Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Covid-19: o que nos aguarda em 2021?

Covid-19: o que nos aguarda em 2021?

11/01/2021 Dra. Fernanda Fontanezi

Longe de todas as expectativas, iniciamos o ano de 2021 ainda na luta contra a Covid-19.

Pudemos observar que a esperança trazida pela melhora no número de casos observada a partir de agosto de 2020 gerou uma sensação de segurança para uma parte importante da população brasileira.

Segurança para retomar suas rotinas diárias, visitar vizinhos, parentes e amigos, e, principalmente, para afrouxar os cuidados instaurados e cientificamente comprovados para a diminuição da circulação do vírus na sociedade.

Ou seja, a falsa ideia de que o fim da pandemia se aproximava fez com que muitas pessoas deixassem de usar máscara e de evitar aglomerações ou, até mesmo, reduzissem os cuidados com a higiene das mãos.

Felizmente, hoje, podemos dizer que os profissionais da saúde desenvolveram uma boa expertise no tratamento dos pacientes com Covid-19, fazendo com que reduzíssemos o tempo de permanência em UTI e o número intubados, quando comparamos o período atual aos piores meses da pandemia no Brasil.

Além disso, temos a nosso favor muito mais informações sobre tratamentos confiáveis do que havia em março e abril do ano passado.

Mas o vírus continua aqui, entre nós. Por mais que tenhamos melhorado nossos indicadores de qualidade no tratamento da infecção, não temos cura, a vacinação ainda não é uma realidade para os brasileiros e, portanto, as infecções e os óbitos continuam a ocorrer.

As únicas medidas que temos para impedir a propagação do vírus são as descritas acima, que vêm sendo sistematicamente sub-rogadas por uma parcela da população.

Como resultado, vemos o aumento no número de casos confirmados desde meados de novembro de 2020 e, muito pior, o aumento também no caso de óbitos em decorrência da doença.

Estamos cansados, sim, desta pandemia, mas isso não faz com que ela desapareça. Precisamos manter as medidas de propagação para impedirmos que esse aumento se torne exponencial, como aconteceu no segundo trimestre de 2020.

Precisamos evitar o colapso do sistema de saúde antes de conseguirmos vacinar entre 85% e 95% da população, para, assim, adquirirmos a imunidade de rebanho e evitarmos a circulação do vírus.

As férias de janeiro trazem um grave temor para os que lidam com a infecção diariamente. Observamos que houve afrouxamento nas medidas de segurança durante as festas, e estamos apreensivos que isso não só se propague durante as férias, mas que piore.

E que retornemos ao que vivemos no início desta pandemia, com as mais de mil mortes diárias, o colapso do sistema de saúde em alguns Estados e a Covid-19 vencendo a batalha diariamente.

Por isso, a comunidade médica faz um forte apelo. Até que tenhamos a vacinação em massa, devemos nos manter em quarentena, utilizando as medidas de precaução e cuidando não apenas de nós, mas de toda a população suscetível ao agravamento da infecção.

* Dra. Fernanda Fontanezi é diretora da Unidade Santana da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Fonte: Máquina cohn&wolfe



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.