Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como lidar com as decepções profissionais

Como lidar com as decepções profissionais

18/05/2016 Jaques Grinberg

Muitos profissionais, empregados ou não, já sentiram-se decepcionados.

Como lidar com as decepções profissionais

Podemos traduzir para desapontados ou enganados com uma situação ou promessa não realizada. É fácil culpar terceiros por uma decepção, o chefe ou colegas de trabalho.

Alguns, culpam os clientes e outros muitas vezes nem sabem quem culpar. A decepção acontece quando algo que esperávamos acontecer não acontece.

Veja 7 dicas para aprender a lidar com as decepções e sofrer menos.

1. Espere menos e faça muito mais.

Quando a expectativa é menor, as chances de uma decepção também são menores. E quando você espera menos e faz muito mais, diminuí muito as chances de decepcionar-se. O grande erro de muitos profissionais é esperar muito e nada fazer para ter o resultado esperado.

2. Faça por você, não espere um obrigado.

Os profissionais que faz o que precisa ser feito, sem esperar um agradecimento do chefe ou elogios dos colegas conseguem trabalhar com mais satisfação.

3. Estude muito e esteja preparado para novos desafios.

Independente da sua profissão e responsabilidades, em um mundo globalizado e competitivo, é importante acompanhar as mudanças. Tempo de profissão já foi um diferencial competitivo, atualmente é o conhecimento, facilidade de trabalho em equipe e flexibilidade que tornam um profissional requisitado.

4. Seja curioso e criativo. Pergunte e descubra coisas novas todos os dias.

Qual foi a última vez que você participou de uma palestra, leu um livro ou pesquisou na internet informações para o seu trabalho render muito mais. O que os seus clientes, seus colegas e o seu chefe pensam do seu trabalho é o mesmo que você pensa? Existem formas de fazer o seu trabalho mais rápido e com uma qualidade superior? Seja curioso e criativo, responda estas perguntas com duas ou três possibilidades diferentes.

5. Acredite no seu potencial.

Todos nascem igual, não existe sorte, existe força de vontade. Ganhar na loteria é probabilidade. O jogador tem que investir tempo para ir até uma lotérica, pensar e escolher os números para jogar, arriscar e pagar o valor do jogo para ter chances de ganhar.

E quando ganha, todos dizem que é sorte. Sorte é ganhar na loteria sem jogar. Podemos trazer este conceito para a empresa, como por exemplo, aquele colega que foi promovido e todos dizem que é sorte ou “puxa saco”. O que ele fez e tem de diferente para ter sido promovido?

6. Não tenha medo do que ainda não aconteceu.

Ter medo do que ainda não aconteceu é mais comum do que você imagina. Ter medo de perder o emprego é um dos fatores que geram a decepção profissional. Quando um profissional acredita que irá perder o emprego o seu rendimento cai e falhas no serviço começam a acontecer.

Quando perde o emprego a culpa é dos colegas, do chefe que não gostava dele ou da crise. O profissional esquece de avaliar o seu desempenho negativo por causa de um medo que não existia, mas aconteceu somente por causa deste medo.

7. Sorria mais.

Sorrir é o melhor remédio para a vida. Deu certo, sorria e festeje o resultado. Deu errado, sorria e conserte. Aprender a assumir os erros e comprometer-se a corrigi-los é para poucos profissionais que destacam-se e diminuem as chances de novas decepções. Viver bem é sorrir para viver. Experimente!

* Jaques Grinberg é empreendedor, coach, palestrante, consultor e sócio em quatro empresas.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.