Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como lidar com as decepções profissionais

Como lidar com as decepções profissionais

18/05/2016 Jaques Grinberg

Muitos profissionais, empregados ou não, já sentiram-se decepcionados.

Como lidar com as decepções profissionais

Podemos traduzir para desapontados ou enganados com uma situação ou promessa não realizada. É fácil culpar terceiros por uma decepção, o chefe ou colegas de trabalho.

Alguns, culpam os clientes e outros muitas vezes nem sabem quem culpar. A decepção acontece quando algo que esperávamos acontecer não acontece.

Veja 7 dicas para aprender a lidar com as decepções e sofrer menos.

1. Espere menos e faça muito mais.

Quando a expectativa é menor, as chances de uma decepção também são menores. E quando você espera menos e faz muito mais, diminuí muito as chances de decepcionar-se. O grande erro de muitos profissionais é esperar muito e nada fazer para ter o resultado esperado.

2. Faça por você, não espere um obrigado.

Os profissionais que faz o que precisa ser feito, sem esperar um agradecimento do chefe ou elogios dos colegas conseguem trabalhar com mais satisfação.

3. Estude muito e esteja preparado para novos desafios.

Independente da sua profissão e responsabilidades, em um mundo globalizado e competitivo, é importante acompanhar as mudanças. Tempo de profissão já foi um diferencial competitivo, atualmente é o conhecimento, facilidade de trabalho em equipe e flexibilidade que tornam um profissional requisitado.

4. Seja curioso e criativo. Pergunte e descubra coisas novas todos os dias.

Qual foi a última vez que você participou de uma palestra, leu um livro ou pesquisou na internet informações para o seu trabalho render muito mais. O que os seus clientes, seus colegas e o seu chefe pensam do seu trabalho é o mesmo que você pensa? Existem formas de fazer o seu trabalho mais rápido e com uma qualidade superior? Seja curioso e criativo, responda estas perguntas com duas ou três possibilidades diferentes.

5. Acredite no seu potencial.

Todos nascem igual, não existe sorte, existe força de vontade. Ganhar na loteria é probabilidade. O jogador tem que investir tempo para ir até uma lotérica, pensar e escolher os números para jogar, arriscar e pagar o valor do jogo para ter chances de ganhar.

E quando ganha, todos dizem que é sorte. Sorte é ganhar na loteria sem jogar. Podemos trazer este conceito para a empresa, como por exemplo, aquele colega que foi promovido e todos dizem que é sorte ou “puxa saco”. O que ele fez e tem de diferente para ter sido promovido?

6. Não tenha medo do que ainda não aconteceu.

Ter medo do que ainda não aconteceu é mais comum do que você imagina. Ter medo de perder o emprego é um dos fatores que geram a decepção profissional. Quando um profissional acredita que irá perder o emprego o seu rendimento cai e falhas no serviço começam a acontecer.

Quando perde o emprego a culpa é dos colegas, do chefe que não gostava dele ou da crise. O profissional esquece de avaliar o seu desempenho negativo por causa de um medo que não existia, mas aconteceu somente por causa deste medo.

7. Sorria mais.

Sorrir é o melhor remédio para a vida. Deu certo, sorria e festeje o resultado. Deu errado, sorria e conserte. Aprender a assumir os erros e comprometer-se a corrigi-los é para poucos profissionais que destacam-se e diminuem as chances de novas decepções. Viver bem é sorrir para viver. Experimente!

* Jaques Grinberg é empreendedor, coach, palestrante, consultor e sócio em quatro empresas.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa