Portal O Debate
Grupo WhatsApp

CPI da Covid, chicotes para uns, afagos para outros

CPI da Covid, chicotes para uns, afagos para outros

21/06/2021 Bady Curi Neto

A CPI da Covid, instalada no Senado Federal, afastou de seu mister, investigar ações e omissões do Governo Federal e desvios das verbas repassadas para os Estados e Municípios, dando azo, infelizmente, a palco para politicalha.

A expressão utilizada pode parecer pesada, mas quando a casa maior do Congresso Nacional, imbuída da missão constitucional de fiscalizar, com poderes próprios das autoridades judiciárias, distancia-se de sua atribuição para fazer palanque Eleitoral futuro, não há outro adjetivo a ser empregado.

Ao que transparece, alguns Senadores estão utilizando das sessões televisionadas com intuito, apenas, de atacar o Governo Federal e fazer palco midiático.

Depoentes, sejam convidados ou testemunhas, com opiniões que divergem dos oposicionistas, têm sido duramente desrespeitados em suas falas.

Imputam a eles a pecha de mentirosos, desqualificam sua formação profissional, a exemplo do ocorrido com a Dra. Nise Yamaguchi.

Testemunhas chegaram a ser ameaçadas de prisão, no intento claro de medrá-las e trazer instabilidade emocional.

No dia 16 de junho, prestou depoimento na CPI, na condição de convidado, o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, amparado por uma liminar do Supremo Tribunal Federal, que o dispensava de fazer juramento, responder às perguntas e deixar a sessão da CPI quando lhe aprouvesse, o que veio a ocorrer.

A sessão iniciou com um discurso de autodefesa do Governador que criticou Magistrados, Procuradores da República, Polícia Federal e autoridades que decidiram por seu impeachment (Deputados e Desembargadores do RJ), no qual denominou como sendo um Tribunal de Exceção, com pitadas de acusações ao Presidente da República e seus familiares.

O ex-governador, ainda, sugeriu à Comissão Parlamentar de Inquérito que abrisse uma investigação contra aqueles que o investigara e o acusara de desviar dinheiro em seu Governo, leia-se, o Ministério Público e a Polícia Judiciária, reservando o direito de responder algumas perguntas em uma sessão secreta.

Não conheço os autos do processo do impeachment do ex-governador para fazer qualquer juízo de valor. Os processos criminais nos quais fora denunciado estão iniciando, sendo, portanto, compreensivo, apesar de não ser o foro adequando, seu discurso de defesa, mesmo porque, estava salvaguardado por habeas corpus para não ter que responder a verdade que o autoincriminasse.

O que é por todo incompreensivo, foram as perguntas elaboradas pelo relator, Renan Calheiros, que fugiram quase a totalidade do escopo da CPI.

As perguntas basearam nas entrevistas do passado na qual Wilson Witzel dissera que havia provas contra o Senador Flavio Bolsonaro, tratou de apoio de eleições, se houve operação política da Polícia Federal, entre outras.

O próprio presidente da CPI, Omar Aziz, concordou que aquelas perguntas nada tinham a ver com o Covid, mas que eram perguntas do Relator, portanto não poderiam ser indeferidas.

A lhaneza com que o Witzel fora interrogado pelo relator causou estranheza. Renan apresenta seu chicote para aqueles que divergem de sua opinião e afaga os que falam o que ele quer ouvir.

Após Witzel discursar sua defesa contra tudo e contra todos, ser tratado como vestal pelo Relator, receber os afagos dos parlamentares oposicionistas, acusar procuradores, policiais e magistrados, ao se deparar com o primeiro enfrentamento, levantou-se, fechando as cortinas do palco CPI, prometendo prestar novo depoimento, porém com as cortinas cerradas.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre CPI da Covid clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.