sim, pela oferta e procura.

E foi isso que acarretou na queda no início da pandemia, pois no desespero, as pessoas optaram por tirar suas aplicações em Bitcoins para acessar suas moedas fiduciárias e pagar contas, gastar com emergências.

O fato de o mercado de criptomoedas estar performando acima dos demais e a queda menor do que nas grandes bolsas do mundo, trouxe destaque e um olhar curioso dos investidores.

O número de notícias sobre o Bitcoin cresce, pessoas interessadas em conhecer o setor e estudando sobre ele também foram pontos que auxiliaram na popularização do ativo durante a crise.

Outro aspecto que chamou a atenção do mercado foi o Halving, evento que acontece de 4 em 4 anos e que interfere, diretamente, no valor do Bitcoin.

O halving corta pela metade a emissão de novos Bitcoins no blockchain, fazendo com que diminua a quantidade da moeda digital no mercado e, com a procura, aumente o valor de negociação.

Diante desse interesse de novos investidores e a pouca idade do mercado de criptomoedas, é importante destacar também que carecemos de iniciativas de educação financeira, que têm crescido nos últimos anos auxiliando na popularização do setor.

Com as moedas digitais, assim como qualquer investimento, é necessário entender o mercado, a volatilidade da moeda, como funciona a tecnologia blockchain e quais as vantagens desse tipo de investimento, já que trata-se de um sistema totalmente disruptivo.

Um outro ponto que tem sido cada vez mais combatido pelas corretoras e positivo para a popularização da moeda é a segurança. O uso de criptomoedas para fins ilícitos é um grande impeditivo para a propagação desta modalidade.

E cada vez mais a segurança e alertas com golpes tem vindo a tona, fazendo com que o investidor tenha mais segurança no mercado, aumentando então, a disseminação da moeda.

Mas a grande lição que a pandemia trouxe aos investidores do mercado criptoativo foi entender a importância de analisar as aplicações em Bitcoins a longo prazo, graças ao seu potencial de impacto em termos de tecnologia.

E vale lembrar que o ideal não é comprar tudo de uma vez. Separe seu investimento em alguns pedaços e faça compras parciais com o tempo, aproveitando as quedas que acontecem no ativo.

* Daniel Coquieri é COO e cofundador da BitcoinTrade, corretora especializada no mercado brasileiro de criptomoedas.

Fonte: NR-7 Comunicação



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.