Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Como separar as contas da empresa das despesas pessoais

Como separar as contas da empresa das despesas pessoais

05/04/2018 Dora Ramos

Dicas simples para administrar o orçamento e garantir a destinação correta dos recursos.

Na correria do dia a dia, muitos microempreendedores têm dificuldade para separar as suas finanças pessoais das despesas do negócio. Assim, as contas acabam se confundindo e o empresário não consegue identificar o que foram gastos da empresa e quais retiradas serviram para atender necessidades individuais ou familiares.

No entanto, essa falta de organização pode ser muito prejudicial para a saúde financeira da PME, colocando em risco a sobrevivência do empreendimento. Por isso, para auxiliar os pequenos empresários, preparei algumas dicas simples e importantes para ajudá-los a administrar o orçamento e a garantir a destinação correta dos recursos. Confira:

1. Faça um registro dos gastos e despesas. Elabore uma planilha para registrar todos os gastos do negócio e as despesas pessoais, com uma separação nítida entre as contas da pessoa física e da pessoa jurídica. Atualmente, alguns softwares e aplicativos também podem auxiliar nesse processo de uma forma mais prática e segura.

2. Tenha contas bancárias separadas. Apesar de parecer algo óbvio, muitos empresários ainda não possuem contas específicas para o negócio. Para evitar confusão e controlar as despesas, é essencial separar cartões de crédito, débito e extratos bancários. Procure o auxílio de um banco para escolher a melhor opção para a sua empresa.

3. Estabeleça um salário fixo. Evite fazer retiradas da conta da empresa para cobrir seus gastos pessoais. Estabelecer um salário fixo, com uma renda mínima mensal, pode te ajudar a organizar melhor as finanças do negócio. Quando a empresa faturar mais ou quando as metas forem atingidas, é possível determinar um bônus ou premiação para você e para os funcionários.

4. Faça reservas financeiras. Os momentos de alto faturamento são ideais para fazer uma reserva financeira e evitar complicações futuras. Assim, em tempos de crise, você não precisará tirar dinheiro do próprio bolso para manter o funcionamento do negócio.

5. Busque a ajuda de um contador. É sempre importante estar informado sobre os seus direitos e sobre as novidades do setor em que a sua empresa atua. Um contador especialista pode ser um ótimo parceiro para identificar oportunidades, além de ajudá-lo a organizar as finanças e a manter as contas em dia.

* Dora Ramos é educadora, coach financeira e diretora responsável pela Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial, em São Paulo.

Fonte: GP Image 



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.