Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como lidar com as decepções profissionais

Como lidar com as decepções profissionais

18/05/2016 Jaques Grinberg

Muitos profissionais, empregados ou não, já sentiram-se decepcionados.

Como lidar com as decepções profissionais

Podemos traduzir para desapontados ou enganados com uma situação ou promessa não realizada. É fácil culpar terceiros por uma decepção, o chefe ou colegas de trabalho.

Alguns, culpam os clientes e outros muitas vezes nem sabem quem culpar. A decepção acontece quando algo que esperávamos acontecer não acontece.

Veja 7 dicas para aprender a lidar com as decepções e sofrer menos.

1. Espere menos e faça muito mais.

Quando a expectativa é menor, as chances de uma decepção também são menores. E quando você espera menos e faz muito mais, diminuí muito as chances de decepcionar-se. O grande erro de muitos profissionais é esperar muito e nada fazer para ter o resultado esperado.

2. Faça por você, não espere um obrigado.

Os profissionais que faz o que precisa ser feito, sem esperar um agradecimento do chefe ou elogios dos colegas conseguem trabalhar com mais satisfação.

3. Estude muito e esteja preparado para novos desafios.

Independente da sua profissão e responsabilidades, em um mundo globalizado e competitivo, é importante acompanhar as mudanças. Tempo de profissão já foi um diferencial competitivo, atualmente é o conhecimento, facilidade de trabalho em equipe e flexibilidade que tornam um profissional requisitado.

4. Seja curioso e criativo. Pergunte e descubra coisas novas todos os dias.

Qual foi a última vez que você participou de uma palestra, leu um livro ou pesquisou na internet informações para o seu trabalho render muito mais. O que os seus clientes, seus colegas e o seu chefe pensam do seu trabalho é o mesmo que você pensa? Existem formas de fazer o seu trabalho mais rápido e com uma qualidade superior? Seja curioso e criativo, responda estas perguntas com duas ou três possibilidades diferentes.

5. Acredite no seu potencial.

Todos nascem igual, não existe sorte, existe força de vontade. Ganhar na loteria é probabilidade. O jogador tem que investir tempo para ir até uma lotérica, pensar e escolher os números para jogar, arriscar e pagar o valor do jogo para ter chances de ganhar.

E quando ganha, todos dizem que é sorte. Sorte é ganhar na loteria sem jogar. Podemos trazer este conceito para a empresa, como por exemplo, aquele colega que foi promovido e todos dizem que é sorte ou “puxa saco”. O que ele fez e tem de diferente para ter sido promovido?

6. Não tenha medo do que ainda não aconteceu.

Ter medo do que ainda não aconteceu é mais comum do que você imagina. Ter medo de perder o emprego é um dos fatores que geram a decepção profissional. Quando um profissional acredita que irá perder o emprego o seu rendimento cai e falhas no serviço começam a acontecer.

Quando perde o emprego a culpa é dos colegas, do chefe que não gostava dele ou da crise. O profissional esquece de avaliar o seu desempenho negativo por causa de um medo que não existia, mas aconteceu somente por causa deste medo.

7. Sorria mais.

Sorrir é o melhor remédio para a vida. Deu certo, sorria e festeje o resultado. Deu errado, sorria e conserte. Aprender a assumir os erros e comprometer-se a corrigi-los é para poucos profissionais que destacam-se e diminuem as chances de novas decepções. Viver bem é sorrir para viver. Experimente!

* Jaques Grinberg é empreendedor, coach, palestrante, consultor e sócio em quatro empresas.



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.